search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Alto-forno vai ser religado em Tubarão após seis meses parado

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Alto-forno vai ser religado em Tubarão após seis meses parado


Parque industrial:  equipamento produz 2,8 milhões de toneladas (Foto: Divulgação)
Parque industrial: equipamento produz 2,8 milhões de toneladas (Foto: Divulgação)

De olho no cenário de recuperação da economia, a ArcelorMittal Tubarão anunciou que fará o religamento do seu terceiro alto-forno, parado desde abril deste ano por conta do momento econômico desfavorável causado pela pandemia do novo coronavírus.

Segundo a empresa, o equipamento, que tem capacidade nominal de 2,8 milhões de toneladas por ano, vai voltar a operar a partir da segunda semana de outubro, e atualmente passa por manutenções finais.

A ArcelorMittal é a maior produtora de aço do País, e tem capacidade instalada no Estado para produzir mais de 7 milhões de toneladas por ano.

“O religamento é uma decisão estratégica diante da aparente tendência de recuperação pela qual o setor vem passando. Embora ainda seja cedo para avaliar os próximos cenários, incluindo se haverá retomada e se ela será sustentável, a empresa quer estar preparada para uma maior e mais rápida flexibilização operacional, caso o mercado continue respondendo positivamente”, informou a empresa em comunicado.

Em julho, a siderúrgica já havia reativado o alto-forno número dois, que estava parado desde 2019, também na usina de Tubarão, entre Vitória e a Serra. A unidade tem capacidade de 1,2 milhão de toneladas por ano.

Segundo a empresa, com a volta da operação do terceiro equipamento, a ArcelorMittal Tubarão seguirá operando seus três altos-fornos com suas capacidades reduzidas, visando atender aos clientes que começam a retomar gradualmente o consumo e para garantir a otimização operacional da planta.

Otimismo

A presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Cristhine Samorini, comemorou a decisão da ArcelorMittal em voltar a ampliar sua produção neste ano.

Segundo ela, a iniciativa reflete a confiança em uma retomada da economia, após resultados negativos para o Produto Interno Bruto (PIB) capixaba.

“A retomada da economia é real. A Arcelor amplia sua capacidade de produção para atender o mercado externo, o que é mais um sinal positivo para a indústria”, disse a presidente da Findes.

Samarco mantém retorno das atividades neste ano

A mineradora Samarco mantém a previsão de retomada das atividades no Estado para o fim do ano, e os planos não foram alterados pela pandemia do novo coronavírus.

A mineradora parou suas atividades em Anchieta há mais de quatro anos, após o rompimento da barragem em Mariana (MG).

Segundo a Samarco, com a obtenção da Licença de Operação Corretiva (LOC), em outubro de 2019, a empresa possui todas as licenças ambientais necessárias para reiniciar suas atividades.

“A empresa voltará com um concentrador em Germano, em Minas Gerais, e uma usina de pelotização em Ubu, no Espírito Santo, ou seja, com 26% da capacidade produtiva de nossas operações”, afirmou em nota a Samarco.

O retorno ocorrerá após a implantação do sistema de filtragem, em andamento, e conclusão das atividades de prontidão operacional, também de acordo com a empresa.

A mineradora informou que eventuais oportunidades de emprego para atuar no Espírito Santo serão divulgadas por meio do site Vagas.com.

Em Anchieta, estão localizadas as quatro usinas de pelotização da Samarco, que processam o minério extraído em Minas Gerais. Em 2015, ano em que a Samarco paralisou suas operações, foram produzidas 24,9 milhões de toneladas, sendo 97% em pelotas e 3% em finos de minério de ferro.

Naquele ano, a companhia foi a 12ª maior exportadora do Brasil, faturou R$ 6,5 bilhões e criou cerca de 6 mil

Samarco  em Anchieta: retomada (Foto: Arquivo/AT)
Samarco em Anchieta: retomada (Foto: Arquivo/AT)


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados