search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Alan Venturin lança clipe e mostra nova fase

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

Alan Venturin lança clipe e mostra nova fase


O cantor, compositor e baterista Alan Venturin já está com duas outras músicas para lançar: “Como Vai Você?” e “Musa do Baile” (Foto: Divulgação/Rafael Nick)O cantor, compositor e baterista Alan Venturin já está com duas outras músicas para lançar: “Como Vai Você?” e “Musa do Baile” (Foto: Divulgação/Rafael Nick)


A semana começa com novidades do cantor, compositor e baterista Alan Venturin, 39 anos. Nesta segunda-feira (3), às 18h, no seu canal no YouTube, o artista de Bento Ferreira, em Vitória, lança o clipe de “Ah que Louco”, gravado durante o pôr do sol.

Com 25 anos de carreira, o capixaba prova que ainda tem disposição para se reinventar e diz em bate-papo com o AT2: “Me dedico 101%, sempre”. Alan, que estreou nos palcos aos 15 anos, tocando bateria em uma banda de rock, conta que “Ah Que Louco” marca mais uma mudança na sua pegada musical.

“Essa nova fase vai mostrar um Alan mais versátil ainda nas composições, passeando e respirando novos ares”, explica.

E o que “Ah Que Louco” quer mostrar? “Ela representa essa loucura que estamos vivendo. E, quando tudo isso passar, com certeza iremos dar mais valor à vida, às coisas e às pessoas”, salienta Alan Venturin, que garante que sua pandemia criativa não é de um hit só.

Ele compôs outras canções durante o isolamento social provocado pelo novo coronavírus, entre elas “Como Vai Você?” e “Musa do Baile”. Ainda não há previsão para lançamento dessas canções, mas a ideia é fazer este ano ainda.

“Musa do Baile”, que contou com a participação de André Lellis, deve sair primeiro. “Será uma canção animada, pra agitar as pistas de dança. Tenho certeza de que o público vai gostar muito”, salienta.

Já o clipe de “Ah que Louco” registrou o pôr do sol da Baía de Vitória, de Camburi, Enseada do Suá, Ilha das Caieiras e Goiabeiras. “Simboliza o fim de um dia, fim de um ciclo”, diz.

Assista “Ah que Louco”:


Alan Venturin - Cantor e compositor
“O rock está em quase tudo”


AT2: No clipe de “Ah que Louco”, você traz o pôr do sol na Baía de Vitória. O que o inspira?
Alan Venturin: Sou fã do pôr do sol e, quando finalizei a música, queria muito fazer um clipe que transmitisse paz e leveza na fotografia, mostrando nossas riquezas naturais e deixando uma reflexão do que realmente importa.

Fala mais sobre “Como Vai Você?” e “Musa do Baile”. Rolou participação na composição de alguma delas?
“Como Vai Você?” é um samba-rock com uma pegada bem quente. A “Musa do Baile”, eu fiz com meu brother André Lellis, em uma das suas vindas pra cá, numa batida pop funk.

Sua música é animada, seus shows sempre tiveram uma energia bacana. Nesse período pandêmico, com tudo parado, como canalizou toda sua energia represada?
Vou ser bem sincero: eu canalizei 100% nas composições. E tenho algumas aqui que estou com muita vontade de gravar e disponibilizar logo para o público.

Começou sua carreira como baterista de banda de rock. O espírito roqueiro ainda está por aí? Quando ele baixa, é através de quê?
(Risos) O rock está na veia! Pego o violão aqui em casa e solto a voz! (Risos)

Hoje, o som que faz é bem diferente, indo do sertanejo ao axé. O que te preparou para se tornar tão eclético e de que forma o rock contribuiu?
O rock está em quase tudo, quando tratamos de música. Por isso a facilidade de encontrar vários elementos em outros gêneros musicais, e botar pra ferver!

Sempre soube que o palco era sua praia? Como se apaixonou pela música?
Minha mãe sempre me incentivou, desde criança, com aulas na escolinha de música. E o palco veio naturalmente aos 15 anos, como baterista de banda de rock. Aos 20, como cantor. Ver e sentir a reação do público durante os shows é minha inspiração. Só de lembrar, arrepia! Saudade que fala, né?!