search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Advogada acusada de crimes é mulher de chefe de facção criminosa no Estado

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

Advogada acusada de crimes é mulher de chefe de facção criminosa no Estado


Um esquema de lavagem de dinheiro do tráfico de drogas com o envolvimento de duas advogadas foi descoberto pela Polícia Civil no Espírito Santo após uma investigação que durou um ano e meio. Uma advogada, de 37 anos, é mulher de um dos líderes da quadrilha.

A facção criminosa atua no Complexo da Penha, em Vitória, e tem pelo menos 20 pessoas envolvidas no esquema de lavagem de dinheiro das drogas, segundo a polícia.

Operação Capital no Bairro da Penha, em Vitória. (Foto: Reprodução vídeo/Divulgação Sesp)
Operação Capital no Bairro da Penha, em Vitória. (Foto: Reprodução vídeo/Divulgação Sesp)
Duas advogadas atuavam como uma espécie de departamento jurídico da organização, assessorando os criminosos. A mulher de um dos líderes da facção era quem comandava uma empresa de fachada para lavagem do dinheiro.

Uma operação para desarticular a quadrilha aconteceu na última terça-feira (22) e a polícia vasculhou 20 endereços em Vitória, Vila Velha, Cariacica, Serra, Guarapari, Marataízes, Cachoeiro de Itapemirim e na cidade do Rio de Janeiro. Foram apreendidos documentos, computadores, munições e drogas.

Também foi realizado o bloqueio dos bens da facção, que somam mais de R$ 2 milhões em apartamentos, casa de luxo e veículos comprados com o dinheiro do tráfico.

Loja infantil lavava o dinheiro do tráfico

A polícia descobriu que uma loja de roupas infantis localizada na Serra - registrada no nome da irmã e da mãe da advogada de 37 anos - era usada para lavar o dinheiro do tráfico. Uma outra mulher, de 27 anos, também casada com um traficante da quadrilha, era a responsável por buscar o dinheiro da droga no Complexo da Penha e levar até à loja.

De acordo com o delegado Marcus Vinicius, da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas (Draco), com o dinheiro do tráfico, os criminosos compraram seis apartamentos na Serra e em Vitória, além de uma casa de luxo em Guarapari. Só os imóveis totalizam cerca de R$ 2 milhões.

Além disso, adquiriram três carros, no valor de R$ 200 mil. Os bens da quadrilha eram registrados em nomes de laranjas e de familiares da advogada. A prisão domiciliar dela foi decretada pela Justiça, mas ainda não foi localizada pela polícia.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados