search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A terceira pessoa
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


A terceira pessoa

 (Foto: Divulgação) (Foto: Divulgação)

Escrever ficção é sempre uma aventura pra mim. Acostumada a textos curtos e à prosa acelerada, a tarefa de mergulhar nas águas caudalosas de uma história longa é um desafio que exige tempo, foco e, no meu caso, coragem. Mas me atrevi, de novo. E, para tornar a façanha ainda mais emocionante, pela primeira vez escrevi um romance na terceira pessoa, essa entidade invisível.

A terceira pessoa é uma espécie de síndico contratado por fora. Alguém que vai dizer para o leitor o que o personagem está pensando e sentindo, se a água que bebe está envenenada, se seus medos o paralisam, se começou a chover. É quem faz a cobertura completa dos fatos objetivos e subjetivos da história. Craques da literatura dominam bem esse modo de contar.

Talhada pela poesia confessional e pelos 26 anos de colunismo de opinião, a experiência que tenho é outra. Minha fala escorre pelos dedos no teclado, mas, antes, passa pelo umbigo: o pronome “eu” me é muito familiar.

Então, quando comecei a publicar narrativas longas, estreando com “Divã”, naturalmente dei minha voz à personagem principal, e me entusiasmei com a possibilidade de sentir o que ela sentia, de entendê-la por dentro, de ser ela.

Escrever ficção na primeira pessoa se equipara ao trabalho de uma atriz que é desafiada a ser outro alguém, a agir como nunca agiu, com permissão para ser perigosa, imoral, alucinada, entre outras facetas que costumamos reprimir na vida real. E sem ser julgada por isso.

É, também, uma forma simplificada de fazer com que o leitor acredite no personagem, e só nele. Quando publiquei o livro de cartas fictícias “Tudo que eu queria te dizer”, fui um padre quebrando o voto do confessionário, uma mulher ficando cega, uma prostituta casada, uma moça que descobria tardiamente que era adotada, um louco preso no hospício, o viúvo de uma suicida, um adolescente que provocou uma morte.
A recompensa: os leitores se comoveram com as dores desses estranhos, sem me enxergar por trás.

Agora, ao escrever na terceira pessoa, enfrentei obstáculos que não conhecia. Foi difícil manter distância da cena. Me aproximei o máximo que pude, fui solidária a cada um dos meus personagens, mas eu não era eles: ainda era uma escritora olhando pelo buraco da fechadura daquela história – criada por mim, narrada por mim, mas sem a promiscuidade adorável a que eu estava habituada.

O resultado acaba de chegar às livrarias: chama-se “A claridade lá fora”. A boa notícia é que nem o narrador nem os personagens dão um pio sobre pandemia ou política.

Conto com sua leitura para descobrir do que trata o livro e para me dizer se valeu o esforço. Agora que já expus minhas dificuldades dissertativas, a única pessoa que me importa é você.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

Não basta falar em Deus

Um leitor me pergunta por e-mail: “Como podes atacar um homem tão bom, um aliado de Deus?”. Não preciso dizer a quem ele defendia. A mensagem era cortês, de alguém que acredita que um político que se …


Exclusivo
Martha Medeiros

Aprimorar-se

“Aprimorada pelo tempo”. Gostei dessa definição que li no livro A Ciranda das Mulheres Sábias, da Clarisse Estés. Envelhecer não é nenhum escândalo, mas aprimorar-se é um verbo mais simpático. Na …


Exclusivo
Martha Medeiros

De repente, um sinal de WhatsApp

Me sento em frente ao computador e olho para a tela em branco. Estou decidida a escrever algo a respeito do Dia dos Namorados, mas o quê? A clássica angústia dos colunistas. Antes que me venha a …


Exclusivo
Martha Medeiros

Por trás das máscaras

Ela vinha caminhando em minha direção, de rabo de cavalo, óculos escuros e máscara. Graças à educação que recebi em casa, disse a ela “bom dia”, como digo a todos com quem cruzo durante uma caminhada…


Exclusivo
Martha Medeiros

Vamos comprar um poeta

Sou obrigada a dar o crédito à maldita pandemia: estou lendo bem mais. Ando faminta pelas histórias dos outros, pela vida em sua amplitude e assim vou atualizando as versões de mim mesma. A leitura …


Exclusivo
Martha Medeiros

O que será de nós?

Quem conhece a obra do psicanalista Contardo Calligaris deve ter se sentido, como eu, meio órfã com sua partida precoce. Suas colunas de jornal, entrevistas, palestras, tudo servia como uma espécie …


Exclusivo
Martha Medeiros

Recorrendo à utopia

Em determinadas cidades, o comércio pode ficar aberto; em outras, deve fechar. Em alguns países, os surtos diminuíram; em outros, foram detectadas novas variantes do vírus. Há crianças sem aulas por …


Exclusivo
Martha Medeiros

Flower Power

Em meio ao desespero pandêmico, foi baixado um decreto autorizando supermercados gaúchos a venderem apenas produtos essenciais – o que fosse supérfluo deveria ser coberto por um plástico ou qualquer …


Exclusivo
Martha Medeiros

Realeza e realidade

Quando criança, figuras monárquicas eram personagens da minha imaginação, com todos os estereótipos que lhes cabiam: a princesa bela, a rainha ardilosa, o príncipe salvador, o rei indolente – nada …


Exclusivo
Martha Medeiros

Uma bandeira destruída

Não sou de me ufanar, mas é difícil segurar a emoção quando vejo um atleta receber uma medalha olímpica enquanto nosso hino toca e a bandeira do País é hasteada. Nesses momentos, sou tomada de um …