search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

"A mãe dela só sabe chorar. Ela quer Justiça", diz tia da menina Alice

Notícias

Polícia

"A mãe dela só sabe chorar. Ela quer Justiça", diz tia da menina Alice


Amanda Guedes, mãe de Alice, precisou ser amparada durante o velório (Foto: Kadidja Fernandes / AT - 10/2/2020)
Amanda Guedes, mãe de Alice, precisou ser amparada durante o velório (Foto: Kadidja Fernandes / AT - 10/2/2020)
Em meio à dor e ao sofrimento de perder a filha, que foi morta a tiros, na noite de domingo, no bairro Dom João Batista, em Vila Velha, a jovem Amanda Guedes, de 23 anos, pediu Justiça.

Alice da Silva Almeida, de 3 anos, morreu atingida por um tiro no tórax e outro na perna. “A mãe dela só sabe chorar. Está à base de remédios e mal consegue se manter de pé. A única coisa que ela fala é que quer Justiça”, afirmou a auxiliar de escrevente Agda Ester Guedes, 27, tia da vítima e irmã de Amanda.

Ela destacou que a irmã e o cunhado, pai de Alice, não estão ficando mais na casa onde a menina foi assassinada. “Minha irmã não quer mais voltar para a casa, pois tudo lá lembra a Alice. E é muito dolorido para ela”, ressaltou.

De acordo com a auxiliar, mãe e filha eram muito apegadas. “Ela era o nosso xodozinho, a nossa princesinha. Muito linda e vaidosa. Eu escolhi a roupa de Branca de Neve para ela ser enterrada pois era a que mais gostava”.

Alice foi sepultada no Cemitério Parque da Paz, em Ponta da Fruta, também em Vila Velha. Além da roupa de princesa, a menina foi enterrada com as unhas pintadas, batom e uma flor na mão.

“A madrinha dela pintou as unhas e eu pedi que passasse um batom, pois era assim que a Alice gostava. Ela era filha única, muito amada por todos. Agora não sabemos por onde recomeçar. Estamos sem chão”, lamentou Agda.

A família entrou em desespero assim que recebeu a notícia da morte de Alice. O pai da pequena, Geovane Almeida, chegou a socar a parede com uma das mãos e se machucou. “Ele fez isso pela revolta de toda a situação”, disse Agda.

Eles esperam, no entanto, que os criminosos envolvidos no tiroteio sejam identificados e presos. “A minha irmã fala que quer que quem fez isso pague. Mas a verdade é que, por mais que se prenda esse, outros virão. É uma guerra que não vai acabar nunca”, declarou Agda, com a voz muito abalada.

Já a bisavó de Alice, a dona de casa Lucila Maria Gonçalves, de 79 anos, comentou sobre a violência no bairro onde o crime ocorreu.

“Eu já chorei tanto por outras famílias e hoje estou chorando pela minha. Jamais imaginei que uma coisa dessas pudesse acontecer com a minha bisneta. Aqui eu não saio de casa de tanto medo que tenho. Aqui está muito violento, perigoso demais”, revelou a bisavó.

A idosa declarou que está com o coração partido. “Não sei mais nem se a Amanda vai continuar morando aqui depois de tudo. Meu coração está partido”.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados