search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

À espera da final
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


À espera da final

Tivesse o presidente da Federação de Futebol do Rio um pouco mais de boa vontade e ousadia, o Campeonato Carioca, que inicia amanhã em sua fase principal, seria mais do que uma competição charmosa. E se além da boa vontade e da ousadia, ele exibisse competência e liderança política, transformaria uma disputa enfadonha e desequilibrada num torneio preparatório para a temporada e capaz de projetar jovens valores ainda desconhecidos para o grande público.

Já escrevi e repito: a tentativa de replicar no Rio a interiorização que deu certo em São Paulo, praticamente decretou a falência de pequenos clubes dos subúrbios carioca, como Bonsucesso, São Cristóvão e Campo Grande, e quase fez desaparecer outros, como Olaria, Madureira e Bangu.

Não se pensou num modelo que promovesse a inclusão inteligente dos clubes de outras cidades do estado e o que se viu, ao longo dos últimos trinta e poucos anos, foi a decadência do futebol do Rio como um todo.

Em maio de 1981, o Olaria conquistou a Taça de Bronze, a Série C do Brasileiro da época. Em 1982, mais precisamente em abril, o Campo Grande sagrou-se o campeão da Taça de Prata, segunda divisão nacional. Em 1985, o Bangu perdeu para o Coritiba (nos pênaltis) o título do Brasileiro; e, em 1986, o América, numa campanha inesquecível, chegou ao terceiro lugar da maior competição do País, sendo eliminado em jogo equilibrado pelo São Paulo de Careca, Pita, Renato, Silas e Müller.

É evidente que a globalização apequenou a importância dos títulos estaduais, mas não apagou a importância destes clubes. E basta assistir a campeonatos das divisões de base do futebol carioca para que se enxergue o papel que eles ainda desenvolvem na cadeia de captação de valores.

No empenho dos meninos que se desenvolvem como titulares dessas pequenas forças para, no funil da formação, fugir da luta inglória com outra dezena que luta por uma vaga entre os 11, 15 ou 18 titulares.

Os Estaduais, ou pelo menos o Carioca, deveriam ser um torneio curto e para o aproveitamento de jogadores até 23 anos — com possibilidade para a utilização de três mais experientes, sem contar com o goleiro. Com toda a promoção necessária para a abertura do calendário.

Garanto que os torcedores e os clubes saberiam tirar mais proveito de uma competição cuja disputa só se valoriza no dia da conquista.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Pedra no sapato

O Flamengo disputa na manhã de hoje, contra o Athletico, em Brasília, o primeiro dos três troféus que tem para erguer nas próximas duas semanas — a saber: a Taça Guanabara, no sábado, e a Recopa …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Paixão e orgulho

Dois jogos num só, no Fla-Flu da semifinal da Taça Guanabara na noite chuvosa da quarta-feira, no Maracanã. O Flamengo venceu o primeiro tempo por 2 a 0, com gols em oito minutos, e um repertório de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Em busca de outro patamar

Quase 40 dias após o início da temporada de 2020 no futebol brasileiro, apenas um treinador comandou o time mais vezes do que Odair Hellmann — Guto Ferreira já fez oito jogos à frente do Sport, por …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Nenhum dos quatro primeiros clássicos do Estadual do Rio serviu para aferir o quanto os times estão prontos para serem cobrados pela qualidade do futebol que produzem. Mas, cá pra nós: alguém …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O vírus da paixão

O futebol é apaixonante e, justamente por cegar seus adoradores, exige esforço para que se entenda a lógica construída pelos resultados e se aceite as verdades impostas pela massa. Como o caso …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

É triste ver a mediocridade do futebol praticado pelos clubes cariocas — excetuando-se o Flamengo que, até aqui, tentou ao menos exibir ideias de jogo coletivo mais bem trabalhadas. Tudo bem que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Símbolo da nova era

Impossível desassociar a compra dos direitos econômicos de Gabriel Barbosa à chegada de Romário ao mesmo Flamengo, em 1995. Primeiro pelo fato de o acordo ter sido fechado na noite do dia 27 de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O futebol em um domingo triste

O desaparecimento de um ídolo do esporte como Kobe Bryant, estrela da NBA, em tragédia fartamente noticiada na mídia mundial, deu um tom amargo à rodada do futebol no final de semana. Ainda mais em …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Invictus

Jorge Jesus e João de Deus, por certo, estão satisfeitos com a atuação dos “miúdos” rubro-negros no 1 a 0 sobre o Vasco dessa quarta-feira. Os dois estavam no Maracanã e viram de perto que o Flamengo …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O valor do ídolo

Besteira gastar tempo em análise racional sobre o interesse do Fluminense no retorno do Fred. Porque o sentimento que move o presidente do clube não leva em consideração os aspectos técnicos. Mário …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados