X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Fusões aquecem mercado de pequenas petroleiras

Investimento anual nas áreas de exploração em terra pode duplicar de US$ 1 bilhão para até US$ 2 bilhões já no final desta década


Imagem ilustrativa da imagem Fusões aquecem mercado de pequenas petroleiras
Exploração de campo terrestre: cadeia de óleo e gás ganha impulso com a Petrobras nos últimos meses |  Foto: Divulgação

O último leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP), em dezembro do ano passado, retomou a oferta de campos em terra. Foram arrematados 92 blocos terrestres, marcando uma nova onda de investimentos entre as petroleiras de médio porte, as chamadas junior oils, e o início de uma fase de consolidação do segmento, com fusões e aquisições no horizonte e a entrada de empresas e investidores.

Em paralelo, a cadeia de óleo e gás ganha impulso com a Petrobras, que abandonou a venda de ativos, ampliou o plano de investimentos e iniciou processos de licitação para aumentar a produção em campos terrestres na Bahia.

A estatal planeja investir US$ 1,7 bilhão (R$ 8,4 bilhões, na cotação atual) até 2028 nas 28 concessões do tipo, na Bahia e no Amazonas.

Segundo a Associação Brasileira dos Produtores Independentes (Abpip), que reúne as junior oils, com as áreas adquiridas no leilão da ANP, o investimento anual nas áreas de exploração em terra pode dobrar, saltando de US$ 1 bilhão para até US$ 2 bilhões (R$ 9,9 bilhões) já no fim desta década.

Isso deve elevar a produção atual em terra, que é de 234 mil barris de óleo equivalente por dia, uma fração pequena do total produzido no País, com os principais campos produtores em alto mar.

“O leilão trouxe surpresas, o que mostra o aquecimento do mercado, com a estreia de empresas no setor. Já temos um aumento dos investimentos e da produção contratada para os próximos anos e o desenvolvimento de novas áreas, como a Bacia do Paraná”, diz Márcio Félix, presidente da Abpip.

“Já vemos movimentação, com junior oils virando objeto de desejo, podendo criar um movimento de fusões e aquisições envolvendo as baby oils (pequenas petroleiras)”. complementou.

No fim de janeiro, a Maha Energy surpreendeu o mercado ao propor a fusão dos ativos em terra das duas petroleiras em que tem participação acionária: a 3R e a Petroreconcavo.

A ideia, dizem fontes, é combinar os campos terrestres delas numa só companhia que poderia somar operação de 80 mil barris diários neste ano. As duas têm áreas na Bahia e no Rio Grande do Norte. Um executivo do setor diz que a união pode sair no primeiro trimestre. O Itaú já foi contratado para participar da operação.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: