X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Edson “Papo furado”: “Quando a gente tocava samba, a polícia levava”

Histórico sambista capixaba, Edson “Papo Furado”, de 84 anos, relembra os anos em que a música era criminalizada



Imagem ilustrativa da imagem Edson “Papo furado”: “Quando a gente tocava samba, a polícia levava”
Histórico sambista capixaba relembra os anos em que a música era criminalizada |  Foto: Fabio Nunes/AT

“Desde cedo, eu respiro samba. Quando ouço o som do pandeiro, do tamborim, me sinto vivo. Indiscutivelmente, o samba é um tesouro brasileiro - e o Espírito Santo, sem dúvidas, foi um dos epicentros da cena sambista nacional. Hoje, vemos a consagração das vozes do samba, mas nem sempre tivemos essa valorização.

Acordar, aos 7 anos, e cantar ‘Madalena, Madalena, você é meu bem querer. Eu vou falar para todo mundo que eu só quero é você’, à beira de uma correnteza que cercava minha casa de infância, na Serra, é a minha primeira memória de vida. O destino já indicava que eu seguiria na música por toda a vida.

Passado

Em meio a um passado de preconceito infundado, o samba era criminalizado. Nós, artistas, éramos chamados de palavras horrorosas. Já fui preso quatro vezes na mesma noite por cantar samba. Quando a gente tocava samba, a polícia nos levava. Era uma verdadeira repressão ao samba.

Quando fundamos a Unidos da Piedade, em 1955, unimos pessoas da Fonte Grande, do Moscoso e da Piedade - e confesso que, à época, tínhamos dúvidas sobre o nome da escola por conta disso. Não imaginávamos que, naquele momento, estaríamos construindo a história do samba capixaba.

Com o tempo, ganhamos respeito e nossa cultura conquistou espaço. Hoje, eu vejo como o povo negro está sendo mais valorizado. Há tantas e tantos negros elegantíssimos.

Racismo

Na minha infância, vivi uma experiência que me dá nó na garganta até hoje. As crianças deveriam ir vestidas de anjo para a missa. Eu fui, mas ouvi do padre que ‘não existe anjo negro’. Minha mãe, quando soube, confrontou o padre para me defender.

Na minha vida, esse termo tomou um outro sentido. Há até um documentário em minha homenagem, chamado ‘Anjo Preto’. Não existe nenhuma diferença entre brancos e negros. Não podemos tolerar o racismo. Nós, da velha guarda do samba capixaba, contribuímos muito para a nossa cultura.

Sabe, eu sou da época em que intérprete era ‘puxador’. Você fica à frente da escola de samba e é a sua voz que dá energia, ritmo e embala todos durante o desfile. Fui o primeiro puxador de samba em Vitória.

Templo do samba

O Sambão do Povo é o nosso verdadeiro templo e tesouro. Nosso carnaval é belíssimo e não deixa nada a desejar a outras capitais. A única diferença entre nós e elas é o dinheiro para a fazer a festa. Eu me lembro da construção do Sambão até hoje.

Era emocionante pensar que teríamos o lugar para celebrar o nosso carnaval. Eu dei as primeiras ‘enxadadas’ para construir o Sambão do Povo. Era um projeto de todos nós, que lutamos muito para construir. O sucesso do Carnaval de Vitória foi construído com muita resistência.

Novos sambistas

Temos uma nova geração de sambistas capixabas de dar orgulho. Os moleques são bons pra caramba e irão continuar escrevendo as páginas da história do nosso samba. Essa renovação da cena cultural é muito positiva.

Quando estamos nas rodas de samba, vejo mães e pais que reprimem as crianças de mexerem nos instrumentos por medo dos pequenos quebrá-los. Por favor, não tirem o pão da boca de criança, não. Deixa a criança aprender! Toda vez que percebo isso, converso delicadamente com os pais e peço para deixarem elas à vontade.

As rodas de samba são os espaços de festa da garotada. Quando acontecem no centro de Vitória, então, a inspiração é certa. É o melhor lugar que existe, é fonte de inspiração para qualquer sambista. Aqui, a vida é diferente e construímos uma verdadeira família.

PERFIL

> Aos 84 anos, Edson Rodrigues Nascimento, conhecido carinhosamente como Edson “Papo Furado”, é um dos maiores nomes do samba capixaba. Foi primeiro intérprete e um dos fundadores da primeira escola de samba do Estado, a Unidos da Piedade.

> Já gravou nove álbuns e se apresentou em capitais como Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador, além do exterior, em Portugal.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: