search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Uso de corticoide em Covid-19
Doutor João Responde

Uso de corticoide em Covid-19

Descobriu-se, recentemente, que o esteroide dexametasona diminui a nefasta reação do sistema imunológico contra o coronavírus, aumentando a chance de sobrevivência do paciente grave.

Denominada “tempestade inflamatória”, esse efeito entre antígeno e anticorpo agrava o já debilitado funcionamento do organismo infectado. Ao permitir que corpo se recupere, sem gastar tanta energia reacional, os corticoides agem como verdadeiros pacificadores na briga entre o vírus e o sistema imune do paciente.

Desde sua introdução na prática clínica, esses notáveis fármacos têm sido amplamente utilizados no tratamento de uma variedade de doenças, sendo os mais potentes agentes anti-inflamatórios existentes. Seu uso vem reduzindo consideravelmente a mortalidade de indivíduos portadores de enfermidades graves, como distúrbios imunológicos, processos inflamatórios e alérgicos, transplantes de órgãos, entre outros.

Quem nunca sentiu dor, vermelhidão e aumento de temperatura, após pisar em um caco de vidro? Esse e outros danos aos nossos tecidos desencadeiam o que é chamado de inflamação, processo natural necessário para reestabelecer à função de órgãos e tecidos. Em alguns casos, devido a um mau funcionamento do organismo, ocorre uma resposta inflamatória descontrolada e prolongada.

Nessas situações, algumas moléculas apresentam-se desreguladas, como acontecem com as citocinas, substâncias produzidas por células específicas, como macrófagos e linfócitos, em reposta a organismos invasores, como vírus e bactérias.

Citocinas atuam no combate a infecções, ativando células produtoras de anticorpos e atraindo células inflamatórias para zonas atingidas, auxiliando o organismo a retornar ao seu equilíbrio. A produção de citocinas dura de poucas horas a alguns dias, porém em doenças graves, essa produção é desregulada e prolongada, levando a níveis inflamatórios exacerbados, como acontece na infecção pelo coronavírus, por exemplo.

Um dos motivos fatais do  SARS-CoV-2 é a reação exagerada que ele causa no sistema imunológico, conhecida como cascata de citocinas.

“Tempestades de citocinas” podem explicar porque algumas pessoas apresentam reações intensas aos coronavírus, enquanto outras experimentam apenas sintomas leves.

O aumento na quantidade de citocinas atrai muitas células inflamatórias para dentro do tecido pulmonar, provocando lesões alveolares.

A principal causa de morte em pacientes infectados pelo coronavírus é a síndrome da deficiência respiratória grave, onde várias citocinas contribuem para a ocorrência da falência pulmonar.

O uso de inibidores de citocinas inflamatórias, como a dexametasona, é crucial para tentar salvar o paciente. Entretanto, pelo fato de interferir com o funcionamento do sistema imune, os corticoides agem como uma “faca com dois gumes”, podendo aumentar a replicação viral e agravar o quadro infeccioso.

Há males que vêm para o bem.

Dexametasona é um mal, mas é um mal necessário.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Não existe vida sem proteína

O principal alimento do corpo é a proteína. Além dos animais, isso acontece também com as plantas. Adubação com nitrogênio, potássio e fósforo vem garantindo que “Araketu”, o pé de araçaúna que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A memória eterniza o tempo

O passado é o presente que sobreviveu na memória humana. O cérebro executa atividades para adquirir, armazenar, reter e recuperar informações. A memória é parte integrante da cognição humana, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vacina contra o vício da cocaína

Estamos vivendo de uma perversa “pandemia” de drogas, em que milhares de pessoas abandonam esperanças e se agarram em ilusões. Um dos mais perigosos “patógenos”, destruidor de mentes e de corpos, é a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tipos de imunização

Nosso organismo é sistematicamente bombardeado por substâncias estranhas. Alguns desses antígenos são capazes de desencadear resposta imune, ou seja, a produção de anticorpos que defenderão o corpo …


Exclusivo
Doutor João Responde

Regulação da glicose no sangue

A regulação da glicose no sangue depende basicamente de dois hormônios: glucagon e insulina. A ação do glucagon é estimular a produção de glicose pelo fígado, e a da insulina é bloquear essa …


Exclusivo
Doutor João Responde

Atitudes contra a sobrevivência

Mesmo neste momento dramático da pandemia, com recorde de casos e de mortes diárias e num estágio em que quase todo mundo conhece alguém que morreu por causa da doença, proliferam comportamentos que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A tortura da coluna travada

Estima-se que uma expressiva quantidade de pessoas tenha ao menos um episódio de dor na coluna, ao longo da vida. Em alguns casos, ela surge de forma tão intensa que deixa o indivíduo impossibilitado …


Exclusivo
Doutor João Responde

Perda de olfato

Anosmia é uma condição que corresponde à perda total ou parcial do olfato. Essa alteração pode estar relacionada com situações temporárias, como acontece durante uma gripe ou resfriado. Pode …


Exclusivo
Doutor João Responde

Efeito rebote de medicamento

Do mesmo jeito que uma bola volta a saltar quando a jogamos, os sintomas de uma doença podem reaparecer quando cessa o efeito daquilo que inicialmente a aliviou. Essa reversão da resposta, após a …


Exclusivo
Doutor João Responde

A sede lembra o valor da água

O ser humano não vive sem oxigênio, água ou alimento. Quando um destes falta ou escasseia, sua sobrevivência fica seriamente ameaçada. Nosso organismo não consegue ultrapassar quatro minutos sem …