search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Tranquilizante causa dependência
Doutor João Responde

Tranquilizante causa dependência

Algumas pessoas que têm dificuldade para enfrentar as vicissitudes da vida procuram um médico, solicitam receita de um calmante e depois não conseguem mais viver sem ele.

Quando a caixa termina, começa uma peregrinação aos consultórios para conseguir novas receitas e continuar comprando o conhecido “tarja preta”.

O uso de remédios para resgatar tranquilidade tornou-se uma epidemia.

Entre os tranquilizantes mais receitados estão os benzodiazepínicos, um tipo de ansiolítico utilizado para tratar ansiedade e distúrbio do sono. Quando usadas durante muito tempo, essas drogas causam dependência química.

Tais fármacos são eficientes, mas devem ser tomados temporariamente, devendo ser prescritos em situações específicas. Infelizmente, o que se vê é a banalização dessas medicações, usadas para costumeiras angústias existenciais.

O uso prolongado de calmantes pode trazer inúmeros prejuízos à saúde, principalmente naquilo que diz respeito às alterações de comportamento. Quem abusa de tranquilizantes certamente vai se queixar de memória fraca.

Benzodiazepínicos são fármacos ansiolíticos viciantes. Além do efeito calmante, eles produzem sedação, relaxamento muscular, sonolência, tontura, diminuição do estado de atenção, perturbações da memória e dificuldades de concentração, efeitos que afetam negativamente a capacidade de conduzir atividades diárias, como dirigir veículos automotores ou utilizar máquinas perigosas.

Em idosos, particularmente, a diminuição da coordenação motora pode resultar em quedas e ferimentos.

Outros efeitos colaterais comuns são diminuição da libido, depressão emocional, hipotensão, visão turva, confusão mental e pesadelos.

Apesar do efeito tranquilizante, podem ocorrer reações paradoxais, como o aparecimento de crises epilépticas, agressão, violência, impulsividade, irritabilidade e comportamento suicida.

Quando usados por muito tempo para conciliar o sono, os benzodiazepínicos alteram a arquitetura fisiológica do sono, podendo levar à insônia persistente. 

O uso crônico de calmantes cria tolerância, obrigando o usuário a aumentar a dose para obter os mesmos efeitos. Por esse motivo, sua administração deve ser de, no máximo, três semanas. Após seis semanas de uso ininterrupto, os benzodiazepínicos causam dependência psicológica e física, mesmo que utilizados moderadamente.

A síndrome de abstinência dessas drogas é comparável aos de outras substâncias que também causam dependência, iniciando-se logo em seguida à suspensão da administração, caracterizando-se por tremores, ansiedade, insônia, perda do apetite e, por vezes, convulsões e surtos psicóticos.

Ansiedades leves e temporárias não devem ser tratadas com remédios. Num estado de inércia medicamentosa não há espaço para vitórias existenciais.

Quando não conseguimos encontrar tranquilidade dentro de nós mesmos, de nada serve procurá-la noutro lugar.

Quem toma calmante para dormir, não dorme; inexiste até de manhã.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

As agoniantes cistites

“Estou urinando de meia em meia hora”, queixou-se minha paciente. “Na verdade, parece que vou verter um oceano de urina, mas acabo eliminando apenas algumas gotas, sempre acompanhadas por uma …


Exclusivo
Doutor João Responde

Reações a medicamentos

É muito frequente o uso do vocábulo remédio como sinônimo de medicamento. No entanto, eles não significam a mesma coisa. Remédio é qualquer tipo de cuidado utilizado para tratar doenças, aliviando …


Exclusivo
Doutor João Responde

O desconfortável soluço

O incômodo soluço surge em situações e momentos mais impróprios. Trata-se de uma contração vigorosa e involuntária do diafragma, músculo responsável pela inspiração e que separa o tórax do abdômen. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Limitações da telemedicina

A medicina se alimenta de informação. Ausência de dados compromete o diagnóstico e o tratamento. O médico pode utilizar um ambiente virtual para centralizar as informações do paciente, facilitando o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vulnerabilidade a medicamentos

Enquanto o corpo envelhece, o espírito amadurece, pois ninguém é demasiadamente idoso para que não possa nutrir esperança. Vulnerabilidade a medicamentos fragiliza a saúde do paciente geriátrico. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pneumonia silenciosa

Pneumonia é um tipo de inflamação que afeta os pulmões, geralmente relacionada a uma infecção. De modo geral, o quadro começa com alguma gripe que não é bem tratada, fazendo com que a imunidade do …


Exclusivo
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade. A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Predadora célula cancerosa

Para manter-se vivo, o corpo precisa lutar contra tudo aquilo que desequilibra suas funções, inclusive contra si mesmo. Munido de uma poderosa arma antigênica, o organismo protege a vida que mantém …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados