search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Tenho medo de infartar de novo
Doutor João Responde

Tenho medo de infartar de novo

Vítimas de infarto costumam temer o retorno da doença. É comum esse tipo de paciente confundir seus sintomas, acreditando que dores e desconfortos sejam sinais de um novo ataque cardíaco.

Atendi um desses casos, no ambulatório, durante a semana. Pelo seu semblante, notei que aquele senhor trazia um diagnóstico pronto, antes mesmo de ser examinado: “Acho que estou tendo um novo ataque cardíaco”, dizia ele.

Solicitei que deitasse na maca e fosse descrevendo aquilo que estava sentindo, enquanto eu tomava sua pressão arterial, verificava o pulso e escutava o coração. Ele disse que acordou de madrugada acometido por dor no peito, azia e sensação de vômito. Muito importante foi ter se lembrado de que a dor melhorou quando se levantou e bebeu água. Mesmo assim, ficou bastante preocupado e resolveu buscar socorro.

Aos poucos fui percebendo que o quadro daquele senhor estava mais para refluxo gastresofágico, doença que consiste no retorno do ácido clorídrico do estômago em direção ao esôfago, do que para infarto agudo do miocárdio. Tranquilizei o paciente e solicitei um eletrocardiograma e algumas enzimas cardíacas.

É curioso como alguns doentes reagem, melhorando os sintomas, quando recebem esclarecimentos sobre seus males. Minha tese foi confirmada quando os exames complementares se mostraram normais.

Direcionando o tratamento para o estômago do paciente, expliquei para ele que alguns sintomas num órgão podem simular doenças em outro órgão. Informei que a presença de ácido dentro do esôfago também irrita nervos encontrados no músculo cardíaco. Essa situação pode causar uma “dor torácica não cardíaca”, frequentemente diagnosticada pelo gastroenterologista.

“Pois é, doutor, desde que coloquei duas pontes de safena, me tornei meio hipocondríaco. Não posso sentir um ligeiro incômodo, uma pequena dor, uma discreta falta de ar, que logo me vem à mente um ataque cardíaco”.

Eu perguntei ao paciente qual era sua atividade antes de sofrer infarto. Ele disse que era empresário. Confessou que estava levando uma vida muito estressante.

Trabalhava até tarde da noite e vivia metido em negociações complexas, que geravam muita tensão emocional. Ansioso, o paciente fumava um cigarro após o outro, que desencadeou uma tosse crônica. Tentou parar de fumar, mas não conseguiu. Seus exames de colesterol, triglicerídeos e glicose alcançavam níveis preocupantes.

Lembrou-se que alguns parentes haviam morrido de doenças cardiovasculares. Apesar da presença desses sinais de alarme, nada mudou e ele infartou.

Eu perguntei: Como está sua vida hoje? De que forma o senhor tem colaborado para que esse drama não se repita? Sua pressão está controlada? Tem tirado férias? Quantos quilômetros o senhor tem caminhado por dia?

“Aprendi a lição. O medo foi meu conselheiro”, disse ele.

Que assim seja. O coração não é um músculo apenas. O coração também tem coração. Ou damos a ele a devida atenção, ou ele nos deita no caixão.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade. A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Predadora célula cancerosa

Para manter-se vivo, o corpo precisa lutar contra tudo aquilo que desequilibra suas funções, inclusive contra si mesmo. Munido de uma poderosa arma antigênica, o organismo protege a vida que mantém …


Exclusivo
Doutor João Responde

Uso de corticoide em Covid-19

Descobriu-se, recentemente, que o esteroide dexametasona diminui a nefasta reação do sistema imunológico contra o coronavírus, aumentando a chance de sobrevivência do paciente grave. Denominada …


Exclusivo
Doutor João Responde

O asfixiante coronavírus

Flutuando no ar, esse invisível inimigo se espalha por meio de gotículas transmitidas ao ar pela respiração, principalmente quando ocorrem espirros e tosse. Estando presentes ao redor, indivíduos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Higienização com álcool em gel

Qual a diferença entre desinfetante, antisséptico e esterilizante? Desinfetar é destruir aquilo que causa infecção. Antissepsia é limpar algo contaminado. Esterilizar se refere a um processo de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Em busca da vacina milagrosa

Vivendo entre o sonho e a realidade, ninguém é imune à sentença do tempo. A ansiedade é inimiga mortal da nossa paz. A paz é amiga vital da nossa saúde. Estamos atravessando um período dramático…


Exclusivo
Doutor João Responde

Complicações contra a Covid-19

Indagados por não estarem usando máscaras, muitas pessoas afirmam que são resistentes à Covid-19. Esta declaração categórica é bastante perigosa, uma vez que, diante da pandemia, ninguém pode dispor …


Exclusivo
Doutor João Responde

Baço, um órgão pouco lembrado

A designação desse órgão abdominal originou-se pelo fato dele ser embaçado, não se deixando ser atravessado pela luz. O baço sempre constituiu um desafio à curiosidade dos investigadores que …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados