search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Tenho medo de infartar de novo
Doutor João Responde

Tenho medo de infartar de novo

Vítimas de infarto costumam temer o retorno da doença. É comum esse tipo de paciente confundir seus sintomas, acreditando que dores e desconfortos sejam sinais de um novo ataque cardíaco.

Atendi um desses casos, no ambulatório, durante a semana. Pelo seu semblante, notei que aquele senhor trazia um diagnóstico pronto, antes mesmo de ser examinado: “Acho que estou tendo um novo ataque cardíaco”, dizia ele.

Solicitei que deitasse na maca e fosse descrevendo aquilo que estava sentindo, enquanto eu tomava sua pressão arterial, verificava o pulso e escutava o coração. Ele disse que acordou de madrugada acometido por dor no peito, azia e sensação de vômito. Muito importante foi ter se lembrado de que a dor melhorou quando se levantou e bebeu água. Mesmo assim, ficou bastante preocupado e resolveu buscar socorro.

Aos poucos fui percebendo que o quadro daquele senhor estava mais para refluxo gastresofágico, doença que consiste no retorno do ácido clorídrico do estômago em direção ao esôfago, do que para infarto agudo do miocárdio. Tranquilizei o paciente e solicitei um eletrocardiograma e algumas enzimas cardíacas.

É curioso como alguns doentes reagem, melhorando os sintomas, quando recebem esclarecimentos sobre seus males. Minha tese foi confirmada quando os exames complementares se mostraram normais.

Direcionando o tratamento para o estômago do paciente, expliquei para ele que alguns sintomas num órgão podem simular doenças em outro órgão. Informei que a presença de ácido dentro do esôfago também irrita nervos encontrados no músculo cardíaco. Essa situação pode causar uma “dor torácica não cardíaca”, frequentemente diagnosticada pelo gastroenterologista.

“Pois é, doutor, desde que coloquei duas pontes de safena, me tornei meio hipocondríaco. Não posso sentir um ligeiro incômodo, uma pequena dor, uma discreta falta de ar, que logo me vem à mente um ataque cardíaco”.

Eu perguntei ao paciente qual era sua atividade antes de sofrer infarto. Ele disse que era empresário. Confessou que estava levando uma vida muito estressante.

Trabalhava até tarde da noite e vivia metido em negociações complexas, que geravam muita tensão emocional. Ansioso, o paciente fumava um cigarro após o outro, que desencadeou uma tosse crônica. Tentou parar de fumar, mas não conseguiu. Seus exames de colesterol, triglicerídeos e glicose alcançavam níveis preocupantes.

Lembrou-se que alguns parentes haviam morrido de doenças cardiovasculares. Apesar da presença desses sinais de alarme, nada mudou e ele infartou.

Eu perguntei: Como está sua vida hoje? De que forma o senhor tem colaborado para que esse drama não se repita? Sua pressão está controlada? Tem tirado férias? Quantos quilômetros o senhor tem caminhado por dia?

“Aprendi a lição. O medo foi meu conselheiro”, disse ele.

Que assim seja. O coração não é um músculo apenas. O coração também tem coração. Ou damos a ele a devida atenção, ou ele nos deita no caixão.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Exclusivo
Doutor João Responde

Fadiga pode ser preguiça ou doença

Minha paciente esteve recentemente em outro médico, queixando-se de vários sintomas, tais como, calafrios, irritabilidade, fraqueza, tontura, dor de cabeça e, principalmente, cansaço que persiste o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Quando o estresse vira veneno

Brotam preocupações nos semblantes das pessoas que aguardam na recepção daquele hospital. Na sala ao lado, uma mulher grita. De dentro dela, um médico puxa um neném todo sujo e amassado. Após levar …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tenho angústia ou ansiedade?

Acompanhada pelo marido, visivelmente inquieta, a paciente mal sentou e foi logo dizendo: “Doutor, eu ando muito nervosa e tudo me incomoda. Estou tendo dificuldade de dormir e vivo com dor de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Será que tenho mau hálito?

Bom dia! Em que posso ajudá-los? Dessa maneira iniciei a consulta daquela senhora, acompanhada pelo engraçado marido. “Doutor, meu esposo anda com brincadeiras sem graça, por causa do meu hálito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Causas de hemorroidas

Hemorroidas têm atormentado o homem desde tempos imemoriais, quando este tomou a postura ereta, uma vez que essa enfermidade só é encontrada na espécie humana. Existem referências dessa …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças podem comprometer o funcionamento da tireoide

A glândula tireoide lembra uma borboleta, com seu corpo esguio agarrando-se à parte inferior da cartilagem tireoidiana, que está sobre a laringe, enquanto as asas, os dois lobos da glândula, estão …


Exclusivo
Doutor João Responde

Muitos gênios da humanidade foram disléxicos

Os primeiros profissionais que se interessaram pelos distúrbios da linguagem foram os oftalmologistas, afirmando não serem os olhos que leem, mas o cérebro. É importante lembrar que o indivíduo …


Exclusivo
Doutor João Responde

O nefasto câncer de próstata

Crescer por crescer é a filosofia do tumor. Mesmo que uma pessoa não possa adivinhar o futuro de uma doença, pode remediar o mal, livrando-se de suas consequências, trocando lamentação por prevenção. …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados