search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Sono ninado pela melatonina
Doutor João Responde

Sono ninado pela melatonina

Diante do cansaço mental, as concentrações de oxigênio vão diminuindo no cérebro. Para compensar, o indivíduo começa bocejar, evidenciando vontade de dormir.

Durante o sono, o sistema imunológico é reforçado, as células são renovadas, os radicais livres são neutralizados, e a memória é consolidada.

A vida na Terra está condicionada aos ciclos do dia, o mais antigo organizador de tempo conhecido. Numa sociedade cada vez mais ligada ao tempo do relógio, com grande exposição à iluminação artificial, prolongamos nossas horas produtivas, mas trazemos juntos graves prejuízos para a saúde.

Poucas pessoas escutam seu “relógio biológico” e acabam desregulando funções endócrinas e metabólicas.

Quando o assunto é a luz, estamos adaptados ao tempo de nossa maior fonte, o Sol. Por esse motivo, quando estamos expostos à luz artificial na hora em que nosso corpo está preparado para o sono, estamos inibindo nosso relógio biológico e a produção de melatonina. Este hormônio controla o ritmo circadiano, período sobre o qual se baseia o ciclo biológico de quase todos os seres vivos.

A melatonina é sintetizada em diversos locais do corpo, principalmente na glândula pineal, onde a produção apenas acontece durante a fase de escuridão.

Com o ambiente claro, mesmo com as pálpebras fechadas, a retina registra os sinais luminosos que são enviados para o cérebro, que por sua vez envia o recado para a glândula pineal, interrompendo a produção de melatonina.

Assim sendo, para termos uma boa produção desta substância durante a noite, é indispensável manter o ambiente o mais escuro possível. Com o nascer do sol e a volta da luminosidade, a glândula reduz a produção de melatonina, o que sinaliza que é o momento de acordar.

É importante destacar que a melatonina tem um importante papel no controle do ciclo sono-vigília, mas não é o único fator que controla o momento no qual sentimos sono.

Conforme envelhecemos, a secreção noturna de melatonina começa a sofrer declínio. Uma pessoa de 70 anos apresenta níveis noturnos de hormônio do sono 70% mais baixos que durante sua juventude. Esta queda costuma ocorrer pela calcificação progressiva da glândula pineal, que vai tornando-se cada vez menos capaz de secretar melatonina.

A secreção noturna deste hormônio pode ser inibida pela exposição à luz durante a noite, mesmo em pequena intensidade, principalmente se as pupilas estiverem dilatadas.

Pessoas cegas que não conseguem detectar a presença da luz do dia podem ter uma produção de melatonina desregulada. Quanto mais grave é a deficiência visual, maior é o risco de transtornos do sono.

Alguns fármacos podem inibir a produção da melatonina. O mais conhecido é o propranolol, usado para o tratamento de hipertensão arterial e arritmias cardíacas. A cafeína e o álcool também interferem com a secreção da melatonina.

À melatonina, eu deixo meu sono. Quanto aos sonhos, na esperança de que eles não acordem, eu mesmo cuido de ninar.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Não existe vida sem proteína

O principal alimento do corpo é a proteína. Além dos animais, isso acontece também com as plantas. Adubação com nitrogênio, potássio e fósforo vem garantindo que “Araketu”, o pé de araçaúna que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A memória eterniza o tempo

O passado é o presente que sobreviveu na memória humana. O cérebro executa atividades para adquirir, armazenar, reter e recuperar informações. A memória é parte integrante da cognição humana, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vacina contra o vício da cocaína

Estamos vivendo de uma perversa “pandemia” de drogas, em que milhares de pessoas abandonam esperanças e se agarram em ilusões. Um dos mais perigosos “patógenos”, destruidor de mentes e de corpos, é a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tipos de imunização

Nosso organismo é sistematicamente bombardeado por substâncias estranhas. Alguns desses antígenos são capazes de desencadear resposta imune, ou seja, a produção de anticorpos que defenderão o corpo …


Exclusivo
Doutor João Responde

Regulação da glicose no sangue

A regulação da glicose no sangue depende basicamente de dois hormônios: glucagon e insulina. A ação do glucagon é estimular a produção de glicose pelo fígado, e a da insulina é bloquear essa …


Exclusivo
Doutor João Responde

Atitudes contra a sobrevivência

Mesmo neste momento dramático da pandemia, com recorde de casos e de mortes diárias e num estágio em que quase todo mundo conhece alguém que morreu por causa da doença, proliferam comportamentos que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A tortura da coluna travada

Estima-se que uma expressiva quantidade de pessoas tenha ao menos um episódio de dor na coluna, ao longo da vida. Em alguns casos, ela surge de forma tão intensa que deixa o indivíduo impossibilitado …


Exclusivo
Doutor João Responde

Perda de olfato

Anosmia é uma condição que corresponde à perda total ou parcial do olfato. Essa alteração pode estar relacionada com situações temporárias, como acontece durante uma gripe ou resfriado. Pode …


Exclusivo
Doutor João Responde

Efeito rebote de medicamento

Do mesmo jeito que uma bola volta a saltar quando a jogamos, os sintomas de uma doença podem reaparecer quando cessa o efeito daquilo que inicialmente a aliviou. Essa reversão da resposta, após a …


Exclusivo
Doutor João Responde

A sede lembra o valor da água

O ser humano não vive sem oxigênio, água ou alimento. Quando um destes falta ou escasseia, sua sobrevivência fica seriamente ameaçada. Nosso organismo não consegue ultrapassar quatro minutos sem …