X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Morte de crianças por Covid é o triplo da causada por 14 doenças em dez anos

Em 2020 e 2021, 1.508 crianças morreram por Covid no Brasil

Cláudia Collucci, da Agência Folhapress | 25/07/2022 15:04 h

Em dois anos, as mortes de crianças até cinco anos por Covid-19 foram mais do que o triplo das causadas, em uma década, por outras 14 doenças que podem ter mortalidade evitada por vacinação e outras ações de saúde.

Em 2020 e 2021, 1.508 crianças morreram por Covid. Já as doenças que compõem a Lista Brasileira de Mortes Evitáveis somaram 44 óbitos nesse período. Entre 2012 e 2021, totalizaram 498 mortes.

A lista, formulada por especialistas de diversas áreas ligadas à saúde infantil e coordenada pelo Ministério da Saúde, reúne as seguintes doenças: neurotuberculose, tuberculose miliar, tétano neonatal, tétano, difteria, coqueluche, poliomielite, sarampo, rubéola, hepatite B, caxumba, rubéola congênita, hepatite viral congênita e meningite meningocócica do tipo B.

A relação inclui doenças que podem matar, mas que são passíveis de prevenção por meio de intervenções do SUS, como vacinação, pré-natal adequado e acesso à atenção básica à saúde, cuidados no parto e pós-nascimento.

A análise é do Observatório de Saúde na Infância - Observa Infância, da Fiocruz/Unifase, a partir de dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde.

No último dia 13, a Anvisa liberou o uso emergencial da vacina Coronavac, do Instituto Butantan, para as crianças de três a cinco anos. Porém, as que têm entre seis meses e dois anos continuam descobertas e possuem o dobro de risco de morte em relação às primeiras.

Em dois anos, 539 crianças morreram por Covid nessa faixa etária. Para efeito de comparação, entre 2012 e 2021, as outras 14 doenças com mortes evitáveis por vacina somaram 144 óbitos.

Segundo Cristiano Boccolini, pesquisador do Observa Infância, se o ritmo de mortes por Covid se mantiver no mesmo nível observado nos últimos dois anos, nos próximos três meses o país pode perder mais 76 crianças nessa faixa etária.

"Esse é o preço que o Brasil pode pagar enquanto espera a aprovação da vacinação para esse grupo. No cenário mais otimista, poderíamos ter a vacina nos braços dos nossos bebês daqui a três meses", diz ele.

Ao menos 13 países já vacinam crianças menores de cinco anos contra a Covid-19, entre eles Estados Unidos e Israel, que aprovaram a aplicação de doses a partir dos seis meses de idade.

No Brasil, até o momento, nenhuma farmacêutica solicitou autorização à Anvisa para uso da vacina a partir dos seis meses. Tanto a Pfizer quanto a Zodiac, representante da Moderna no país, dizem que devem fazer o pedido em breve, mas não definiram datas.

A vacinação contra a Covid já liberada para crianças entre três e cinco anos também encontra entraves. Há um público elegível de 5,6 milhões de pessoas –o que significa 11,2 milhões de doses, já que a Coronavac demanda duas aplicações.

Mas os municípios só dispõem de cerca de 1,5 milhão de doses e estão criando estratégias distintas para lidar com a escassez. São Paulo, por exemplo, começou a vacinar crianças de 3 e 4 anos com comorbidades e deficiências e as indígenas.

O Ministério da Saúde informou que o governo federal planeja remanejar as doses de Coronavac entre os estados. Já o governo de São Paulo solicitou ao Instituto Butantan a importação de 8.000 litros de IFA (insumo farmacêutico ativo) para a produção de 10 milhões de doses da vacina.

Em meio a isso, o país também enfrenta resistência dos pais em imunizar seus filhos contra a Covid.

"O que a gente mais vê são mães preocupadas com a meningite, por exemplo, mas a Covid mata muito mais e não há essa sensibilização toda", diz Boccolini. Entre 2012 e 2021, 29 crianças morreram por meningite B no país.

Para o pesquisador, isso se deve muito às campanhas contrárias à vacina no final do ano passado e a uma contínua falta de empenho do governo federal no sentido de incentivar a imunização.

O governo Jair Bolsonaro (PL) chegou a distorcer dados e desestimular a imunização infantil contra a Covid. O presidente até mesmo ameaçou expor nomes dos servidores da Anvisa que aprovaram o uso de vacinas da Pfizer nos mais jovens.

Em grupos virtuais de mães, observa-se uma grande resistência na imunização dos filhos contra a Covid, às vezes com o aval de pediatras. É o caso da massoterapeuta Silvia (que pediu para não ter o sobrenome divulgado), 32, de São Paulo, mãe de um menino de quatro anos que tem anemia falciforme.

Segundo ela, o pediatra do filho não recomendou a vacinação com o argumento de que a Covid dificilmente mata crianças e que a segurança do imunizante não está comprovada.

O pediatra Renato Kfouri, que preside o departamento de imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), afirma que alguns médicos foram impactados por notícias falsas sobre a vacinação contra a Covid da mesma forma que parte da população.

"Continuamos nessa polarização política, que é uma desgraça para a saúde pública", afirma. Ele também observa uma inversão de valores entre os pais. "A gente viu a vida inteira os pais querendo proteger os filhos com vacinas e só depois pensavam neles. Agora a gente vê pais com duas, três doses, e que não querem dar nenhuma nos filhos."

Segundo o pediatra, o risco é que esse tipo de comportamento se repita para outras vacinas do calendário infantil, que já enfrentam queda de cobertura no Brasil e em outros países.

Neste ano, mais 300 crianças com menos de cinco anos morreram por Covid. "Isso não é pouco. E o sofrimento, as internações, as sequelas da doença, como a Covid longa?"

Patrícia Boccolini, também pesquisadora do Observa Infância, afirma que em grupos de pais essa resistência em relação à vacina contra a Covid tem aberto espaço para questionamentos sobre outras vacinas já estabelecidas.

"Parece que foi uma porteira que se abriu. Estão questionando vacinas mais novas, como a pneumocócica [contra pneumonia] e a do rotavírus, e as antigas também, como as da pólio e do sarampo."

Para ela, porém, a atual queda da cobertura vacinal vai além da hesitação dos pais devido a informações falsas. Passaria por questões como horários pouco flexíveis dos postos de saúde e pelo fato de que as pessoas não veem mais sequelas de doenças que já foram erradicadas, como a poliomielite.

Nas populações mais vulneráveis, outro fator que tem influenciado é o aumento da insegurança alimentar. "O que a gente vai comer amanhã? É um assunto mais imediato para essas famílias do que a questão da vacinação."

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS