Login

Atualize seus dados

Saúde

Beber água mesmo sem sede não melhora a saúde, afirmam pesquisadores

29/09/2021 06:49:50 min. de leitura

Quem nunca ouviu que manter-se hidratado ao longo do dia, mesmo sem sede, pode trazer um estilo de vida mais saudável? Não é raro encontrar, por exemplo, incentivos para beber aqueles “famosos” dois litros de água tanto na internet quanto entre amigos e familiares.

O que poucas pessoas sabem é que, apesar dos seus diversos benefícios, consumir água de forma excessiva, mesmo sem sede, pode ser insuficiente para melhorar a saúde. Em alguns casos, inclusive, acaba sendo até prejudicial.

Em entrevista ao jornal The New York Times, pesquisadores norte-americanos avaliaram que, cada pessoa tem a sua necessidade individual do líquido por dia, cujo valor é determinado após uma combinação de vários fatores.

Segundo a nutróloga Mariana Comério, alguns deles são a quantidade de exercício físico que o indivíduo faz por semana, seu peso, se possui alguma doença, temperatura do local onde passa a maior parte do tempo, entre outros.

“Cada pessoa precisa tomar uma quantidade diferente. Não é possível universalizar para todo mundo. Alguém que trabalhe o dia inteiro exposto ao sol, por exemplo, terá de beber mais, em relação a quem ficou dentro de uma sala com ar-condicionado”, explica.

A quantidade de água que precisa ser ingerida por dia, acrescenta Mariana Comério, também depende da saúde da população. “Se comparado com qualquer adolescente saudável, um idoso com problemas renais precisa consumir bem menos”, diz.

Outro dado apresentado pelos pesquisadores mostrou que não é necessário ingerir somente água para ficar hidratado, já que chás, sucos naturais e frutas conseguem repor os nutrientes necessários.

“Mas seria bom evitar o álcool, e, em alguns casos, o café, já que eles estimulam a produção de urina e podem desidratar”, afirma a nutróloga Amanda Weberling.

Caso a pessoa consuma mais água do que o indicado, há o risco de sofrer com sintomas de confusão mental e, até mesmo, paradas cardíacas, conforme avalia o nutrólogo Roger Bongestab.

“Além disso, o surgimento de edemas (inchaços) pode deixar o pulmão ‘encharcado’ e, de certa forma, o paciente acaba morrendo, literalmente, afogado”, declara.

“Corpo de cada um funciona diferente”

Imagem ilustrativa da imagem Beber água mesmo sem sede não melhora a saúde, afirmam pesquisadores
A empresária Radharani Dasi Rodor, 40, carrega sua garrafinha para todo lugar. Foto: Leone Iglesias/AT

Para encontrar a quantidade ideal de água que precisa beber por dia, a empresária Radharani Dasi, de 40 anos, precisou fazer uma série de cálculos, inclusive com o apoio de aplicativos de celular.

Também coach de bem-estar, Radharani faz questão de carregar a sua garrafinha para todos os lugares. Ela destaca a necessidade do consumo consciente, de acordo com a necessidade de cada um.

“O corpo de cada pessoa funciona de uma maneira diferente. A primeira coisa que faço no dia é beber água. Quase não bebo suco ou leite, por exemplo, mas água e chá são mais de três litros. Bebo água o dia inteiro e quando não tenho essa rotina, o corpo pede. Fico com menos energia, minha disposição muda”, conta.

Saiba mais

Análise de pesquisadores

Bem-estar

  • Embora manter-se hidratado seja uma prática importante para o bem-estar das pessoas, apenas beber água, inclusive mesmo sem sede, não é capaz de melhorar a saúde.
  • Em entrevista para o The New York Times, pesquisadores norte-americanos avaliaram que o consumo excessivo, em alguns casos, pode até ser prejudicial ao bem-estar das pessoas.
  • Segundo os especialistas, o total necessário de água por dia, para cada pessoa, depende de uma série de fatores, como a quantidade de exercício físico que o indivíduo faz por semana, seu peso, se possui alguma doença, a temperatura do local onde passa a maior parte do tempo, entre outros.
  • Alguém com uma condição como insuficiência cardíaca ou pedras nos rins, por exemplo, pode exigir uma quantidade diferente da de alguém que toma medicamentos diuréticos.
  • Outro dado apontado pelos pesquisadores é que não é necessário ingerir somente água para ficar hidratado, já que chás, sucos naturais e frutas conseguem repor os nutrientes necessários. Porém, o ideal seria evitar o álcool e, em alguns casos, o café, já que eles estimulam a produção de urina.

Quanto é suficiente?

Pacientes renais

  • De forma geral, pacientes com problemas renais têm várias restrições na quantidade de água que podem tomar, independentemente de serem jovens ou idosos.
  • No entanto, isso é determinado pelo estágio da doença que os pacientes têm, e precisa ser determinado exclusivamente por um médico.
  • O cálculo é feito com base na quantidade de urina que o paciente elimina. Portanto, o volume que ele urina é somado à quantidade de água que pode ingerir, no dia.
  • Se um paciente urina 700 ml, por exemplo, ele pode tomar 700 ml mais 600 ml, que é o total permitido.

Temperaturas e pesos

  • Um Adulto de 40 anos, pesando 100 kg, que não faz muito gasto diário de líquido, precisa ingerir, em média, 3.500 ml de água por dia. O mínimo dele seria de 3 litros por dia.
  • Caso esse mesmo adulto trabalhe exposto ao sol, precisa consumir de 4 a 5 litros de água por dia, baseando-se na quantidade máxima.
  • Assim, Uma pessoa que acabou de caminhar sob sol forte deve beber mais água do que um funcionário de escritório que passou o dia em um prédio com temperatura controlada.

Atletas

  • No caso de pessoas que fazem exercícios físicos, seja de musculação ou de corrida, é preciso analisar quanto o indivíduo desidratou para saber quanto deve beber de água por dia. Até porque, existem pacientes que suam mais do que outros, o que interfere de forma individual.

  • Por isso, especialistas pedem que ele (a) se pese, antes e depois do exercício, para saber quanto de líquido corporal perdeu e, consequentemente, saber o quanto deve repor.

Fonte: Pesquisa AT e The New York Times.