search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ronco atrapalha mais o sono durante a pandemia

Notícias

Publicidade | Anuncie

Saúde

Ronco atrapalha mais o sono durante a pandemia


Manter o quarto com pouca luz ajuda na qualidade do sono (Foto: Divulgação)
Manter o quarto com pouca luz ajuda na qualidade do sono (Foto: Divulgação)

Ter uma boa noite de sono é fundamental para que o corpo não fique sobrecarregado. É durante esse período que o organismo recarrega as energias e o sistema imunológico se fortalece.

Mas, na pandemia, a ansiedade e o estresse podem prejudicar a qualidade do sono. Além disso, distúrbios do sono, como o ronco, prejudicam a convivência das pessoas em casa.

A médica neurologista e presidente da Associação Brasileira do Sono, Andrea Bacelar, explicou que o problema não tem reflexos apenas na saúde, mas também nos relacionamentos.

“O ronco atrapalha mais durante a pandemia no sentido de as pessoas estarem confinadas e dormindo mais juntas. Se um dos dois parceiros ronca, isso pode gerar um conflito e prejudicar os relacionamentos”, afirmou.

Outro fator que afeta o sono, de acordo com a médica, é o ganho de peso, que tem sido comum no isolamento, com ingestão de mais alimentos calóricos. “Existe uma relação direta entre o ronco e o ganho de peso. Quem já roncava, está roncando mais e outros passaram a roncar”.

Médica Jéssica Polese: “Cenário  propício para aumentar o problema” (Foto: Leone Iglesias/ AT)
Médica Jéssica Polese: “Cenário propício para aumentar o problema” (Foto: Leone Iglesias/ AT)
Pneumologista e presidente estadual da Associação Brasileira do Sono, Jéssica Polese enfatizou que o cenário da quarentena é ideal para o aumento do ronco.

“Algumas pessoas estão consumindo mais bebida alcoólica, mais cigarro e até engordando, o que tem relação com o ronco. Além disso, também está havendo uma falta de atividade física. É um cenário altamente propício para aumentar o problema”.

A especialista em ortodontia e pós-graduada em ronco e apneia Dhandara Araújo ressaltou que o uso de medicações para ansiedade, depressão e insônia, podem promover um aumento de distúrbios do sono, como bruxismo, ronco e apneia.

Segundo os especialistas, perder peso é uma das situações que podem ajudar, porém há casos em que será preciso outros tratamentos. Por isso, é importante procurar ajuda profissional, para um correto diagnóstico.


SAIBA MAIS


Ronco

  • Está relacionado com a obstrução das vias respiratórias, fazendo com que o ar respirado tenha uma movimentação intensa, por meio das vias aéreas, causando o som do ronco.
  • O problema pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, mas costuma acometer, principalmente, homens ou pessoas acima do peso. Nas mulheres, é mais frequente após a menopausa.

Fatores

  • Ganho de peso, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, cigarro, uso de medicações para ansiedade, depressão e insônia e falta de atividade física podem prejudicar ainda mais o problema ou causá-lo.

Tratamento

  • Diagnóstico é feito por meio de exames clínicos e de polissonografia – exame do sono realizado para detecção de possíveis alterações no sono.
  • Os tratamentos variam de caso para caso, e vão desde mudança de hábitos, com aumento de atividade física e redução de peso. Em alguns casos, é preciso que o paciente use aparelhos.

Prevenção

  • Para uma boa noite de sono é preciso reduzir alimentos pesados e gordurosos, além da cafeína à noite. Também é importante fazer a higiene do sono, com redução de telas, como celular.

Fontes: Especialistas consultados e Pesquisa A Tribuna.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados