search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Quando o estresse vira veneno
Doutor João Responde

Quando o estresse vira veneno

Brotam preocupações nos semblantes das pessoas que aguardam na recepção daquele hospital. Na sala ao lado, uma mulher grita. De dentro dela, um médico puxa um neném todo sujo e amassado. Após levar uma palmada no traseiro, ele respira, chora e nasce.

Nesse mesmo hospital, quase um século depois, a ânsia retorna, dessa vez em novas fisionomias. Numa sala próxima, deitado numa maca, um idoso luta contra a morte. Dentro dele chora a mesma criança que ele fora um dia. Médicos correm de um lado para outro. Ruídos de aparelhos tentam abafar os estertores. Ele inspira, expira e falece.

Nascemos e morremos envolvidos pelo estresse. Desde a ilusão do primeiro sopro até a desilusão do último suspiro, ele será nosso companheiro de jornada. Em momentos de esperança, ele será exaltado para nos motivar, nutrindo nossa criatividade. Em tempos de ansiedade, ele será engendrado para nos assustar, alimentando nossa preocupação.

Recentemente, fui abordado por um telespectador do Programa “Dr. João Responde”, pedindo para tirar algumas dúvidas sobre essa desgastante reação.

Estresse é quando alguém acorda gritando e percebe que ainda não dormiu. Sensações de medo, apreensão, inquietude, expectativa e aflição, embora incômodas, são normais, aparecendo sempre que as exigências diárias esgotarem nossa capacidade de lidar com elas. Estresse é o calafrio do corpo causado pela febre da alma.

Diante de algo que possa perturbar nosso equilíbrio existencial, reagimos com esperança ou ansiedade. A primeira aciona o otimismo. A segunda dispara o alarme.

Observe três crianças construindo um castelo de areia numa praia. Em dado momento, surge uma onda e destrói essa edificação. Diante das ruínas, a primeira chora, a segunda constrói um novo castelo e a terceira chuta as ruínas, dando gargalhadas.

A que verteu lágrimas esgotou a energia do estresse, sem nenhum aproveitamento. Aquela que reconstruiu, transformou motivação em produtividade. A que riu, chutando os destroços, se enquadra nas abençoadas criaturas carregadas de autoestima, esse eficaz repelente contra estresse.

“Quais as causas de estresse?” Perguntou meu ouvinte.

A lista é grande: desemprego, decepção, violência, trânsito, cansaço, doença física, divórcio, frustração, desprezo, perda, isolamento, competitividade, mágoa, insônia, intimidação, falta de tempo, entre outras tantas.

São inúmeras as consequências do estresse. Numa empresa, por exemplo, o funcionário começa a faltar ao trabalho e acaba diminuindo sua produtividade. Na vida pessoal, o indivíduo evolui para insônia, depressão, ansiedade, esgotamento físico e mental. Estresse provoca queda de imunidade, gerando doenças.

“Como faço para curar meu estresse?” Inquiriu.

Estresse se combate com humor, lazer, exercícios físicos e sono reparador.

De todos esses recursos, o humor talvez seja o mais eficaz. Criança aprende a sorrir antes de aprender a falar. Benção significa graça e graça significa humor.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade. A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Predadora célula cancerosa

Para manter-se vivo, o corpo precisa lutar contra tudo aquilo que desequilibra suas funções, inclusive contra si mesmo. Munido de uma poderosa arma antigênica, o organismo protege a vida que mantém …


Exclusivo
Doutor João Responde

Uso de corticoide em Covid-19

Descobriu-se, recentemente, que o esteroide dexametasona diminui a nefasta reação do sistema imunológico contra o coronavírus, aumentando a chance de sobrevivência do paciente grave. Denominada …


Exclusivo
Doutor João Responde

O asfixiante coronavírus

Flutuando no ar, esse invisível inimigo se espalha por meio de gotículas transmitidas ao ar pela respiração, principalmente quando ocorrem espirros e tosse. Estando presentes ao redor, indivíduos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Higienização com álcool em gel

Qual a diferença entre desinfetante, antisséptico e esterilizante? Desinfetar é destruir aquilo que causa infecção. Antissepsia é limpar algo contaminado. Esterilizar se refere a um processo de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Em busca da vacina milagrosa

Vivendo entre o sonho e a realidade, ninguém é imune à sentença do tempo. A ansiedade é inimiga mortal da nossa paz. A paz é amiga vital da nossa saúde. Estamos atravessando um período dramático…


Exclusivo
Doutor João Responde

Complicações contra a Covid-19

Indagados por não estarem usando máscaras, muitas pessoas afirmam que são resistentes à Covid-19. Esta declaração categórica é bastante perigosa, uma vez que, diante da pandemia, ninguém pode dispor …


Exclusivo
Doutor João Responde

Baço, um órgão pouco lembrado

A designação desse órgão abdominal originou-se pelo fato dele ser embaçado, não se deixando ser atravessado pela luz. O baço sempre constituiu um desafio à curiosidade dos investigadores que …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados