X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Polícia

Chacina de Poção: executor é condenado a 74 anos de prisão por júri popular

Wellington Silvestre dos Santos foi considerado culpado pelo assassinato de quatro pessoas


Imagem ilustrativa da imagem Chacina de Poção: executor é condenado a 74 anos de prisão por júri popular
O juiz Abner Apolinário, que presidiu a sessão, disse que réu matou as quatro vítimas com frieza |  Foto: Reprodução da TV Tribuna (canal 4)

Wellington Silvestre dos Santos, considerado culpado pelo assassinato de quatro pessoas, foi sentenciado a 74 anos de prisão pelo júri popular, composto por sete mulheres, após dois dias de julgamento no Fórum Tomaz de Aquino no Recife, na última terça-feira (27).

No Brasil, no entanto, o tempo máximo de pena que um criminoso pode cumprir é de 40 anos, conforme o Art. 75 do Código Penal Brasileiro. A pena de prisão perpétua não existe no País.

Santos é apontado como o principal executor da Chacina de Poção, um caso marcante de 2015 no Agreste de Pernambuco. Ele é um dos sete envolvidos nos homicídios.

As vítimas foram os conselheiros tutelares Lindenberg Nóbrega de Vasconcelos, José Daniel Farias Monteiro e Carmem Lúcia da Silva. Também morreu assassinada Ana Rita Venâncio, de 62 anos, avó materna de Ana Cláudia, uma menina que, na época do crime, tinha apenas três anos e estava presente no veículo. Ela conseguiu sobreviver ao episódio.

A mandante do crime seria Bernadete Siqueira Britto de Rocha, avó paterna da criança. Ela não aceitava a decisão dos conselheiros tutelares, que retirou a guarda da criança do filho.

Segundo as autoridades policiais, Bernadete cuidava da neta, a única sobrevivente da tragédia, embora a guarda legal fosse seu filho, o pai da criança, José Cláudio de Britto Siqueira Filho, de 32 anos. 

Por meio de seu filho, Bernadete continuava envolvida em uma disputa judicial pela custódia com a família materna da criança. A disputa era marcada por confrontos frequentes, rivalidade intensa, ameaças e até violência física.

Na época, a polícia afirmou que Bernadete tinha planejando o crime desde novembro de 2014, quando vendeu a propriedade da família com o propósito de angariar fundos para financiar a execução dos homicídios. A avó paterna é suspeita ainda de ter matado a mãe da criança por envenenamento em dezembro de 2012.

O réu consumou os crimes de forma fria e levou a cabo a vida de quatro vítimas na presença de uma criança, que foi encontrada nos braços da avó, em uma cena que causa náusea. A condenação apenas revela o nosso papel em promover justiça no Estado Abner Apolinário, Juiz que presidiu a sessão

Segundo investigações, Santos teria recebido a promessa de R$ 45 mil pela execução do crime, embora tenha recebido apenas a primeira parcela de R$ 25 mil até o momento. Ele foi acusado e considerado culpado por quatro homicídios qualificados, emboscada, pagamento e ação típica de grupo de extermínio, conforme artigos do Código Penal.

Durante o julgamento, Santos afirmou ter emprestado seu veículo para outro indivíduo, possivelmente o verdadeiro executor do crime, justificando seu envolvimento por medo de retaliação. O advogado de defesa, Bruno Henrique de Barros, defendeu a possibilidade de Santos não ser o verdadeiro culpado e solicitou sua absolvição por falta de provas.

Na fase de réplica, a promotora Themes da Costa, representando o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), rebateu a defesa argumentando que havia evidências suficientes contra o réu, destacando que o pedido de absolvição se baseava na ausência de provas, uma vez que as evidências contra Santos eram abundantes.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: