search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Os tipos da perda de memória e as suas causas
Doutor João Responde

Os tipos da perda de memória e as suas causas

Esquecemo-nos sempre de lembrar as alegrias, mas nunca nos lembramos de esquecer os sofrimentos. O ressentimento tem melhor memória que o sentimento.

Não se lembrar de onde guardou um documento, esquecer o que pretendia procurar no armário ou ter dificuldade em recordar um número de telefone. Todos nós sofremos com episódios de esquecimento. Entretanto, há uma diferença entre perda de memória leve, decorrente de processos normais, e a amnésia progressiva ou extrema, devido a enfermidades.

Perda de memória costuma iniciar repentinamente ou aproximar-se lentamente. Ela pode ser permanente ou temporária, afetando a capacidade da pessoa de lembrar eventos recentes, passados, ou ambos.

O cérebro sofre processos de involução fisiológica. Vários neurônios morrem todos os dias. Entretanto, a célula nervosa, que antes fazia determinadas conexões, aumenta suas sinapses com o envelhecimento. Nessa faixa ocorre o ápice de funcionamento cognitivo, época em que a qualidade supera a quantidade.

A sede da memória localiza-se no hipocampo cerebral. O mau funcionamento dessa estrutura provoca perda temporária de memória, fazendo a pessoa se esquecer de coisas triviais, como chamar um elevador ou dirigir, por exemplo.

Em casos de amnésia temporária, o indivíduo pode ficar perdido ou desorientado em lugares familiares, sem referência de tempo e espaço. Ele reconhece os outros, sabe quem é quem, mas não faz a menor ideia de onde, como, ou por que está ali, mesmo que esteja em sua própria casa.

Felizmente, depois da crise, a memória volta ao normal. Porém, tudo o que foi vivido durante o esquecimento, não será lembrado, deixando a pessoa com uma lacuna na memória.

Existem várias situações que cursam com a perda da memória. Vamos citar algumas delas: o uso abusivo de álcool tem sido reconhecido como um fator que provoca perda de memória. Fumar também produz amnésia. O cigarro reduz a quantidade de oxigênio que chega ao cérebro, favorecendo um processo de degeneração das células nervosas.

Drogas recreativas ilícitas, como cocaína ou heroína, podem alterar a química cerebral, aumentando o risco de falhas na lembrança.

Ansiedade e depressão interferem na atenção e concentração, podendo afetar a memória. Diante de um trauma emocional, a mente acelera, alterando a capacidade de lembrar.

Medicamentos que lidam diretamente com o sistema nervoso central podem comprometer a cognição, gerando amnésia.

Além de reduzir a atenção do paciente, eles também provocam mudanças no fluxo normal dos neurotransmissores, liberando neurotoxinas, diminuindo a consciência, fatores que podem determinar alterações na memória de curto prazo. Drogas como antidepressivos, antialérgicos, ansiolíticos e relaxantes musculares, por exemplo, podem interferir na capacidade de lembrar.

Doenças, como os acidentes vasculares cerebrais costumam gerar perda da memória. Nesses casos, o fornecimento de sangue ao cérebro é interrompido devido a obstrução ou rompimento de um vaso sanguíneo que nutre a massa encefálica, produzindo amnésia parcial ou total.

Demência é uma perda progressiva da memória e de outros aspectos do pensamento, suficientemente graves para interferir nas funções diárias. Apesar de existirem muitas causas de demência, incluindo vascular, abuso de drogas ou álcool, a mais comum e familiar é a Doença de Alzheimer, enfermidade caracterizada por uma perda progressiva dos neurônios.

Sono também é importante para a memória. Dormir pouco gera cansaço, o que interfere na capacidade de consolidar e recuperar informações.

Tranquilidade é um bem que ninguém pode conceder a quem não consegue conquistá-la pelas suas próprias mãos.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Baço, um órgão pouco lembrado

A designação desse órgão abdominal originou-se pelo fato dele ser embaçado, não se deixando ser atravessado pela luz. O baço sempre constituiu um desafio à curiosidade dos investigadores que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados