search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O desconfortável soluço
Doutor João Responde

O desconfortável soluço

O incômodo soluço surge em situações e momentos mais impróprios. Trata-se de uma contração vigorosa e involuntária do diafragma, músculo responsável pela inspiração e que separa o tórax do abdômen.

Esse espasmo faz com que o ar entre nos pulmões a uma velocidade muito maior que o normal, seguido pelo fechamento súbito da glote, que produz o som característico do soluço.

Como o diafragma e o nervo frênico estão localizados acima do estômago, qualquer alteração nesse órgão pode prejudicá-lo. Por essa razão, quando alguém exagera na alimentação, ingere bebidas quentes, geladas ou gasosas, o estômago dilata e pode provocar irritação no frênico, que faz com que o diafragma se contraia.

O soluço resulta de uma espécie de erro na sincronia do diafragma com a glote. O barulho desagradável é provocado pelas cordas vocais, que vibram com a passagem do ar.

Em alguns casos, o soluço é produzido por outros fatores, como acontece em algumas patologias da vesícula biliar, do esôfago, do estômago, ou até decorrente de uma pneumonia na base dos pulmões, pois são órgãos que podem afetar o diafragma.

Quando um soluço torna-se demorado, é preciso procurar orientação médica para a realização de exames. Crises longas estão associadas ao refluxo esofágico ou a algo que irrite o nervo frênico, como inflamações no ouvido ou na garganta e tumores cerebrais.

O soluço também pode ter origem em alterações metabólicas causadas por alcoolismo ou diabetes não controlado, além de doenças do sistema nervoso central, como meningite, por exemplo.

Soluços persistentes e intratáveis podem gerar desnutrição, emagrecimento, insônia, cansaço e estresse, interferindo negativamente na qualidade de vida do indivíduo.

Acredita-se que o soluço também tenha alguma função fisiológica, como acontece no bebê, exercendo algum tipo de exercício respiratório.

Soluços episódicos desaparecem espontaneamente e não precisam de nenhum tipo de avaliação ou tratamento. Contudo, aqueles que persistem por mais de dois dias precisam ser investigados.
Desencadeado por espasmos breves e momentâneos, devido a movimentos incontroláveis do diafragma, o soluço vem acompanhado por um ruído emitido pela boca. Os soluços podem ser benignos, persistentes ou refratários.

Diante desse incômodo sintoma, procedimentos corriqueiros, como beber água, apertar os olhos, massagear o plexo cervical localizado ao lado do pomo de Adão ou não respirar pelo maior tempo possível são realizados.

Em alguns casos, como acontece em pacientes com espasmos digestivos, convulsões ou crises nervosas, torna-se necessário a utilização de medicamentos.

Soluços crônicos são geralmente efeitos de alguma doença. Nesses casos, trata-se a doença causadora do soluço.

Chorar também pode provocar soluços. O pranto muda a forma como respiramos, fazendo com que a inspiração fique mais rápida e curta, produzindo contração do diafragma. Banhado em lágrimas, o soluço rompe o silêncio do sofrimento.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Drogas e o bafo de Adolf Hitler

Antes mesmo de tornar-se viciado em estimulantes, administrados pelo médico Theodor Morell, Adolf Hitler já manifestava sua natureza perversa. A relação entre o famoso paciente e o egocêntrico …


Exclusivo
Doutor João Responde

Riscos da polifarmácia em idosos

Assim que entrou no consultório, um senhor de idade avançada respondeu ao meu cumprimento, dizendo: “Desculpe-me, doutor, mas eu não te escuto, não te vejo e não te entendo”. Depois disso, o …


Exclusivo
Doutor João Responde

A guardiã que protege o cérebro

O cérebro analisa todos os estímulos que vêm dos órgãos internos, da superfície corporal, dos olhos, ouvidos, nariz e da boca. Ele responde a esses estímulos corrigindo a postura corporal, o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Funções do ferro no organismo

O ferro é conhecido como nutriente essencial, desde 1860, e até hoje o interesse pela anemia causada por ele continua imbatível. O ferro é o mineral mais estudado e descrito na história. Sendo o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Dor de cabeça tensional

Nervosismo pode provocar dor de cabeça e dor de cabeça costuma gerar nervosismo. Estresse e cefaleia são habitualmente usados como sinônimos. Existem vários tipos de dor de cabeça, mas a maioria é …


Exclusivo
Doutor João Responde

As agoniantes cistites

“Estou urinando de meia em meia hora”, queixou-se minha paciente. “Na verdade, parece que vou verter um oceano de urina, mas acabo eliminando apenas algumas gotas, sempre acompanhadas por uma …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tranquilizante causa dependência

Algumas pessoas que têm dificuldade para enfrentar as vicissitudes da vida procuram um médico, solicitam receita de um calmante e depois não conseguem mais viver sem ele. Quando a caixa termina, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Reações a medicamentos

É muito frequente o uso do vocábulo remédio como sinônimo de medicamento. No entanto, eles não significam a mesma coisa. Remédio é qualquer tipo de cuidado utilizado para tratar doenças, aliviando …


Exclusivo
Doutor João Responde

Limitações da telemedicina

A medicina se alimenta de informação. Ausência de dados compromete o diagnóstico e o tratamento. O médico pode utilizar um ambiente virtual para centralizar as informações do paciente, facilitando o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vulnerabilidade a medicamentos

Enquanto o corpo envelhece, o espírito amadurece, pois ninguém é demasiadamente idoso para que não possa nutrir esperança. Vulnerabilidade a medicamentos fragiliza a saúde do paciente geriátrico. …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados