search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Nossa memória imunológica
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores.

Isso é possível graças à nossa memória imunológica. Existem dois tipos de respostas imunológicas: inatas, que constituem a primeira linha de defesa do organismo e têm caráter generalista, isto é, reconhecem substâncias compartilhadas por grupos de microrganismos; e adaptativas, que formam a segunda linha de defesa do corpo e apresentam caráter especialista, ou seja, reconhecem substâncias particulares de diferentes microrganismos.

As reações imunes inatas respondem prontamente contra os microrganismos e são formadas por um grupo bastante variado de células de defesa, tais como neutrófilos, macrófagos, entre outras.

Por outro lado, as respostas imunes adaptativas levam um tempo para serem montadas e são compostas por um grupo mais limitado de células de defesa, conhecidas como linfócitos. Dessas duas classes de imunidade protetora contra microrganismos, aquela que chamamos de adaptativa é a que apresenta a propriedade de memória imunológica.

As células do sistema imunológico são extremamente organizadas, tendo cada uma sua função específica. Se o organismo entrar em contato com qualquer agente infeccioso, ele desenvolverá linfócitos especiais, que são chamados de células da memória, capazes de reconhecer esse agente infeccioso. Essas células permanecem em nosso organismo pelo resto da vida, mesmo sem termos nenhum tipo de contato com esse agente infeccioso.

Se tivermos contato com um agente infeccioso e se este for reconhecido pelas células de memória, os linfócitos deverão se reproduzir, com o objetivo de debelar os elementos da infecção. Esses agentes, portanto, serão descartados do organismo sem que tenham causado prejuízo.

Quando somos expostos a um agente causador de uma doença, desencadeamos uma resposta do nosso sistema imune. Nessa ação, temos a formação de células de memória, as quais podem sobreviver por vários anos. Quando somos expostos novamente à mesma ameaça, a resposta do nosso sistema imune é ainda mais rápida e mais forte, devido à ação dessas células de memória. O sono também é capaz de reforçar as memórias imunológicas de encontros passados com agentes patogênicos.

A memória imunológica é o motivo pelo qual as vacinas são tão eficientes. Nelas, um organismo, morto ou atenuado, causador da doença, é inoculado em uma pessoa, estimulando, desse modo, seu sistema imune. Se esse indivíduo tiver outro contato com esse mesmo agente, seu sistema imune responderá de forma rápida, evitando a infecção.

Raramente pensamos no sistema imunológico, mas a sua prodigiosa memória nunca deixa de lembrar-nos dos riscos que esquecemos. Recordar é viver!

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Pneumonia silenciosa

Pneumonia é um tipo de inflamação que afeta os pulmões, geralmente relacionada a uma infecção. De modo geral, o quadro começa com alguma gripe que não é bem tratada, fazendo com que a imunidade do …


Exclusivo
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade. A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Predadora célula cancerosa

Para manter-se vivo, o corpo precisa lutar contra tudo aquilo que desequilibra suas funções, inclusive contra si mesmo. Munido de uma poderosa arma antigênica, o organismo protege a vida que mantém …


Exclusivo
Doutor João Responde

Uso de corticoide em Covid-19

Descobriu-se, recentemente, que o esteroide dexametasona diminui a nefasta reação do sistema imunológico contra o coronavírus, aumentando a chance de sobrevivência do paciente grave. Denominada …


Exclusivo
Doutor João Responde

O asfixiante coronavírus

Flutuando no ar, esse invisível inimigo se espalha por meio de gotículas transmitidas ao ar pela respiração, principalmente quando ocorrem espirros e tosse. Estando presentes ao redor, indivíduos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Higienização com álcool em gel

Qual a diferença entre desinfetante, antisséptico e esterilizante? Desinfetar é destruir aquilo que causa infecção. Antissepsia é limpar algo contaminado. Esterilizar se refere a um processo de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Em busca da vacina milagrosa

Vivendo entre o sonho e a realidade, ninguém é imune à sentença do tempo. A ansiedade é inimiga mortal da nossa paz. A paz é amiga vital da nossa saúde. Estamos atravessando um período dramático…


Exclusivo
Doutor João Responde

Complicações contra a Covid-19

Indagados por não estarem usando máscaras, muitas pessoas afirmam que são resistentes à Covid-19. Esta declaração categórica é bastante perigosa, uma vez que, diante da pandemia, ninguém pode dispor …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados