search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

No limite
Painel da Folha de São Paulo

No limite

A crise do coronavírus já é considerada um divisor de águas no caminho de Jair Bolsonaro. Na avaliação de parlamentares, de integrantes da cúpula do Judiciário brasileiro e de governadores, o presidente perdeu o poder de governança.

Além da sua condução até agora ter sido vexatória, a percepção é de que os principais pilares de sustentação de Bolsonaro, a polarização com o PT e a melhora da economia, desmoronaram. O alerta de desembarque já soou entre aliados de ocasião.

Segura - Se não falam sobre impeachment, ao menos até agora, os que assim avaliam o governo já tratam abertamente de uma mudança do cenário eleitoral pra 2022. Até antes da crise, mesmo com a perda de popularidade no primeiro ano de Bolsonaro, as previsões políticas davam conta de que seria difícil tirá-lo de uma reeleição.

Autoisolamento - Os que fazem essa análise lembram os feitos do presidente no último mês: convocou atos que eram contra o Congresso e o STF, chamou o coronavírus de fantasia e histeria, participou dos protestos mesmo contra recomendações e com suspeita da doença, culpou a mídia, declarou guerra a governadores e, por fim, ainda conseguiu brigar com a China e com o agronegócio.

Oi? - No meio disso, quando já tinha sido confirmada a primeira morte no Brasil, ainda passou recibo de estar com ciúme do protagonismo de seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pedindo à imprensa que lembrasse dele como comandante do time de ministros.

Carinho - Numa tentativa de reduzir o mal-estar provocado pelo pedido de retirada de R$ 1,6 bilhão da Educação, o procurador-geral, Augusto Aras, telefonou para o ministro Abraham Weintraub. Ele se comprometeu, segundo relatos, a compensar a pasta com o dinheiro das próximas multas de corrupção.

Carinho 2 - A Procuradoria propôs na quinta (19) que o dinheiro – pago pela Petrobras e hoje no MEC – seja redirecionado para o combate ao coronavírus.

Tabelinha - Materiais de segurança prometidos pelo Ministério da Saúde estão com entrega atrasada. A pasta se comprometeu com órgãos, entre eles a Polícia Federal, para uso nos aeroportos, de enviar os itens até o dia 15 de março. Os equipamentos vêm da China.

Rede - Críticos do que veem como inação dos governos diante do possível avanço do coronavírus, o G10 das favelas, bloco que reúne lideranças dessas comunidades pelo país, elaborou estratégia própria para se organizar contra a pandemia.

Quem manda - Em Paraisópolis, por exemplo, na zona sul de SP, onde moram 100 mil pessoas, 420 voluntários cuidarão de 50 casas cada um, e serão conhecidos como os "presidentes das ruas". O modelo será replicado em favelas como Heliópolis, em SP, e Rocinha e Alemão, no RJ.

Nós - Eles serão responsáveis por pedir que as pessoas fiquem em suas casas, passar instruções de higiene e entregar mantimentos, que chegarão em carros com sirenes, que soarão para avisar o momento da recepção e da distribuição de alimentos.

Vida real - A notícia de que o deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP) está com coronavírus levou pânico para o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). O parlamentar esteve em reuniões no local antes de ter o resultado e, depois, os funcionários não foram liberados. O problema é que a maioria é terceirizado e não há regras específicas para esse tipo de regime.

Regras - Os órgãos dizem não ter amparo jurídico para liberar os contratados. Há ainda relatos de que as empresas estão descontando o vale-alimentação e transporte dos terceirizados. O Ministério da Economia avalia editar uma nova norma para regular a situação.

Sono pesado - O comandante-geral da PM de SP, Fernando Alencar Medeiros, está dormindo no quartel há uma semana, por causa da crise. Ele assumiu o cargo no começo do mês. O antecessor renunciou por não concordar com o afastamento dos PMs envolvidos na ocorrência do baile funk de Paraisópolis.

TIROTEIO

"O morador de favela está abandonado, não tem home office nem álcool em gel. Não tem política de Estado para salvar a favela."

De Gilson Rodrigues, coordenador-geral do G10 Favelas, sobre a falta de propostas para frear a ampliação da crise do coronavírus nas favelas.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Discurso x ação

Apesar das declarações de Jair Bolsonaro sobre preocupação com desemprego, políticos e integrantes do Judiciário apontam ao menos cinco posturas contraditórias do governo com este discurso. O …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Água e azeite

Apesar da troca de afagos entre João Doria (PSDB-SP) e Lula (PT) nas redes sociais nesta quinta (2), a chance de uma união de líderes partidários, especialmente de ex-presidentes da República, é …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Batata quente

O coronavírus aumentou o jogo de empurra no cenário político brasileiro, na avaliação de integrantes do Congresso, do Ministério Público e do Judiciário. Fora a condução desastrada de Jair Bolsonaro, …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Carga pesada

Um dos líderes da paralisação de 2018, Wallace Landim, conhecido como Chorão, afirma que os caminhoneiros devem parar se os governadores não recuarem nas medidas de isolamento social contra o novo …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

E agora, José?

A insatisfação dentro do governo Jair Bolsonaro com Luiz Henrique Mandetta (Saúde) transbordou os limites do Palácio do Planalto. Na equipe econômica, liderada por Paulo Guedes, as aparições …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Alô, presidente

O governador Ronaldo Caiado (DEM-GO) afirma que a “urgência urgentíssima” do momento é que o governo Jair Bolsonaro tome medidas o mais rápido possível para garantir a alimentação das pessoas. …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Pare agora

Pare agora Garota-propaganda de uma campanha lançada pelo governo há duas semanas sobre coronavírus, a médica e professora Ana Escobar diz que é contra a nova linha defendida pelo presidente …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Com as próprias mãos

Em mais uma iniciativa para coordenar esforços à margem do governo federal, inoperante na visão dos governadores, os estados articulam dar respostas unificadas ao coronavírus a partir de estudos de …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Temperatura máxima

Foi tensa a primeira reunião do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, com secretários estaduais após o pronunciamento de Jair Bolsonaro. Eles cobraram posição firme em defesa do isolamento, …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Quanto custa

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, fez comentários críticos ao isolamento social, na mesma linha que o presidente Jair Bolsonaro. Em mensagem em um grupo de WhatsApp, Novaes disse que …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados