search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

“Não posso ficar doente, doutor!”
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer dizer “ente passivo”, aquele que não atua ou que ficou para trás.

Através de certas alterações no organismo, a doença exige que o paciente diminua suas atividades diárias. Algumas pessoas adquirem status quando adoecem, ganhando atenção da família, que se desdobra nos cuidados, visando ao seu pronto restabelecimento.

Por outro lado, a sociedade não tolera quebra nos elos da corrente que faz girar o mundo, torcendo o nariz para os doentes e seus atestados médicos. Basicamente, há quatro tipos de pacientes:

Aquele que solicita avaliação médica e exames complementares, querendo saber sobre sua doença e se informando sobre quais condutas deverá seguir. Esses são a maioria.

O que quer saber apenas sobre sua doença, dispensando tratamentos, acreditando que, sendo portador do diagnóstico, ele mesmo irá administrar a patologia, achando um jeito de se curar.

Aquele que tem pavor de se descobrir doente, preferindo não saber nada sobre o que está acontecendo, se contentando apenas com os medicamentos.

Finalmente, temos o paciente que morre de medo, não da doença, mas das consequências sociais que ela pode acarretar.

Recentemente eu consultei um empresário que se enquadra nessa última situação. Entrando na sala, ele se queixou: “Doutor, eu não estou nada bem. Ando sentindo uma dor no lado direito, debaixo da costela, acompanhada por náuseas e uma sensação de empachamento. Tenho observado que esses sintomas são mais frequentes depois das refeições”.

No desenrolar da história clínica, descobri que esse paciente é um grande consumidor de alimentos gordurosos, sedentário e com ascendentes familiares que tiveram pedra na vesícula biliar.

Com a hipótese diagnóstica formada na mente, eu solicitei uma ultrassonografia abdominal, que confirmou minha impressão, mostrando uma volumosa pedra obstruindo a vesícula biliar.

Depois de explicar sobre a natureza hereditária da doença e também lembrar sobre a obesidade, a vida sedentária e a hipercalórica alimentação do paciente, sugeri que ele fosse logo operado, alertando que os seus sintomas poderiam piorar, desembocando numa perigosa inflamação. Embora esse tipo de cirurgia, realizado através de laparoscopia, tenha poucos riscos, observei que o paciente murchou.

Abatido, ele perguntou: “Essa cirurgia é demorada? Vou ter que permanecer no hospital? Quando eu posso voltar a trabalhar? Ai, doutor, minha família precisa tanto da minha saúde!”

Curioso que ele não tenha se dado conta de perguntar sobre o risco anestésico e outras complicações que podem ocorrer numa cirurgia; mas dos efeitos que ela poderia trazer para sua vida profissional.

Esse paciente foi operado e já está trabalhando. Reabastecido de prevenção, ele voltou a encontrar a paz da saúde.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

O asfixiante coronavírus

Flutuando no ar, esse invisível inimigo se espalha por meio de gotículas transmitidas ao ar pela respiração, principalmente quando ocorrem espirros e tosse. Estando presentes ao redor, indivíduos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Higienização com álcool em gel

Qual a diferença entre desinfetante, antisséptico e esterilizante? Desinfetar é destruir aquilo que causa infecção. Antissepsia é limpar algo contaminado. Esterilizar se refere a um processo de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Em busca da vacina milagrosa

Vivendo entre o sonho e a realidade, ninguém é imune à sentença do tempo. A ansiedade é inimiga mortal da nossa paz. A paz é amiga vital da nossa saúde. Estamos atravessando um período dramático…


Exclusivo
Doutor João Responde

Complicações contra a Covid-19

Indagados por não estarem usando máscaras, muitas pessoas afirmam que são resistentes à Covid-19. Esta declaração categórica é bastante perigosa, uma vez que, diante da pandemia, ninguém pode dispor …


Exclusivo
Doutor João Responde

Baço, um órgão pouco lembrado

A designação desse órgão abdominal originou-se pelo fato dele ser embaçado, não se deixando ser atravessado pela luz. O baço sempre constituiu um desafio à curiosidade dos investigadores que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados