search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Minha vesícula encheu de pedras
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”.

Nada lembrava a urgência na qual antes ela havia sido atendida: alquebrada pela dor, carregada de aflição, assustada pelo temor e pensando numa possível operação.

Eu havia ficado preocupado com o seu quadro clínico: pálida, vomitando e com forte dor abaixo da costela. Tudo indicava inflamação da vesícula, quase sempre decorrente da presença de cálculos no seu interior.

A vesícula biliar é um órgão situado no lado direito, sob o fígado, cuja função é armazenar e depois liberar bile no duodeno, auxiliando na absorção de gorduras.

Esse líquido amarelo-esverdeado contém colesterol, lecitina, sais biliares e água. Quando ocorre algum desequilíbrio nos seus componentes, a bile se torna litogênica, ou seja, cristais vão se depositando, até formarem cálculos.

Existe um forte componente hereditário no aparecimento dessa patologia. Além disso, obesidade, dietas ricas em gorduras e mulheres brancas e que já tiveram filhos são os mais propensos de desenvolverem a doença.

No momento em que o paciente perde esse órgão, seu fígado trata de criar milhares de pequenas vesículas dentro de si, visando substituir a vesícula. É necessário compreender que a vesícula apenas armazena bile, cabendo ao fígado produzi-la.

A presença de gordura no duodeno faz o fígado contrair a vesícula, que, por sua vez, joga bile naquela parte do intestino. Na ausência da vesícula, o fígado lança bile diretamente no duodeno, digerindo os lipídios que lá se encontram.

É importante entender que a presença de pedra na vesícula não caracteriza uma infecção. Entretanto, com o passar do tempo, esses corpos estranhos acabarão por irritar a vesícula, produzindo uma inflamação chamada colecistite, com indicação cirúrgica.

Pedra na vesícula é apenas o efeito do órgão doente. Caso o cirurgião retire apenas os cálculos, a vesícula irá, com o passar do tempo, fabricar outros novamente. Como o fígado supre a falta da vesícula, o procedimento se torna viável.

É curioso observar que o aparecimento de cálculos na vesícula lembra a formação de pérolas dentro das ostras. Por algum motivo, cristais se precipitam e vão parar no fundo da concha. Com o passar do tempo, forma-se uma valiosa pérola no seu interior. Costumamos dizer que a pérola é a pedra na vesícula da ostra doente.

Antes de finalizar a consulta, lembrei à operada da necessidade de fazer dieta com pouca gordura, evitando, com isso, sobrecarregar o fígado, causando náuseas, acúmulo de gases e diarreia. Além disso, prescrevi medicamentos para auxiliar a digestão.

Antes de sair, a paciente ainda comentou: “Bem que esses cálculos na minha vesícula poderiam ter o valor das pérolas. Se assim fosse, eu teria adiado minha cirurgia, acumulando mais pedras, até que eu pudesse reformar minha casa e trocar meu carro.”

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Exclusivo
Doutor João Responde

Fadiga pode ser preguiça ou doença

Minha paciente esteve recentemente em outro médico, queixando-se de vários sintomas, tais como, calafrios, irritabilidade, fraqueza, tontura, dor de cabeça e, principalmente, cansaço que persiste o …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados