search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Médica explica doença que deixa visão distorcida
AT em Família

Médica explica doença que deixa visão distorcida

A visão embaçada e distorcida pode ter várias causas que vão desde um simples cansaço até doenças mais sérias, que podem comprometer os olhos a ponto de causar cegueira.

É o caso do ceratocone, uma doença não inflamatória, que atinge a estrutura da córnea e pode aparecer, entre outros fatores, por meio de um hábito muito comum: coçar os olhos.

Klicia Molina diz que a doença acomete igualmente homens e mulheres e, em geral, tem início na adolescência. (Foto: Divulgação)
Klicia Molina diz que a doença acomete igualmente homens e mulheres e, em geral, tem início na adolescência. (Foto: Divulgação)

O ceratocone ganhou até uma campanha dedicada a ele, o Junho Violeta. Durante todo o mês, são feitas ações para prevenir a doença, além de falar de suas causas e tratamentos.

Para explicar melhor sobre o assunto, o AT em Família ouviu a oftalmologista Klicia Molina, que é também membro da Sociedade Brasileira de Oftalmologia.

AT em família – O que o ceratocone provoca nos olhos?

Klicia Molina – Em condições normais, a córnea tem um formato regular quase esférico. Por outro lado, no ceratocone a córnea tem uma fragilidade nas suas moléculas de colágeno e, por isso, se deforma com o passar do tempo, adquirindo formato mais protuso que lembra o de um cone, daí o nome da doença.

É mais comum em que público?

A doença acomete igualmente homens e mulheres. Inicia-se na adolescência e, em regra, progride até os 35 anos. Há um componente genético já comprovado, ou seja, pessoas que tenham familiares com ceratocone têm mais chances de vir a desenvolver a doença do que as pessoas que não tenham histórico familiar positivo.

Como identifico que sofro da doença?

Os sintomas costumam não estar presentes nas fases iniciais. Não há dor, não há vermelhidão ocular e nenhuma alteração visível a olho nu. Apesar disso, alguns dos indícios precoces são embaçamento e distorção da visão, dificuldade com luzes, mudanças frequentes no grau dos óculos, aumento da miopia e do astigmatismo, além de coceira nos olhos.

Qual o tratamento?

O uso de óculos costuma ajudar. Já nos pacientes com quadro um pouco mais avançado, os óculos não são mais o bastante. Então, adaptamos lentes de contato rígidas gás permeáveis, personalizadas, feitas individualmente e baseadas em uma série de medidas de cada olho do paciente para proporcionar a melhor visão possível.

Entre outros tratamentos também estão implantes e ligações entre fibras de colágeno para aumentar a rigidez da córnea.

Quais são as causas?

As causas ainda não estão totalmente esclarecidas. Sabe-se que o hábito de coçar os olhos é um dos grandes vilões, pois provoca trauma mecânico e alteração no formato da córnea. Essa associação é tão importante que o slogan da campanha Junho Violeta é exatamente sobre isso: “Esfregar ou coçar os olhos prejudica a visão!”.

Outra causa já comprovada é a genética: o histórico familiar aumenta as chances do desenvolvimento da doença.

Todavia, pessoas sem história familiar de ceratocone também podem manifestá-lo.

Há casos em que é preciso fazer cirurgia? E transplante?

A cirurgia é indicada quando a visão não for satisfatória com óculos e lentes de contato. Há também indicação de reticulação do colágeno da córnea diante da progressão documentada da doença.

Já o transplante de córnea, apesar de ser o transplante de órgão sólido com maior índice de sucesso, é sempre a última opção.

Pessoas podem ficar cegas por causa do ceratocone?

A cegueira total causada pelo ceratocone felizmente é rara. Entretanto, é bastante comum a perda da qualidade visual com incapacidades e grande impacto na qualidade de vida e funcional do paciente.

SAIBA MAIS

Apoio psicológico

  • Existem diversos tipos de tratamento que podem ser aplicados isoladamente ou em combinação e sempre de forma individualizada, a depender do estágio e da progressão da doença.
  • É essencial orientar corretamente o paciente e seus familiares, esclarecendo todas as dúvidas com carinho e dando o apoio psicológico adequado.

Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados