X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

França: direita radical lidera 1º turno das eleições legislativas


Os eleitores franceses levaram o Reagrupamento Nacional, de direita radical, a uma forte liderança no primeiro turno das eleições legislativas deste domingo, 30, e mergulharam a França em incerteza política, segundo as projeções eleitorais. O presidente francês Emmanuel Macron, que convocou as eleições surpresa há apenas três semanas, pediu aos eleitores que se mobilizassem contra a direita radical.

As projeções das agências de pesquisa sugerem que o Reagrupamento Nacional tem uma boa chance de obter a maioria na câmara baixa do Parlamento pela primeira vez, com cerca de um terço dos votos no primeiro turno, quase o dobro dos 18% obtidos no primeiro turno em 2022. O partido está se baseando em seu sucesso nas eleições europeias que levaram Macron a dissolver o parlamento e convocar a votação surpresa.

O segundo turno será decisivo, mas deixa em aberto grandes questões sobre como Macron compartilhará o poder com um primeiro-ministro que é hostil à maioria de suas políticas.

Os eleitores franceses foram às urnas neste domingo no primeiro turno das eleições parlamentares antecipadas de alto risco que podem colocar o governo nas mãos de partidos nacionalistas e de direita radical pela primeira vez desde a era nazista. As eleições de dois turnos, que terminam em 7 de julho, podem afetar os mercados financeiros europeus, o apoio ocidental à Ucrânia e a administração do arsenal nuclear da França e da força militar global.

Muitos eleitores franceses estão frustrados com a inflação e outros temas econômicos, bem como com a liderança do presidente Emmanuel Macron, visto como arrogante e distante de suas vidas. O partido anti-imigração Reagrupamento Nacional, de Marine Le Pen, aproveitou esse descontentamento, principalmente por meio de plataformas on-line como o TikTok, e liderou as pesquisas de opinião pré-eleitorais.

Uma nova coalizão de esquerda, a Nova Frente Popular, também representa um desafio para Macron e sua aliança centrista. Ela inclui os socialistas e comunistas franceses, os verdes e a esquerda radical e promete reverter uma lei impopular de reforma previdenciária que aumentou a idade de aposentadoria para 64 anos, entre outras reformas econômicas.

Há 49,5 milhões de eleitores registrados que escolherão os 577 membros da Assembleia Nacional, a influente câmara baixa do parlamento francês.

O comparecimento às urnas foi de 59%, um índice excepcionalmente alto, faltando três horas para o fechamento das urnas. Isso representa 20 pontos percentuais a mais do que a participação na última votação do primeiro turno em 2022. Alguns pesquisadores sugeriram que o alto comparecimento poderia moderar o resultado para o Reagrupamento Nacional, de direita radical, possivelmente indicando que os eleitores fizeram um esforço extra para votar por medo de que ele pudesse vencer.

A votação estava ocorrendo durante a tradicional primeira semana de férias de verão na França, e os pedidos de voto por correspondência foram pelo menos cinco vezes maiores do que em 2022. As primeiras projeções de pesquisa eram esperadas para as 20h (15h no horário de Brasília), quando as últimas seções eleitorais fecharem.

Os primeiros resultados oficiais eram esperados para o final deste domingo.

Macron votou em Le Touquet, um resort à beira-mar no norte da França. Le Pen também votou no norte, reduto de seu partido, mas na cidade de classe trabalhadora de Hennin-Beaumont. Os eleitores em Paris pensaram em questões que vão desde a imigração até o aumento do custo de vida, já que o país está cada vez mais dividido entre os blocos de direita radical e esquerda radical, com um presidente profundamente impopular e enfraquecido no centro político. A campanha foi marcada pelo aumento do discurso de ódio.

"As pessoas não gostam do que está acontecendo", disse Cynthia Justine, 44 anos. "Elas sentem que perderam muito nos últimos anos. Estão com raiva. Eu estou com raiva." Ela acrescentou que, com "o aumento do discurso de ódio", era necessário expressar as frustrações com aqueles que detêm e buscam o poder. Ela disse que, como mulher, era importante votar, já que as mulheres nem sempre tiveram esse direito. E "pelo fato de eu ser uma mulher negra, é ainda mais importante. Muita coisa está em jogo neste dia".

Macron convocou as eleições antecipadas depois que seu partido foi derrotado nas eleições para o Parlamento Europeu no início de junho pelo Reagrupamento Nacional, que tem laços históricos com o racismo e o antissemitismo e é hostil à comunidade muçulmana da França. Ele também tem laços históricos com a Rússia. A convocação de Macron foi uma aposta audaciosa de que os eleitores franceses, que estavam complacentes com a eleição europeia, seriam estimulados a apoiar as forças moderadas nas eleições nacionais para manter a direita radical fora do poder.

Em vez disso, as pesquisas pré-eleitorais sugeriram que o Reagrupamento Nacional está ganhando apoio e tem uma chance de obter uma maioria parlamentar. Nesse cenário, espera-se que Macron nomeie o presidente do Reagrupamento Nacional, Jordan Bardella, de 28 anos, como primeiro-ministro em um sistema estranho de compartilhamento de poder conhecido como "coabitação". Embora Macron tenha dito que não renunciará antes do término de seu mandato presidencial em 2027, a coabitação o enfraqueceria no país e no cenário mundial.

Philippe Lempereur, um eleitor de 64 anos, expressou seu cansaço com os políticos de esquerda, direita e centro e o que ele chamou de sua incapacidade de trabalhar juntos em questões como garantir que as pessoas tenham abrigo e comida suficiente. "Votamos por padrão, na opção menos pior", disse ele. "Prefiro votar a não fazer nada." Os resultados do primeiro turno darão uma ideia do sentimento dos eleitores, mas não necessariamente da composição geral da próxima Assembleia Nacional.

As previsões são difíceis devido ao complicado sistema de votação e porque os partidos trabalharão entre os turnos para fazer alianças em alguns círculos eleitorais ou sair de outros. No passado, essas manobras ajudaram a manter os candidatos de direita radical longe do poder. Mas o apoio ao partido de Le Pen se espalhou por toda parte. Bardella, que não tem experiência de governo, diz que usaria os poderes de primeiro-ministro para impedir que Macron continuasse a fornecer armas de longo alcance à Ucrânia para a guerra com a Rússia.

O Reagrupamento Nacional também questionou o direito à cidadania das pessoas nascidas na França e quer restringir os direitos dos cidadãos franceses com dupla nacionalidade. Os críticos dizem que isso prejudica os direitos humanos e é uma ameaça aos ideais democráticos da França. Enquanto isso, as enormes promessas de gastos públicos feitas pelo Reagrupamento Nacional e, principalmente, pela coalizão de esquerda, abalaram os mercados e acenderam as preocupações com a pesada dívida da França, já criticada pelos órgãos de fiscalização da União Europeia. No território francês da Nova Caledônia, no Pacífico, as urnas foram fechadas mais cedo devido a um toque de recolher que as autoridades estenderam até 8 de julho.

No mês passado, a violência no local explodiu, deixando nove pessoas mortas, devido às tentativas do governo de Macron de alterar a Constituição francesa e mudar as listas de votação, o que os indígenas Kanaks temiam que os marginalizasse ainda mais. Há muito tempo eles buscam se libertar da França. Os eleitores de outros territórios ultramarinos da França, como Saint-Pierre-et-Miquelon, Saint-Barthélemy, Saint-Martin, Guadalupe, Martinica, Guiana e Polinésia Francesa, e aqueles que votaram em escritórios abertos por embaixadas e postos consulares nas Américas, votaram no sábado, 29.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: