search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Incoerência
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


Incoerência

Não sei se o Brasil inteiro soube. No interior do Rio Grande do Sul, um homem atirou sete vezes na namorada, durante uma briga, e acertou cinco tiros. A moça foi socorrida e sobreviveu. No dia do julgamento, a vítima dava seu depoimento quando, de repente, pediu licença ao juiz, aproximou-se de seu agressor e, de forma totalmente inesperada, tascou-lhe um beijão na boca. Um beijo apaixonado. No dia seguinte, a foto estava estampada no jornal e todos nós de queixo caído.

Nas redes sociais, os palpites resumidos de sempre. “Síndrome de Estocolmo”. “Desserviço ao feminismo”. “Ignorância”. “Cavando a própria sepultura”. Etc, etc.

Os psicanalistas foram chamados a explicar. Lembraram que antes de acontecer uma violência física, há um longo período de violência psicológica que estraçalha a autoestima da vítima: ela acredita que não será ninguém sem o amor daquele homem. Por não conseguir se libertar, fantasia que o amor será mais forte e salvará a relação no final.

As estatísticas estão aí para quem quiser ver. O perdão não vai salvá-la. O amor não vai salvá-la. Ela morre no final.

A foto perturbou a mim e a todos, pois escancara o quanto somos frágeis e trazemos desejos submersos, originados sabe-se lá por quais desvios.

A gente se esforça para manter uma versão ajustada de si mesmo, para entregar à sociedade um perfil que seja condizente com o que se espera de um cidadão sensato, e até que nos saímos bem: ninguém costuma desconfiar das nossas fraturas emocionais e suas consequências.

Só dentro de casa, protegidos dos olhares e do julgamento alheio, é que liberamos nossas carências, traumas e fetiches.

Entre quatro paredes, nossos sentimentos ocultos e contraditórios ganham permissão para conviverem. É quando a raiva e o amor deitam-se na mesma cama, o ódio e a compaixão sentam-se à mesma mesa, a dor e o prazer dão-se às mãos no sofá.

Somos perversos e adoráveis, somos amorosos e cruéis. Mas temos uma natureza preponderante, essa que postamos no Facebook e Instagram, essa que nos acompanha ao escritório, nas ruas, no shopping.

Somos reconhecidos como pessoas perfeitamente adequadas, equilibradas. Poucas são as testemunhas oculares das nossas convulsões internas, quase ninguém conhece a fundo nossas contradições.

O brutal pode vir acompanhado de extrema excitação. É a contradição que a moça agredida revelou às claras, sem nenhuma espécie de censura ou pudor. Ela despiu-se das camadas que revestem nossa pretensa normalidade e deixou a plateia perplexa e, ao mesmo tempo, embaraçada.

Exibiu sua instabilidade para as lentes dos fotógrafos, demonstrou o efeito tirânico de uma relação abusiva para os jurados e para quem mais quisesse ver – só que nunca queremos.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

E se não passar?

Estamos há quase quatro meses mergulhados numa pandemia que mudou nossos hábitos, nos impôs restrições, nos distanciou fisicamente e nos colocou frente a frente com nossas fragilidades. Vai ficar por …


Exclusivo
Martha Medeiros

Live

Tecnologia não é meu forte. Além da inaptidão, tem muita preguiça envolvida. Nada sei sobre cabos, operadoras e filtros. Nem mesmo sei de onde vem e quem paga a internet aqui de casa (desconfio que …


Exclusivo
Martha Medeiros

Levemente pirados

Continuamos dentro de nossas casas, vivendo entre quatro paredes – espaço que costuma ser amplo para alguns afortunados, porém exíguo para a maioria dos brasileiros e suas novas rotinas. Os que …


Exclusivo
Martha Medeiros

Você não pode ter sempre o que quer

A quarentena surpreendeu a todos. Havíamos recém- entrado em março, quando 2020 começaria para valer, mas em vez de dar início ao cumprimento das resoluções de fim de ano, fomos condenados à prisão …


Exclusivo
Martha Medeiros

Em comum

Em comum O que você tem em comum com os indonésios que sobreviveram ao tsunami naquele trágico janeiro de 2004? O mesmo que eles têm com os capoeiristas da Bahia e também com a família do …


Exclusivo
Martha Medeiros

Vida em seu sentido original

Não há como não se sentir angustiado assistindo a Você não estava aqui, filme de Ken Loach, o mesmo diretor do multipremiado Eu, Daniel Blake, que tratava sobre o isolamento de idosos que não …


Exclusivo
Martha Medeiros

Parar a tempo

“Você tem que ser capaz de parar a tempo”, disse Pablo Picasso, em 1932, sobre o segredo do ofício de escultor (o que ele era também, e magnífico). Como saber que uma obra está acabada? Não há um …


Exclusivo
Martha Medeiros

Os filhos do mundo

Foi aparecer Greta Thunberg, e achei que mataríamos saudade do consenso — lembra consenso? Difícil imaginar divergências a respeito de uma adolescente que um dia saiu de casa com um cartaz nas …


Exclusivo
Martha Medeiros

E se em vez de falar de Natal

E se em vez de falar de Natal, a gente procurasse entender por que o mundo está de patas para o ar? Pessoas se sentem no direito de serem rudes com as outras, seja por estarem amparadas pelo escudo …


Exclusivo
Martha Medeiros

A pontualidade e o amor

O que faz um romance durar? Entre as muitas vantagens de amadurecer, está a de não se preocupar mais com essas questões e simplesmente se jogar, permitir que os dias fluam, que o vento nos leve, sem …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados