X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Fortalecido, Verdão inicia a luta pelo título inédito

O Palmeiras disputa nesta terça (8), a partir das 13h30, a semifinal contra o Al Ahly, que levou a melhor no ano passado

Da Redação | 08/02/2022 12:45 h

Imagem ilustrativa da imagem Fortalecido, Verdão inicia a luta pelo título inédito
 

Atual campeão da Libertadores, o Palmeiras estreia no Mundial de Clubes confiante em alcançar um resultado melhor do que o registrado há um ano, quando amargou a pior campanha de um time sul-americano na competição ao perder dois jogos e terminar em quarto lugar.

O time revê hoje, às 13h30 (de Brasília), o Al Ahly, que surpreendeu ao superar desfalques importantes e eliminar o Monterrey, do México. No ano passado, os egípcios levaram a melhor diante do time alviverde nos pênaltis na disputa do terceiro lugar.

“Não tomamos o jogo como uma revanche. É jogar da mesma forma contra qualquer time”, assegurou o zagueiro Gustavo Gómez.

Dirigentes, comissão técnica e jogadores chegaram a Abu Dhabi confiantes de que é possível brigar pelo título inédito. Ao contrário de 2021, os atletas tiveram um mês de descanso após a Libertadores e mais um mês reservado para treinos e jogos antes do Mundial.

“Chegamos melhor preparados do que no ano passado, mais experientes”, reforçou o zagueiro capixaba Luan.

Também existe o consenso de que o elenco está mais maduro após ser forjado por meio de uma sequência de insucessos e glórias em 2021. O próprio fracasso no Mundial no Catar, além das derrotas na final do Paulistão, Supercopa do Brasil e Recopa Sul-Americana, são vistos com importância pelo grupo para que não se repitam as falhas em Abu Dhabi.

“Nossa equipe está mais experiente, tivemos em sete, oito finais Ganhamos umas, perdemos outras e aprendemos. A equipe está mais habituada a disputar finais”, enfatiza o técnico Abel Ferreira. “A maturidade do nosso time vai nos ajudar muito”, avalia Raphael Veiga, um dos destaques do Verdão.

A única dúvida em relação à escalação diz respeito à utilização ou não de Piquerez. O uruguaio se recuperou da covid-19 e está em Abu Dhabi desde a madrugada de domingo. Portanto, treinou apenas uma vez com o grupo. O técnico limitou-se a dizer que, se precisar dele, o lateral “vai voar”.

Técnico do Al Ahly fala em “engolir” o Palmeiras

O treinador Pitso Mosimane está confiante de que o Al Ahly possa vencer o Palmeiras e fazer a decisão do Mundial de Clubes. A informação foi revelada pelo ex-jogador Pio Nogueira, amigo pessoal do técnico sul-africano, em entrevista para a ESPN.

“Na semana passava, ele me disse: 'Pio, se eu conseguir trazer os cinco caras que estão na seleção (do Egito) para jogar a final contra Senegal, eu vou ganhar do Palmeiras. Se conseguir trazer os caras inteiros fisicamente, vou ganhar'”, afirmou.

“Eu sei bem como o Palmeiras joga, temos tudo preparado em vídeo. Se eles vierem dessa forma, a gente vai 'engolir', porque nossos jogadores, fisicamente falando, tem um poderio maior que os brasileiros”, completou.

Maior campeão africano, com dez conquistas, o Al Ahly joga reforçado em relação ao duelo anterior, mas não se sabe quantos e quais atletas estarão em campo. 

Cinco retornaram da seleção egípcia após a derrota para Senegal na final da Copa Africana, e dois jogadores se lesionaram no último domingo.

O zagueiro Mohamed Abdelmonem, os meias Hamdi Fathi e Amr Al Sulaya, o lateral Ayman Ashra e o atacante Mohamed Sherif retornaram e estão à disposição do técnico sul-africano Pitso Mosimane.

“Esses atletas vão estar disponíveis, mas isso não significa que eles estão entre os 11 iniciais”, disse Mosimane, que auxiliar de Carlos Alberto Parreira na seleção da África do Sul.

INTER E GALO JÁ DERAM VEXAMES

- O Palmeiras, no ano passado, perdeu os dois jogos do Mundial de Clubes e deseja evitar isso para brigar pelo título inédito. 

- Em 1999, o Palmeiras chegou à final contra o Manchester United, mas perdeu de 1 a 0, no Japão, em falha do goleiro Marcos em cruzamento vindo do lado esquerdo que terminou com gol de Roy Keane.

Alguns times brasileiros deram vexames históricos no Mundial.

- Em 2010,  o Internacional – que já era campeão do mundo, em 2006 – perdeu para o Mazembe por 2 a 0, com gols de Kabangu e Kaluyituka. Na ocasião, o que ficou marcado foi a comemoração do goleiro Kidiaba, quicando com bumbum no chão.

- Em 2013, era esperado que o Atlético-MG, dirigido por Cuca e com Ronaldinho Gaúcho, chegasse à final do Mundial. Mas o Galo perdeu de 3 a 1 para o time de Marrocos.

- Outro campeão de Libertadores que deu vexame foi o Atlético Nacional, derrotado pelo Kashima Antlers, do Japão, por 3 a 0, em 2016.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS