X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

“Crianças têm de aprender a cumprir acordos desde cedo”, diz educadora

| 21/03/2021 16:24 h | Atualizado em 21/03/2021, 16:37

Aline De Rosa afirma que a disputa de poder é dolorosa para pais e filhos
Aline De Rosa afirma que a disputa de poder é dolorosa para pais e filhos |  Foto: Juliana Parisi / Divulgação
Firmar acordos soa como “coisa de adulto”. Porém, é eficaz também na construção de uma relação parental clara e respeitosa. Os “combinados” permitem aos pais delimitarem limites aos filhos, inibem birras, fazem com que as crianças se sintam consideradas, e fortalecem o diálogo e a confiança mútua.

Ainda que os pequenos não saibam falar completamente, é possível educá-los a cumprir acordos desde cedo. É o que orienta a educadora parental Aline De Rosa.

O empenho para garantir o sucesso dos acordos deve ser maior por parte dos pais, que não podem ceder a birras e manhas. Além disso, eles ainda têm de estar preparados para acolher e lidar com as frustrações dos pequenos.

Imagem ilustrativa da imagem “Crianças têm de aprender a cumprir acordos desde cedo”, diz educadora
“Se não tem certeza de que é uma situação na qual vai conseguir cumprir o acordo, pode acabar cedendo. Não combine nada”, enfatiza a educadora.

Os acordos são uma ferramenta utilizada na disciplina positiva, que busca entender as motivações dos “maus comportamentos” das crianças e acolher seus sentimentos ao mesmo tempo que impõe limites. Crê que o comportamento dos pequenos tende a melhorar quando eles sentem emoções positivas.


ENTREVISTA | Aline de Rosa, educadora


A Tribuna – Quais são as vantagens de fazer acordos com os filhos?
Aline De Rosa – Normalmente, na educação convencional, os pais têm o impulso de ordenar. É uma relação unilateral em que o pai dá a ordem e espera obediência.

De acordo com o princípio do desenvolvimento humano, todos precisam se sentir úteis, aceitos e importantes. Quando se espera obediência, a ordem não faz com que a criança se sinta dessa forma.

O acordo envolve a criança quando os pais olham nos olhos, perguntam como os filhos estão se sentindo e fazem o “combinado”, considerando-os.

A consequência é que a relação se torna mais leve, acolhedora e amorosa. Bem mais do que quando pais e filhos vivem em embate e conflito, em que o adulto espera obediência cega. A disputa de poder é desgastante e dolorosa para pais e filhos, e nenhum pai quer fazer mal ao filho.

A partir de que idade a criança já tem compreensão suficiente sobre acordos?
A partir de um ano ou um ano e meio. Ela não tem compreensão de detalhes tão complexos, mas entendem alguns comandos. Dentro da capacidade de resposta delas, ainda poderia ter birra e descumprimento. Cada criança vai responder aos acordos dentro das limitações de sua faixa etária.

Seja o filho mais novo (com 1 ou 2 anos) ou mais velho (com 6 ou 7 anos), o cumprimento dos acordos melhora com o tempo, na medida em que os pais são consistentes em fazer o que combinam. Filhos aprendem pelo exemplo dos pais.

Em quais situações aplicar acordos?
Um exemplo prático: Se vamos ao shopping e já sei que lá meu filho vai querer comprar mil coisas e ainda lanchar. Se eu acredito que dá para fazer lanche durante a ida ao shopping, ouso propor: “Vamos fazer um acordo. Se você ficar tranquilo, vamos fazer um lanche lá. O que acha? O que gostaria de comer?”.

No acordo existe uma troca, em que se combina algo previamente. Os pais têm como prever certos comportamentos, então já envolve a criança no que está por vir e a prepara para os limites.

O acordo traz um olhar sobre a educação firme e gentil, em que observo limites, envolvo meu filho e permito que ele tenha voz ativa.

Quando o pai pergunta o que a criança quer, ela entende que o adulto está preocupado com o que ela pensa e se sente valorizada.

As vontades da criança então são consideradas?
Sim. Mas não há permissividade. Não é a criança quem decide o que ela quer. Eu, como mãe, digo qual é o limite. No exemplo do shopping, digo que não vai ter compra; no máximo um lanche. No lanche, deixo que ela escolha o que quer comer. A vontade dela é dentro do que eu permito.

Como agir quando a criança não cumpre com o combinado?
Já é esperado que a criança não cumpra o acordo de início. A tendência é que quanto há mais consistência no comportamento do pai, mais a criança irá cumpri. Se o pai combina e cumpre, depois de alguns meses a criança vai entender que o que o pai fala e ele faz, então ela vai começar a cumprir.

Se ainda está em um momento de transformação do comportamento e a criança ainda não tem certeza de que o pai vai cumprir o acordo, é natural que ela queira descumprir. E faz isso até de forma de desafio, que não é malicioso e nem por mal. É da criança buscar testar o limite da vida. “Quando choro e faço birra, o limite permanece?”. A criança precisa dessa segurança.

O que é importante para que o acordo seja bem-sucedido?
O ponto principal para que o acordo seja cumprido é o acompanhamento. Fazer o acordo é o mais fácil. O difícil é quando a criança pede, fazendo aquela carinha manhosa, chora ou grita... Aí cabe acolher a frustração e se manter firme no que você combinou.

No exemplo do shopping, se quando chega lá a criança pede algo diferente, como um sorvete, há três situações: A primeira é agir como se não tivesse o combinado e ceder. A segunda é a reação de raiva. A terceira, a que propomos, é o caminho do meio, de agir de modo firme e gentil.
Nesse terceiro caso, eu digo: “Entendo que chegou aqui e ficou com vontade, mas o que tínhamos combinado mais cedo?”. Então, eu acolho o sentimento ao mesmo tempo em que faço com que reflita sobre o acordo.

Se continuar teimando que quer sorvete, agora eu repito qual era o combinado com clareza. Se a criança se mantiver nervosa, eu a acalmo. Não vou dar o sorvete e tampouco gritar e humilhar.

Imagina a criança passar por uma situação como essa em um local com outras pessoas? Então devo acolher e retirá-la. Eu a pego no colo e saio dali. Digo que está tudo bem e que ela pode chorar. Com o tempo, ela vai respirando com mais calma. Então converso com ela e relembro o acordo.

Então não cabe punição?
No final, acolhendo as frustrações da criança e se mantendo firma na decisão, o combinado será cumprido.

Há alguma situação em que os pais podem ceder?
Dentro da educação firme e gentil, não. Se o pai combina algo, deve cumprir. Quando cede, está sendo permissivo. Se não tem certeza de que é uma situação que vai conseguir cumprir o acordo e pode acabar cedendo, não combine nada! Simplesmente siga em silêncio e avalie na hora.

Os pais podem conversar com o filho e eventualmente mudar de ideia quando o filho propõe algo. Mas quando estamos falando de acordo, tem que ser cumprido!

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS