search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Em busca da vacina milagrosa
Doutor João Responde

Em busca da vacina milagrosa

Vivendo entre o sonho e a realidade, ninguém é imune à sentença do tempo. A ansiedade é inimiga mortal da nossa paz. A paz é amiga vital da nossa saúde.

Estamos atravessando um período dramático. Acostumada com o amparo da ciência, nossa geração apenas ouvia falar sobre doenças com envolvimento global. Peste de justiniano, peste negra e gripe espanhola, lembram distantes pesadelos da humanidade.

Quando, através de contaminação sustentada, uma determinada doença se espalha pelo mundo, estamos diante de uma pandemia. É importante salientar que o fator determinante não é a gravidade da doença, e sim o seu poder de contágio e sua proliferação geográfica.

Apesar de vital, a vacinação já provocou caos, como aconteceu no Rio de Janeiro, em 1904, durante uma epidemia de varíola. Por falta e informação, a população protestou contra as medidas do governo. Ainda assim, a vacinação prosseguiu e o resultado foi de absoluto sucesso.

Em 2018, o inimigo era a febre amarela. Acotovelando-se em enormes filas, todos queriam tomar a vacina. Muitas pessoas que estavam fora das áreas de risco achavam que poderiam morrer se não fossem vacinadas imediatamente.

Hoje, unidos pelo mesmo pensamento, seres do mundo inteiro acompanham o trabalho silencioso dos cientistas, tentando descobrir o ponto fraco do coronavírus. Nunca se clamou tanto pelo aparecimento de uma vacina capaz de nos proteger desse invisível inimigo.

Vacinas são substâncias constituídas por agentes patogênicos. Elas estimulam o sistema imunológico a produzir anticorpos contra elementos causadores de infecções. Vacinas são seguras e causam poucas reações adversas, sendo leves e de curta duração.

Quando alguém entra em contato pela primeira vez com um infectante, o organismo inicia a produção de anticorpos para combatê-lo.

As vacinas atuam por meio da chamada “memória imunológica”. A introdução do patógeno, morto ou atenuado, estimula o sistema imune a produzir anticorpos. Posteriormente, quando a pessoa infectar-se com aquele agente, seu organismo produzirá uma resposta imunológica para destruí-lo.

As vacinas são a principal forma de prevenção contra diversas enfermidades. Elas não protegem apenas o indivíduo que foi imunizado, mas toda a comunidade. Ao ser vacinado, o indivíduo não adoece e não se torna  vetor de uma doença, transmitindo-a a outras pessoas.

Quanto maior a quantidade de pessoas imunizadas, menor a chance de uma patologia se desenvolver na comunidade.

Muitas doenças já foram banidas graças à vacinação, como a paralisia infantil, erradicada em 1989. No entanto, a falta de vacinação faz com que muitas enfermidades voltem a circular, como ocorreu com o sarampo, que havia sido eliminado em 2016, mas voltou a se manifestar em 2018, gerando novos casos de infecções.

Não existe remédio para nos livrar de tudo, mas a esperança serve de vacina para nos consolar.
Assim que a ciência fincar raízes, o tempo nos trará a cura em suas asas.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Não existe vida sem proteína

O principal alimento do corpo é a proteína. Além dos animais, isso acontece também com as plantas. Adubação com nitrogênio, potássio e fósforo vem garantindo que “Araketu”, o pé de araçaúna que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A memória eterniza o tempo

O passado é o presente que sobreviveu na memória humana. O cérebro executa atividades para adquirir, armazenar, reter e recuperar informações. A memória é parte integrante da cognição humana, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vacina contra o vício da cocaína

Estamos vivendo de uma perversa “pandemia” de drogas, em que milhares de pessoas abandonam esperanças e se agarram em ilusões. Um dos mais perigosos “patógenos”, destruidor de mentes e de corpos, é a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tipos de imunização

Nosso organismo é sistematicamente bombardeado por substâncias estranhas. Alguns desses antígenos são capazes de desencadear resposta imune, ou seja, a produção de anticorpos que defenderão o corpo …


Exclusivo
Doutor João Responde

Regulação da glicose no sangue

A regulação da glicose no sangue depende basicamente de dois hormônios: glucagon e insulina. A ação do glucagon é estimular a produção de glicose pelo fígado, e a da insulina é bloquear essa …


Exclusivo
Doutor João Responde

Atitudes contra a sobrevivência

Mesmo neste momento dramático da pandemia, com recorde de casos e de mortes diárias e num estágio em que quase todo mundo conhece alguém que morreu por causa da doença, proliferam comportamentos que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A tortura da coluna travada

Estima-se que uma expressiva quantidade de pessoas tenha ao menos um episódio de dor na coluna, ao longo da vida. Em alguns casos, ela surge de forma tão intensa que deixa o indivíduo impossibilitado …


Exclusivo
Doutor João Responde

Perda de olfato

Anosmia é uma condição que corresponde à perda total ou parcial do olfato. Essa alteração pode estar relacionada com situações temporárias, como acontece durante uma gripe ou resfriado. Pode …


Exclusivo
Doutor João Responde

Efeito rebote de medicamento

Do mesmo jeito que uma bola volta a saltar quando a jogamos, os sintomas de uma doença podem reaparecer quando cessa o efeito daquilo que inicialmente a aliviou. Essa reversão da resposta, após a …


Exclusivo
Doutor João Responde

A sede lembra o valor da água

O ser humano não vive sem oxigênio, água ou alimento. Quando um destes falta ou escasseia, sua sobrevivência fica seriamente ameaçada. Nosso organismo não consegue ultrapassar quatro minutos sem …