search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Diagnóstico precoce reduz efeitos da endometriose
AT em Família

Diagnóstico precoce reduz efeitos da endometriose

Por Maraiza Silva

Não há data mais oportuna que o Dia Internacional da Mulher, comemorado hoje, para falar sobre uma doença que acomete pelo menos uma a cada 10 mulheres: a endometriose. Mais comum do que se imagina, o problema geralmente tem diagnóstico tardio, o que traz complicações para a saúde feminina.

Técnica da Bio Scan realiza ressonância em paciente. Essa é uma das formas de descobrir endometriose (Foto: Divulgação / Bio Scan)
Técnica da Bio Scan realiza ressonância em paciente. Essa é uma das formas de descobrir endometriose (Foto: Divulgação / Bio Scan)

De acordo com a médica radiologista da Bio Scan, Livia Cesana Meyrellis, há casos em que mulheres demoram até 10 anos para descobrir a endometriose.

Ela explica que o endométrio é a camada interna do útero que fica mais espessa todos os meses quando se prepara para receber um óvulo fecundado. Quando não ocorre a fecundação, a camada espessa se desfaz e os resíduos são eliminados na menstruação.

A endometriose acontece quando o tecido do endométrio se implanta em outras partes do organismo da mulher, fora do útero, o que provoca inflamações.

"Muitas vezes o uso contínuo de anticoncepcional mascara os sintomas da doença, entre eles, cólica intensa e infertilidade”, diz a médica radiologista da Bio Scan Livia Cesana Meyrellis (Foto: Divulgação)
"Muitas vezes o uso contínuo de anticoncepcional mascara os sintomas da doença, entre eles, cólica intensa e infertilidade”, diz a médica radiologista da Bio Scan Livia Cesana Meyrellis (Foto: Divulgação)
Quanto mais se demora a descobrir a doença, mais o organismo pode ser tomado por inflamações.

“Muitas vezes o uso contínuo de anticoncepcional mascara os sintomas da doença, entre eles, cólica intensa e infertilidade. Somente quando tentam engravidar e não conseguem, algumas mulheres têm o diagnóstico”, explicou.

E não é qualquer exame que identifica as lesões. “É necessário fazer uma ressonância ou ultrassonografia com preparo intestinal para dar o diagnóstico”, disse.

A médica ponderou que a doença também pode provocar dor intensa ao evacuar, por também provocar lesões no intestino, ou dor na relação sexual. “Sentir dor pélvica crônica não é normal. É aconselhável que a mulher busque um bom ginecologista para ser examinada e assim realizar exames que sejam adequados para o diagnóstico da endometriose”, alertou.

Livia comentou ainda que as causas da endometriose ainda não são bem definidas, mas que fatores genéticos e ambientais podem contribuir. “Geralmente a doença é de sete a 10 vezes mais comum em filhas ou irmãs de mulheres com endometriose”, revelou.

A médica pontuou que a doença pode ser controlada, sobretudo quando descoberta cedo, e que a laparoscopia (cirurgia por vídeo) é a mais indicada para a correção do problema. “No exame, a gente identifica a localização e a extensão exata das lesões, para que o melhor procedimento seja adotado pelo cirurgião”, apontou Livia.


SAIBA MAIS
Endometriose


O que é

  • É uma doença ginecológica definida pelo desenvolvimento e crescimento de estroma e glândulas endometriais fora da cavidade uterina, o que resulta numa reação inflamatória crônica.
  • É diagnosticada quase que exclusivamente em mulheres em idade reprodutiva.
  • Mulheres que já entraram na menopausa representam somente de 2% a 4% de todos os casos submetidos a laparoscopia por suspeita de endometriose.
  • Estima-se uma taxa de prevalência em torno de 10%, ou seja, uma em cada 10 mulheres tem endometriose.
  • Em mulheres inférteis, estes valores podem chegar a índices altos (de 30% a 60%).

Sintomas

  • As apresentações clínicas mais comuns são infertilidade e dor pélvica, dismenorreia (cólica antes ou durante a menstruação) e dor durante o ato sexual. Também podem ocorrer dores ao evacuar, quando a doença atinge o intestino.

Diagnóstico

  • É feito por meio de ressonância magnética ou ultrassonografia com preparo intestinal.

Tratamento

  • A escolha do tratamento depende da gravidade dos sintomas, da extensão e localização da doença, do desejo de engravidar e da idade da paciente. Pode ser medicamentoso, cirúrgico ou a combinação de ambos.
  • A eficácia dos tratamentos tem sido medida por avaliações da melhora da dor e das taxas de fertilidade.
  • Todos os tratamentos hormonais reduzem a dor atribuída à endometriose quando comparados com placebo.
  • O principal foco do tratamento medicamentoso é a manipulação hormonal com intenção de produzir pseudogravidez, pseudomenopausa ou suspensão da ovulação crônica, criando um ambiente inadequado para o crescimento e a manutenção dos implantes da endometriose.
  • Para mulheres com infertilidade, não se justifica o tratamento hormonal com eliminação da ovulação.

Cirurgia

  • A consulta cirúrgica, com cauterização dos focos, mostra-se eficaz para o tratamento de infertilidade secundária à endometriose.

Fonte: Ministério da Saúde.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados