Login

Atualize seus dados

Isolamento aumenta uso de drogas e depressão

16/06/2020 17:28:00 min. de leitura

O isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus tem revelado alguns problemas emocionais em adolescentes, como a depressão. Além disso, especialistas afirmam que está ocorrendo também o aumento do uso de drogas.

Imagem ilustrativa da imagem Isolamento aumenta uso de drogas e depressão
O psiquiatra Vicente Ramatis orienta os pais a evitarem o confronto. “É hora de restabelecer regras”, destacou Foto: Dayana Souza/AT
Em muitos casos, segundo os especialistas, o desenvolvimento de depressão e transtorno do humor, assim como o uso de drogas lícitas e ilícitas, acaba resultando em conflitos familiares.

O psiquiatra Vicente Ramatis afirmou que o distanciamento social aumentou o consumo de maconha e casos de depressão. “Na pandemia, os pais estão percebendo que os filhos usam drogas ou estão com depressão. É uma situação que, normalmente, é delicada de ser resolvida”.

Um dos casos atendidos pelo médico é de um jovem que estudava em casa para o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), mas no início da pandemia seus pais perderam o emprego.

“Eles se deram conta de que o filho ficava muito tempo trancado no quarto. Com uma semana de isolamento, esse jovem estava muito irritado e confessou aos pais que queria comprar maconha”.

O médico ressaltou que os pais devem ter cuidado no confronto. “Não é que esse responsável tem de ser permissivo. Pelo contrário, é hora de restabelecer regras, procurando até por tratamento”.

Doutor em dependência química, o psicanalista Francisco Veloso contou que, além do aumento de uso de drogas, já recebeu casos de adolescentes que, devido ao estado de agitação na pandemia, tiveram permissão dos pais para usarem a maconha dentro de casa.

“Acontece é que os adolescentes estão na fase de rebeldia, acham que estão certos e que a pandemia é bobagem”, disse.

A maconha, de acordo com o psicanalista, é escolhida por ter um efeito relaxante, além de poder ser adquirida por meio de delivery. “Há casos em que a droga é entregue na porta de casa”, relatou.

O psiquiatra Valber Dias destacou que o isolamento também tem revelado o uso esporádico, que alguns adolescentes fazem, de álcool e cigarro, além da maconha. “Esses jovens acham que a maconha é natural e, por isto, não oferece riscos, mas ela pode causar dependência”, ressaltou.

Ajuda para a saúde mental

Para enfrentar os problemas com as drogas em casa e depressão, os pais devem ajudar os filhos a manter a saúde mental, de acordo com especialistas.

Presidente da Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil e Profissões Afins (Abenepi) no Estado, a psiquiatra infantil Fernanda Mappa destacou que os pais devem estar próximos dos filhos.

"Costumo brincar com os pais que nenhum adolescente 'virou adolescente' da noite para o dia, foi um processo. Então, nesse processo de adolescer, os pais precisam buscar essa aproximação, mesmo que seja à distância, uma espécie de liberdade vigiada. Alguns acordos precisam ser pactuados, e devem sempre ser repactuados quando necessário”.

Imagem ilustrativa da imagem Isolamento aumenta uso de drogas e depressão
Tassiane orienta impor limites Foto: Divulgação
A psicóloga Tassiane Kunsch aconselhou aos pais a conversarem mais com seus filhos.

“Apresente outros caminhos. O mais importante é afastá-lo das drogas e apresentar atividades para que ocorram mudanças de hábitos. Inclua atividades físicas, estudos e novos ciclos de amizades como incentivo”, orientou.

Tassiane frisou que os pais não devem facilitar o consumo de drogas.

“Impor limites é uma forma de dificultar o uso e o convívio com outras pessoas que também utilizam a droga. Também é importante pedir ajuda, sendo que em algumas clínicas existem equipes multidisciplinares que tratam conjuntamente as drogas”.

Exemplo
Ajudar os filhos a enfrentarem a depressão e o uso de drogas requer outros esforços dos pais.
Psicanalista e doutor em dependência química, Francisco Veloso ressaltou que os filhos podem achar que usar drogas é normal, já que os pais estão fazendo alto consumo de álcool.

O psiquitra Vicente Ramatis frisou que muitos adolescentes têm presenciado o alto consumo de bebidas alcoólicas em casa pelos pais. “Os pais devem ser exemplos para a família”.

OPINIÕES

Imagem ilustrativa da imagem Isolamento aumenta uso de drogas e depressão
Valber Dias, psiquiatra e Francisco Veloso, psicanalista Foto: Jornal A Tribuna

"A maconha ganha força entre os adolescentes por parecer algo isento
de efeitos ruins” - Valber Dias, psiquiatra

"Os adolescentes estão nervosos com essa pandemia, e eles têm a maconha como um relaxante” - Francisco Veloso, psicanalista


SAIBA MAIS


Maconha pode ser gatilho para o pânico

Drogas e depressão
> Especialistas afirmam que está ocorrendo aumento do uso de drogas e casos de depressão entre adolescentes, durante a pandemia.
> O isolamento pode agravar a depressão ou desencadeá-la.
> Outros transtornos, como ansiedade, pânico e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDHA), podem ser manifestados neste período de isolamento.
> Já as drogas lícitas e ilícitas são usadas, muitas vezes, como válvulas de escape. Dentre elas, se encontram uso de álcool, cigarro e maconha.

Imagem ilustrativa da imagem Isolamento aumenta uso de drogas e depressão
Uso de maconha afeta a memória Foto: Divulgação
Efeitos
> O uso da maconha pode ser o gatilho para vários transtornos psiquiátricos como ansiedade e pânico. Seu uso também aumenta de sete a oito vezes a possibilidade de alguém ter doenças psicóticas, como esquizofrenia.
> Ela ainda afeta a memória, podendo causar perda de cognição. O uso continuado leva à disfunção erétil.

Sinais
> Os pais e responsáveis devem estar atentos aos filhos, observando comportamentos como: sonolência ou falta de sono, perda ou aumento de apetite, irritabilidade, agressividade, tristeza, alterações de humor.
> São sintomas que podem se apresentar em casos de depressão ou uso de drogas.

Ajuda
> Em ambos os casos, os pais devem procurar ajuda de profissionais, além de conversarem com seus filhos e mostrarem que estão presentes para ajudá-los.

Fonte: Especialistas consultados.