Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Brasil tem uma morte por minuto e passa a Itália

| 05/06/2020 10:35 h | Atualizado em 05/06/2020, 12:00

Imagem ilustrativa do COVID-19 (novo coronavírus)
Imagem ilustrativa do COVID-19 (novo coronavírus) |  Foto: Cadu Rolim / Agência Estado
O Brasil registrou nas últimas 24 horas 1.473 mortes por coronavírus, além de 30.925 novos casos de coronavírus em 24 horas, segundo o Ministério da Saúde. Ao todo, são 34.039 mortes e 614.941 casos confirmados no País.

Com isso, o Brasil registrou mais de uma morte por minuto nas últimas 24 horas. O País passou a Itália em número de mortes acumuladas devido ao coronavírus –o país europeu registrava 33.689 óbitos pela doença, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

O dia de ontem foi o segundo seguido com recorde em mortes. Na quarta-feira, foram registrados 1.349 óbitos em 24 horas.

Questionado por que o ministério não divulgava mais previsão do pico da pandemia no Brasil, o secretário substituto de Vigilância em Saúde do ministério, Eduardo Macário, criticou a divulgação de “recorde de mortes” e a classificação em rankings dos países. As críticas foram veiculadas um dia após o registro de 1.349 óbitos em 24h.

Macário ressalta que o dia mais problemático para o País – quanto à data das mortes, até o momento, foi 12 de maio, quando morreram 650 pessoas por Covid-19.

“Não é possível prever quando vai ser o pico. Se eu soubesse, seria fácil agir”, afirmou Macário, acrescentando que é difícil perceber a verdadeira taxa de contágio do novo coronavírus. Além disso, ele afirma que os modelos matemáticos são feitos com bases diferentes, sem que haja uma comprovação de qual seria mais confiável.

Gráficos apresentados pelo Ministério da Saúde – com referências às duas semanas anteriores à atual – mostram que nenhuma região brasileira apresenta indícios de estabilização, tanto na quantidade de novos casos como de mortes. Por outro lado, Macário apontou que alguns estados brasileiros mostram os primeiros sinais de estabilização e queda. O caso mais visível é Pernambuco.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS