X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Volta às aulas sem choro na porta da escola

| 07/02/2020 14:32 h | Atualizado em 07/02/2020, 14:59

A insegurança das crianças, o choro na porta da escola, a reação aos novos amiguinhos, a sofrida troca de sala e de professor, a nova rotina… Esta primeira semana de fevereiro marca a volta às aulas, e, com ela, chegam as preocupações dos pais. Tudo é motivo de angústia, principalmente em relação às crianças entre 2 e 6 anos.

A enfermeira Julia Belz Tibeiro, de 30 anos, é mãe de Joana, 3, e Benício, de 1 ano e 5 meses. Para ela, após o período de férias escolares foi difícil se separar dos filhos por conta do trabalho e da rotina das crianças, que agora precisam ir à escola.

"Joana entrou na creche com 5 meses. Como ela era muito nova, foi bem fácil o período de adaptação. Mas a dificuldade foi para mim, que tinha que ir trabalhar e me afastar da minha filha. Já o Benício começou esta semana e já entende tudo, por ser maiorzinho. Só que ele chorou e teve uma certa resistência. No fundo, acredito que o choro é mesmo uma forma de se despedir de mim", comentou a mãe.

Quem também sofreu foi a farmacêutica Thais Ferrari, de 33 anos. Mãe da pequena Maria Luísa, de 2 anos, ela se planejou bastante para o momento de deixar a filha na escola pela primeira vez.

Thais com a pequena Maria Luisa, 2 anos
Thais com a pequena Maria Luisa, 2 anos |  Foto: Divulgação
"O assunto 'creche' e 'escola' era distante dos meus pensamentos, pois eu tinha medo de tudo que ouvia falar, como acidentes e doenças. Então prorroguei o máximo que pude. Fui deixando esse sentimento de lado e acabei sendo surpreendida esta semana com uma criança feliz e realizada por estar indo para a escola todos os dias. Ela se despede dando tchau e mandando beijo", lembrou Thais.

A terapeuta familiar e psicóloga Jaqueline Rocha explica que, apesar de ser um momento marcado por ansiedade e medo por parte dos pais, uma vez que é uma ruptura, é preciso entender que a separação é um processo necessário para o desenvolvimento e amadurecimento da criança.

"A adaptação escolar é um processo natural da construção de vínculos entre a família e a escola. O fato da criança chorar não significa que ela não esteja bem naquele espaço porque cada criança tem sua forma de enfrentar as situações, e os pais têm papel fundamental nesse processo", alertou a psicóloga.

Algumas dicas para facilitar a adaptação escolar:

- Escolha uma escola/creche que se aproxime do que a sua família acredita. Fique atento ao ambiente acolhedor, didática e profissionais capacitados para trabalhar com crianças;

- Converse previamente com seu filho(a) como será a rotina dele. Apresente o ambiente escolar, mostre que o lugar é seguro e atrativo;

- Nos primeiros dias de aula, a criança pode ficar com comportamento diferente em casa. É esperada uma reação à mudança, medo, frustração, irritação. Se isso acontecer, reforce que a escola é importante e que há muito que aprender e muitos amiguinhos para conhecer.

- No caso de troca de escola, a criança pode sentir e ficar triste pela distância dos antigos amiguinhos e professores. Tenha paciência e converse bastante, explicando que novas amizades vão surgir.

- Como a rotina será alterada, fique atento ao dormir mais cedo, regular os horários de alimentação e de brincadeiras em casa.

- Nos primeiros dias, se considerar necessário, fique na escola/creche, até que o pequeno esteja mais confortável. Fale com a criança que você estará no pátio esperando, mas esteja lá quando ela sair;

- Para os pais que não podem se ausentar do trabalho e a adaptação do filho(a) está difícil, peça ajuda de parentes para aguardar a criança ou explique ao chefe o momento delicado e que, dependendo do dia, pode precisar sair às pressas;

- Não saia escondido. Sempre se despeça do seu filho(a);

- No caso de bebês, é interessante levar algo de casa que transmita segurança, como a “naninha” ou o brinquedo favorito;

- Se a criança já anda, deixe que ela entre caminhando na escola, inclusive levando a própria mochila. Se ainda é bebê, passe-o para o colo da professora e se despesa com carinho;

- Uma forma de tornar a chegada à escola mais atrativa é inserir a criança na compra dos materiais escolares.

- Envolva-se com os outros pais da turma. Compartilhar experiências vai mostrar que você não está sozinho nessa adaptação.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS