X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Vitória e Serra somam 2.139 acidentes de trânsito no ES este ano

Nas duas cidades foram 2.139 acidentes somente este ano, ocasionando 31 mortes e acendendo um alerta de perigo para as vias

Rafael Gomes, do jornal A Tribuna | 19/07/2022 17:29 h

Avenida Fernando Ferrari também está na lista das vias que precisam de atenção redobrada
Avenida Fernando Ferrari também está na lista das vias que precisam de atenção redobrada |  Foto: Douglas Schineider/AT
 

O trânsito de Vitória e da Serra é responsável por cerca de 60% dos acidentes registrados na Região Metropolitana.

Foram 2.139 acidentes somente este ano, ocasionando 31 mortes e acendendo um alerta de perigo para as vias mais perigosas. 

Na Serra, que lidera o ranking estadual de acidentes, a via mais perigosa é a avenida Norte Sul, segundo a prefeitura. Ela é uma das mais movimentadas da cidade, pois sai de Vitória e atravessa bairros como Jardim Limoeiro e Laranjeiras. 

Foi lá que um motociclista de apenas 22 anos morreu na semana passada, após perder o controle da direção, bater contra o meio-fio e atingir a parede de uma loja.

Ainda na Serra, outras quatro vias aparecem na preocupante lista de acidentes: ES-010,  avenida Brasil, BR-101 e avenida Brasília. Segundo a prefeitura, a imprudência  é o principal motivo de tantos acidentes, com destaque para o excesso de velocidade, o não cumprimento da sinalização e o uso do celular.

Já na capital, o endereço do perigo é a avenida Dante Michelini, na orla da Praia de Camburi. Este ano, dois acidentes chamaram a atenção por lá: o carro que capotou e derrubou um poste na Mata da Praia, deixando toda a região sem energia, e o atropelamento que resultou na morte da ciclista Luísa Lopes, de 22 anos.

Avenidas como Fernando Ferrari, Desembargador Santos Neves e Vitória também aparecem na lista das mais perigosas, segundo a prefeitura. Na tentativa de reduzir o número de acidentes, a administração municipal fez um mapeamento levando em conta o número de ocorrências e o índice de infrações, com objetivo de reforçar a fiscalização.

“Identificamos os locais que mais precisavam da presença da guarda. Isso já tem inibido o excesso de velocidade e a imprudência, que são as principais causas de acidentes. Além disso, estamos fazendo fiscalização dentro dos bairros, e não só nos locais mais tradicionais, como saída de praias e bares”, ressaltou o gerente de Operações e Fiscalização no Trânsito de Vitória, Brunno Xavier.

De acordo com Brunno, essas ações já surtem resultado, reduzindo o número de acidentes. No comparativo entre janeiro e junho deste ano e do ano passado, o índice de ocorrências caiu 33,7%.

Capital pode ter radares 

Única capital entre as regiões Sudeste e Sul do País que não tem radar de velocidade, Vitória estuda a instalação dos equipamentos. 

A colocação dos radares não vai acontecer de imediato, mas a análise de viabilidade está sendo feita pela prefeitura, segundo o  gerente de Operações e Fiscalização no Trânsito de Vitória, Brunno Xavier.

“Essa possibilidade vem sendo estudada por conta de alguns acidentes nos principais corredores, como a própria avenida Dante Michelini e a avenida Fernando Ferrari. Nessas vias, a velocidade máxima não vem sendo obedecida por muitos motoristas”, ressaltou Brunno.

O gerente da prefeitura ressalta, entretanto, que a análise para a instalação do radar não leva em conta somente o índice do desrespeito ao limite de velocidade. 

“É preciso analisar a real necessidade do controlador de velocidade  e avaliar os problemas, já que um radar pode causar congestionamento e até mesmo acidentes, dependendo do local”.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS