X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Turistas são orientados a deixar praias para não aproximar Estado do lockdown

| 11/06/2020 20:00 h

Turistas e banhistas estão sendo orientados a deixar as praias da Grande Vitória para que o Espírito Santo não se aproxime da necessidade de “lockdown” (bloqueio total).

O governador do Estado, Renato Casagrande, anunciou que isso vai acontecer se a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) atingir 91% - atualmente está em 85,57%.

Nesta quinta-feira (11), feriado de Corpus Christi, agentes municipais e militares da Polícia e do Corpo de Bombeiros percorrem praias de Vitória, Serra, Vila Velha, Fundão, Guarapari, Anchieta e Piúma, numa ação denominada Operação Covid-19.

Os frequentadores foram abordados e orientados a ir para casa por conta do risco de contaminação.

Ação do Corpo de Bombeiros em Anchieta
Ação do Corpo de Bombeiros em Anchieta |  Foto: Divulgação/Sesp

Com o dia ensolarado, praias como Praia da Costa, em Vila Velha, Curva da Jurema, na capital, e Enseada Azul, em Guarapari ficaram cheias. Na Praia do Morro, um casal que veio de Minas Gerais foi abordado na areia e decidiu deixar o local. O empresário Geovani Inácio Rocha, 56, contou que não tinha conhecimento das recomendações.

“Chegamos ontem (quarta-feira), e não estávamos sabendo do decreto. Gostaríamos, sem dúvida, de continuar na praia, mas como não pode, o jeito é curtir da varanda do apartamento mesmo”, disse o empresário.

Contaminação

Especialistas apontam que a possibilidade de contágio aumenta na praia por conta do vento e da aglomeração.

“O aumento da taxa de ocupação dos leitos está diretamente ligada ao aumento do número de casos. Na praia, sabemos que as pessoas não usam máscaras e não respeitam os dois metros de distância. É um local que favorece a transmissão”, explicou a infectologista Martina Zanotti.

O subsecretário da Guarda Civil Municipal de Vitória, Evandro Sipolatti, contou que nem todos os banhistas obedeciam as orientações. “A legislação não permite a retirada das pessoas, mas é preciso mais consciência delas para não aumentar o nível de contaminação e ocupação de leitos”, afirmou.

Professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), o infectologista Crispim Cerutti ressaltou que esse comportamento é um risco neste momento da pandemia. “Estávamos quase em equilíbrio entre oferta e demanda de leitos, mas, dessa forma, nos aproximamos da superlotação, já que pode haver mais demanda do que oferta”, afirmou.

Caso seja necessário decretar, o “lockdown” no Estado proibirá a circulação de pessoas pessoas entre 21h e 5h, prevê multa para quem desrespeitar as restrições e estabelece um rodízio da saída da população às ruas de acordo com o número final do CPF.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS