X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Instagram lança ferramenta antivício após críticas

O novo serviço está disponível na aba "Sua atividade", no menu lateral do aplicativo


Mergulhado em polêmicas desde o vazamento de documentos internos por uma ex-funcionária, o Instagram lançou na semana passada uma ferramenta que visa auxiliar os usuários que acreditam estar fazendo um uso abusivo da rede social: a Faça uma Pausa.

O novo serviço está disponível na aba "Sua atividade", no menu lateral do aplicativo. O usuário pode programar lembretes para fazer pausas a cada 10, 20 ou 30 minutos.

O lançamento vem após documentos mostrarem que o grupo estava ciente de que o Instagram é potencialmente danoso para a saúde mental de meninas adolescentes, de acordo com reportagem publicada pelo Wall Street Journal.

"Todos esses recursos que visam o uso consciente de tecnologia são válidos", afirma a psicóloga e professora da UFRJ Anna Lucia Spear King, uma das responsáveis pelo Delete, núcleo de detox digital da universidade.

A psicóloga diferencia o uso abusivo do transtorno. "Todo mundo, só porque usa uma tecnologia por muitas horas, se acha viciado, mas as pessoas são, na verdade, mal-educadas a usá-la", diz.

No núcleo, os interessados recebem algumas instruções para ter uma relação mais saudável com o celular: reduzir o uso diário, respeitar as horas das refeições e desligar uma hora antes de dormir são algumas delas.

São medidas do conhecimento de grande parte da população, que enfrenta dificuldade na hora de colocá-las em prática.

"As redes sociais agem como um jogo no nosso cérebro", afirma a psicóloga. "Esse jogo libera dopamina, endorfina e serotonina, substâncias químicas que dão prazer. Por isso que a gente quer voltar a acessar."

Os usuários, muitas vezes, não sabem por que não conseguem diminuir o hábito. "As pessoas só sabem que elas têm que retornar àquilo para se sentir bem", diz ela.

Na impossibilidade de mudar essa realidade, é preciso tentar se educar, diz King.

Para a coordenadora de mídias e democracia do Instituto de Tecnologia e Sociedade Karina Santos, é preciso "pensar em desenhos de redes sociais que empoderem os usuários".

O conjunto de códigos de comandos que forma a engrenagem das plataformas, conhecido genericamente como "algoritmo", funciona a partir da análise do comportamento dos usuários e tem como um de seus objetivos atrair ao máximo a atenção de quem está online, para que a pessoa assim permaneça.

Dar poder de escolha ao usuário tem o potencial de conscientizar as pessoas sobre o funcionamento das redes sociais. Santos vislumbra uma rede social mais saudável se o usuário puder decidir quais informações são de seu interesse e de que forma elas serão apresentadas.

Medidas educativas como o lançamento da nova ferramenta "são um importante passo", segundo ela, mas é importante observar a implementação do serviço e testar se o design da ferramenta é eficaz em estimular uma pausa.

A gigante de tecnologia Meta, dona do Facebook, do Instagram e do WhatsApp, está sob escrutínio público desde que a ex-funcionária Frances Haugen entregou documentos internos da empresa para a imprensa, que ficaram conhecidos como Facebook Papers.

De acordo com uma das reportagens com base nesses documentos, a rede social teria sido informada de que o Instagram piorava as questões de imagem de 1 em cada 3 meninas. As adolescentes também culpavam o Instagram por problemas de ansiedade e depressão.

Questionada, a Meta afirma que "realiza esse tipo de pesquisa para fazer perguntas difíceis" e descobrir como "melhorar a experiência das pessoas". "Assim, pesquisas como essa servem para informar, por exemplo, o trabalho que fazemos relacionado a questões como imagem corporal negativa."

O Faça uma Pausa teria sido desenvolvido como parte do compromisso com experiências "positivas e significativas" na rede social. "Seguimos explorando novas ideias, como a de encorajar as pessoas a olhar para outros tópicos se elas estiverem navegando pelo mesmo tema por um tempo", afirmou um porta-voz da Meta.

Em depoimento no Congresso dos Estados Unidos em outubro do ano passado, Haugen pediu a regulamentação da empresa.

Para ganhar dinheiro com publicidade, disse Haugen, a rede social deve fazer seus membros permanecerem na plataforma o maior tempo possível, e conteúdos de ódio engajam mais, disse ela.

"Acredito que os produtos do Facebook prejudicam as crianças, intensificam a divisão e enfraquecem a nossa democracia", afirmou na ocasião. "A empresa esconde intencionalmente informações essenciais aos usuários, ao governo dos Estados Unidos e aos governos do mundo todo."

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: