X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Infecção generalizada já é a terceira causa de morte no Brasil

Especialistas dizem que ainda há falta de entendimento do paciente sobre a sepse e demora para o tratamento da doença


Imagem ilustrativa da imagem Infecção generalizada já é a terceira causa de morte no Brasil
Luis Henrique Borges: casos mais graves de pacientes em hospitais |  Foto: Arquivo/AT

Reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma crise de saúde global, a infecção generalizada (sepse) é a terceira maior causa de morte no Brasil.

No Estado, o ranking enviado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), por meio do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), aponta que ela ocupa a 42ª posição em números de óbitos.

Leia mais notícias de Cidades aqui

Mas, pela percepção de médicos entrevistados pela reportagem, a infecção generalizada está entre as principais causas de mortes no Espírito Santo.

Infectologista da Rede Meridional, Luis Henrique Barbosa Borges diz que o número de mortes é muito frequente, sobretudo em casos mais graves de pacientes que morrem nos hospitais.

“São idosos, recém-nascidos ou bebês de colo, pacientes em quimioterapia, politraumatizados, grandes queimados, pacientes em ventilação mecânica”, explicou.

Médico intensivista e emergencista e professor universitário, Adenilton Rampinelli percebe que das causas de mortes clínicas, excluindo infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC), a sepse é a maior causa de óbitos no Estado.

Rampinelli ressalta a falta de entendimento sobre a doença pelo paciente e a demora para buscar ajuda médica. “Um retardo no diagnóstico de sepse causa uma mortalidade maior”, afirma.

Infectologista da Rede Meridional, Lorenzo Nico Gavazza diz que “essa doença não respeita idade”.

O especialista informou ainda que pacientes que contém alguma imaturidade ou deficiência na imunidade, como crianças, idosos, portadores de comorbidades e imunossuprimidos, têm mais chance de evoluir com sepse, inclusive nos casos mais graves.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Urgência no diagnóstico e uso de medidas preventivas

Especialista em Medicina Intensiva e professora do curso de Medicina da Universidade Federal do Estado (Ufes), Eliana Caser, explica que a sepse quando é reconhecida numa fase mais precoce e associada a um tratamento apropriado possibilita salvar mais vidas.

“O grande desafio é entender que a sepse é uma emergência, precisamos ser assertivos no reconhecimento e no tratamento precoce”, ressalta.

Para ela, a utilização de protocolos e treinamento de equipe multiprofissional nos hospitais, mas, principalmente, nas emergências, pronto atendimento e unidades básicas de saúde podem atuar nesse atendimento assertivo na redução de agravo à saúde e mortalidade.

“Precisamos atuar nas medidas preventivas no combate à sepse, principalmente em relação à prevenção de infecções relacionadas aos cuidados de saúde (pneumonia, infecções relacionadas a dispositivos vasculares, urina, etc). Uma ação importante é a higienização adequada de mãos”, disse.

Eliana Caser faz alerta sobre o diagnóstico para evitar a evolução da sepse: “O atraso no tratamento evolui para disfunção progressiva de órgãos, o que contribui para maior mortalidade, principalmente nos pacientes mais frágeis com fatores de risco como idosos, comorbidades, imunossuprimidos”.


Saiba mais

O que é?

  • A sepse é uma infecção sistêmica que pode ser causada por bactérias, vírus e outros microorganismos. Ela pode gerar repercussões em diversos órgãos do corpo, causando falência de sistemas e instabilidade hemodinâmica que, se não tratada rapidamente, pode evoluir com quadros graves e morte.

Quais são os sintomas?

  • Além dos sintomas com o foco infeccioso, os sinais da sepse traduzem a má-perfusão sanguínea de órgãos como coração, cérebro, rins, por exemplo, geralmente são febre, sonolência ou confusão mental (no idoso), falta de ar, palpitação e/ou pulso acelerado, redução do volume urinário, extremidades frias.

Quais exames identificam?

  • É importante reunir dados clínicos e laboratoriais para o diagnóstico, mas o hemograma, lactato, gasometria arterial podem ajudar muito.

Diagnóstico precoce

  • No Estado, Adenilton Rampinelli, médico intensivista e emergencista e professor universitário, faz uma ressalva.
  • “A sepse ainda é pouco entendida pelo próprio leigo. É necessário uma maior divulgação, como acontecem em casos como AVC e infarto, que já são amplamente divulgados. Até a população leiga entende da necessidade da precocidade do diagnóstico”.
  • Segundo ele, pacientes que evoluem, por exemplo, com infecções urinárias, pneumonias e que podem já apresentar sinais de disfunção orgânico, mesmo em casa, por falta de informação, retardam a ida ao hospital.
  • “Além de investimento de conhecimento e treinamento intra-hospitalar, há a necessidade de uma política pública de informação ao público leigo do que realmente causa a sepse”, diz Rampinelli.

Fonte: médicos entrevistados.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: