X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Brincadeira, filme e jogo viram opções para substituir tarefa escolar

Além da quantidade excessiva, os métodos tradicionais do dever de casa também são criticados por alguns educadores

Lorrany Martins, do jornal A Tribuna | 10/02/2022 15:39 h

Além da quantidade excessiva, os métodos do dever de casa também são criticados por alguns educadores. Eles justificam que páginas e mais páginas de exercícios em casa, depois de um dia na escola, não estimulam a aprendizagem.  

Para mudar esse cenário, muitas escolas na Grande Vitória estão usando jogos, inteligência artificial, filmes e brincadeiras como maneiras de substituir a tradicional tarefa escolar. 

A escola precisou ressignificar o dever de casa, principalmente durante a pandemia, segundo o coordenador pedagógico da Educação Básica do Colégio Americano - Rede Doctum de Ensino, Rafael Mansur. 

“Com a pandemia, a escola passou a fazer parte da casa de cada aluno. As atividades de casa passaram para um formato mais lúdico, que pudesse explorar habilidades que aulas online, por exemplo, não conseguem explorar”.

Rafael ressalta que as mudanças no dever de casa têm sido constantes e graduais. “No ensino médio e fundamental II, por exemplo, nós utilizamos inteligência artificial, que auxilia o aluno na realização das tarefas de casa”. 

No Colégio Pio XII, a forma de elaborar as atividades mudou, segundo a diretora pedagógica Solaine Favarato Chibib, para que a criança seja capaz de realizar as tarefas sozinha, de forma autônoma, apenas com acompanhamento dos pais.

“Existem atividades em família, como entrevistas ou algo de criação, mais lúdico, que levam os pais a ajudarem. Mas é para ajudar, e não para fazerem pelas crianças”.

A pandemia também trouxe oportunidade de repensar e criar mudanças. A diretora pedagógica da Escola Monteiro, Penha Tótola, conta que, durante as aulas online, os alunos do 6º e 7º ano, por exemplo, tinham como tarefa ver um filme ou fazer uma leitura, que não poderia demandar mais do que 50 minutos.

Na Escola Americana de Vitória (EAV), não há dever de casa até o 5º ano. “A partir do 6º ano, os alunos têm atividades e também são estimulados à prática da leitura extraturno, para desenvolverem o hábito diário da leitura em casa”, explica o diretor-geral da escola, Cristiano Carvalho.

As metodologias ativas, que tornam o aluno protagonista da aprendizagem, estão presentes no dever de casa do Colégio Marista, segundo a coordenadora pedagógica da escola, Jacqueline Bruno Dias.

A fisioterapeuta Márcia Cristina Maia tem a sensação de que falta tempo para a filha brincar
A fisioterapeuta Márcia Cristina Maia tem a sensação de que falta tempo para a filha brincar |  Foto: Douglas Schneider/AT
 

Sem tempo para poder brincar

A rotina da pequena Manuella Cristina Maia Lucena, de 7 anos, é agitada. Além de estudar em período semi-integral, ela faz atividades extras durante a semana, como aulas de piano e natação, e ainda tem o dever de casa todos os dias. 

Por isso, a mãe dela, a fisioterapeuta Márcia Cristina Maia, 51, às vezes, tem a sensação de que falta tempo para a filha brincar. 

“Acho importante o dever de casa, mas poderiam diminuir a quantidade de atividades. Poderia, talvez, ser duas ou três vezes na semana. Acho importante ter, mas, quando a demanda é grande, fica complicado.  Dependendo do caso, o dever de casa se torna um problema, e a criança cresce achando que é um fardo, uma punição”, opinou.

Atividades estimulam outras habilidades

O dever de casa é uma forma didática que levanta polêmicas entre os estudiosos em Educação. Aqueles que defendem a prática garantem que, quando bem aplicadas, as lições ensinam muito além das matérias e estimulam outras habilidades.

“O dever de casa promove o hábito de estudo e estimula o aluno a ter autonomia, superar desafios. É o momento em que o professor pode conhecer a produção daquele estudante”, destaca a coordenadora pedagógica geral do Colégio Sagrado Coração de Maria, Silvana Bizzo Cruz.

Para a pedagoga Simone Sanches, as tarefas ajudam a construir uma relação de responsabilidade e autonomia, que favorecem o hábito do estudo.

“Os trabalhos de casa serão sempre necessários. Poderão ser menos numerosos, mais objetivos, mais acessíveis, mas é necessário que haja alguns, para desenvolver nos alunos a autonomia e a responsabilidade, bem como o sentido de organização, o interesse em aprofundar os seus conhecimentos e o gosto pelo trabalho pessoal”.

O gerente de Educação Básica do Sesi-ES, Samuel Saibert Siman, cita que, na educação infantil do colégio, há atividades como pequenas pesquisas, desenhos e leitura de livros que valorizam as brincadeiras e o imaginário infantil. “A experiência nesta fase deve ser ligada à descoberta do mundo, do outro, da vivência e da brincadeira”.


SAIBA MAIS


Tipos de tarefas 

  • As tarefas de casa podem ser classificadas de três formas:
  • Investigativa: O aluno aprofunda os temas já estudados por meio de pesquisas mais detalhadas, posteriormente apresentadas aos colegas.
  • Para sistematizar conhecimentos: O professor envia para verificar se o aluno está com dificuldade no conteúdo. Se necessário, retorna para a aula e explicação do tema.
  • De preparação: Antes de iniciar um novo tema, o professor pode solicitar que os alunos leiam ou pesquisem assuntos relacionados.

Vantagens

  • Pode ser uma forma de interação entre família e escola, desde que haja adequação da tarefa. 
  • A tarefa de casa auxilia no processo de aprendizagem e ajuda no desenvolvimento de habilidades como autonomia, independência, disciplina, organização e gerenciamento de tempo, além de concentração e foco.

Outros países

China

  • O país aprovou, no final do ano passado, uma lei educacional para cortar as “pressões duplas” envolvendo o dever de casa e as atividades fora da escola. A legislação pede aos pais que organizem o tempo dos  filhos para envolver períodos razoáveis de descanso e exercícios, reduzindo o uso excessivo da internet.
  • O governo chinês proibiu o dever de casa para turmas do 1º e do 2º ano do ensino fundamental e limitou a uma hora diária a lição no contraturno escolar para alunos do 3º ano.

Finlândia

  • No país, que é exemplo em Educação, a tarefa de casa é comum, já que as horas diárias de estudos na escola são mais curtas. Porém, os exercícios para casa não são em uma grande quantidade. O tempo dedicado à tarefa escolar aumenta com a idade do aluno.

Irlanda

  • Algumas escolas costumam passar a lição da semana toda na segunda-feira, como forma de ajudar o estudante a se organizar e desenvolver a autonomia.

Estados Unidos 

  • Os alunos estudam em período semi-integral e a lição de casa é comum na maioria das escolas, como no Brasil. Alguns especialistas americanos sugerem que os educadores reflitam mais a respeito de tarefas de qualidade.

Espanha

  • A lição de casa é uma prática comum no país, mas, em 2016, um grupo de pais organizou uma “greve dos deveres de casa” para que seus filhos deixassem as tarefas de lado durante todo o mês de novembro para terem mais tempo livre.

Fonte: Especialistas e pesquisa AT.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS