X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

"Acolher os filhos não é o mesmo que mimar", diz educadora

| 19/03/2021 16:38 h | Atualizado em 19/03/2021, 16:52

A missão de educar um filho para enfrentar o mundo não é fácil, e não há uma “receita pronta” que funcione para todos. Muitas vezes, tentando acertar e oferecer o melhor para os filhos, os pais cometem erros, como acatar a todos os seus desejos com o intuito de fazê-los felizes o tempo inteiro.

A escritora e educadora Telma Abrahão enfatiza que os pequenos precisam se sentir valorizados e acolhidos, o que não significa mimá-los.

“O mimar enfraquece a criança e impede que ela desenvolva importantes habilidades de vida. Como ela vai desenvolver resiliência, força de vontade e persistência se consegue tudo o que quer na hora que quer?”, questiona.

Imagem ilustrativa da imagem "Acolher os filhos não é o mesmo que mimar", diz educadora

A permissividade é uma conduta adotada por muitos pais que não sabem como lidar com os filhos. Como consequência, a criança não aprende a lidar com frustrações e sente o impacto também na vida adulta.

“Quando os pais dizem ‘não’ ao filho, explicam o motivo da negativa e indicam quando esse ‘não’ poderá ser um ‘sim’, se torna mais fácil para a criança administrar suas emoções”, orienta Telma.

O ideal é adotar essa postura desde bem cedo com o filho. Quando a família já tem o costume de atender todos os desejos da criança, também dá para mudar de conduta. É necessário resistência dos pais em ceder, o que pode ser difícil, mas é possível.


Quem é Telma Abrahão


  • Biomédica, educadora parental e especialista em educação emocional.
  • É uma das pioneiras no Brasil a unir ciência e educação dos filhos.
  • No ano passado, lançou o livro “Pais Que Evoluem – Um novo olhar para a infância”.
  • A obra se tornou best-seller e chegou ao 1º lugar na Amazon Brasil.
  • O livro traz uma reflexão sobre a importância do papel dos pais nas atitudes e na educação emocional dos filhos.

Telma Abrahão; “Crianças precisam aprender a lidar com frustrações”
Telma Abrahão; “Crianças precisam aprender a lidar com frustrações” |  Foto: Divulgação

A Tribuna – Quais são os desafios dessa nova geração de pais que não existiam antes?

Telma Abrahão – Sempre existiram dificuldades na criação dos filhos. A diferença é que, antigamente, as mulheres não trabalhavam tanto fora e estavam mais à disposição dos filhos. Mãe, avó, tia, vizinha... todas eram mais disponíveis e formavam uma rede de apoio muito maior para criar e educar as crianças.

Hoje, os adultos estão na correria fora de casa. As crianças nunca ficaram tanto tempo longe dos pais. Então, o que acontece é que, quando eles chegam em casa, os pequenos estão carentes e tristes por causa desse distanciamento. As crianças sentem que não são prioridade.

Durante a pandemia, o que aconteceu foi que todos passaram mais tempo em casa juntos e os pais não souberam lidar com os filhos.

É comum pais serem muito permissivos quando não sabem lidar com os filhos?

Sim. Na realidade, acontecem dois extremos: ou vão para o autoritarismo de querer sempre ter razão e ter a única voz a ser ouvida o tempo todo; ou vão para o lado oposto, em que, se a criança chora, eles dão o que essa criança quer.

Nenhum desses extremos é saudável. O autoritarismo não leva em consideração o que a criança pensa e sente, e é importante que ela se sinta acolhida. Já quando os pais são muito permissivos, a criança fica sem limites.

Quais as consequências da falta de limite?

A criança fica sem referência do que é certo ou errado, o que gera insegurança para ela. Com a permissividade, o filho passa a entender que ele ganha tudo o que quer no choro e no grito. Isso se torna um comportamento repetitivo e dificulta a educação.

Tem pai que não impõe limite para não ter de lidar com a frustração do filho. Pais têm que aprender que é possível andar no equilíbrio, no caminho do meio. Dá para falar com a criança de forma respeitosa e, ainda assim, dizer ‘não’. E a criança tem direito de chorar, até para aprender a lidar com os próprios sentimentos e emoções.

Como deve ser o acolhimento das emoções da criança?

Com empatia, com capacidade de se colocar no lugar do filho. Se recordar de quando era criança e lembrar de como gostava de ser tratado. Parar e olhar nos olhos do filho e ouvir o que ele tem a dizer.

Quando a criança sente que o pai a escuta e que sua emoção foi validade, ela se sente acolhida.

Mas não é porque o filho está triste que o pai deve deixá-lo fazer o que ele quiser. A frustração faz parte. Nós vivemos em uma sociedade em que regras são importantes e todos temos que respeitar e lidar com frustrações.

Quando os pais dizem ‘não’ ao filho, explicam o motivo da negativa e indicam quando esse ‘não’ poderá ser um ‘sim’, se torna mais fácil para a criança administrar suas emoções.

Qual a diferença entre acolher e mimar?

O mimar é quando os pais cedem a qualquer frustração do filho para fazê-lo feliz 100% do tempo. O mimar enfraquece a criança e impede que ela desenvolva importantes habilidades de vida.
Como ela vai desenvolver resiliência, força de vontade e persistência se consegue tudo o que quer na hora?

O encorajamento para ir atrás do que se deseja é fundamental de ser construído na infância. Se o pai dá tudo para o filho, ele indica que não confia na capacidade da criança em sobreviver à frustração. E a criança sente que o pai não confia nela, o que afeta a sua autoestima e até sua vida adulta.

Muitos adultos se sentem incapazes e não vão atrás dos próprios sonhos porque, na infância, os pais faziam tudo por eles.

Os pais fazem isso com amor, mas quando entendemos o que motiva o ser humano, entendemos que mimar não é o mesmo que acolher e encorajar. A criança tem necessidade de se sentir útil e capaz.

Como agir quando a criança já está condicionada a não querer lidar com frustrações?

Os pais precisam se posicionar. Se a criança estiver gritando e chorando para pedir algo, tem de dizer a ela que, quando ela falar de forma gentil, ela será escutada.

Pais têm de quebrar esse ciclo vicioso. Parar de dar atenção negativa e passar a dar atenção positiva de forma pró-ativa. Ou seja, dar atenção ao filho quando ele estiver se comportando bem. Muitos dão atenção apenas quando os filhos estão se comportando mal, ou para chamar a atenção e brigar, ou para fazer o que a criança quer.

Primeiro, é preciso abastecer a criança afetivamente. Assim, ela tende a se comportar melhor. E quando estiver se comportando bem, dedicar um tempo para passar com o filho para conversar e dar uma atenção positiva a ele.

A postura dos pais deve ser a mesma com todos os filhos?

Cada filho é diferente um do outro, e educar é um processo cheio de erros e acertos, pois nunca seremos perfeitos. O grande problema é tentar comparar o segundo filho com o que veio primeiro. É preciso entender a individualidade do ser humano. O que funcionou com o primeiro pode não funcionar com o segundo, ou o inverso.

Existe algum aspecto da parentalidade que está mais simples na atualidade?

Hoje, temos acesso a um conhecimento que não tínhamos antes. A ciência do comportamento humano e a neurociência avançaram muito nas últimas décadas para entender como funciona o cérebro.

As pessoas estão buscando mais o autoconhecimento, querem se entender e saber como podem melhorar. Esses são pontos positivos para as relações humanas.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS