X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

UNICEF divulga orientações sobre como acolher e conversar com crianças afetadas por enchentes no RS


De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), crianças e adolescentes são os mais afetados pelas tragédias ambientais. Isso porque estão em uma fase mais sensível do desenvolvimento, muitas vezes sem repertório para lidar com as consequências para a saúde mental. Diante disso e da situação atual do Rio Grande do Sul, onde aproximadamente 90% dos municípios foram atingidos por inundações, a entidade divulgou orientações para apoiar mães, pais e cuidadores no processo de acolhimento e cuidado com meninas e meninos afetados pelas chuvas.

"Desastres ambientais podem ser promotores do chamado 'estresse tóxico'. É importante que os adultos possam oferecer o suporte necessário para que as crianças continuem tendo um desenvolvimento saudável e pleno. Isso pode ser feito por meio do cuidado responsivo, da escuta atenta e do acolhimento na conversa e nas brincadeiras", explica a oficial de desenvolvimento infantil do UNICEF no Brasil, Maíra Souza.

Confira as principais recomendações:

- Quando conversar com a criança, procure manter a calma e respirar. As crianças têm uma tendência a reproduzir aquilo que os adultos, especialmente os próximos, demonstram sentir;

- Em caso de evacuação, explique brevemente o que vai acontecer. Se as condições permitirem, deixe que fiquem com um objeto especial, como um brinquedo;

- Pergunte o que a criança sabe sobre o que está acontecendo e ouça com atenção o que tem a dizer. É provável que a criança repita muitas vezes o que pensa. Diga que suas perguntas e comentários são importantes;

- Se a criança não quiser conversar, não a pressione. Em caso de choro, não a peça para parar ou reprimir suas emoções: o choro também é uma forma saudável de descarga emocional;

- Explique de forma real e simples o que está acontecendo. Evite possíveis mentiras, como dizer que "isso não vai acontecer de novo";

- Se estiver em abrigos, veja se é possível reservar um espaço em que as crianças possam brincar em segurança;

- Na medida do possível, tente retomar hábitos rotineiros e procure proporcionar espaços de brincadeira com outras crianças e adolescentes. Estimule que a criança desenhe, pinte, ouça música e brinque;

- Lembre-se de que você também está sob estresse emocional. Cuide-se para poder dar o apoio necessário aos meninos e meninas. Compartilhe o que você sente com outras pessoas;

- Crie oportunidades para que todas e todos se sintam parte das soluções, inclusive crianças e adolescentes com deficiência. Encontrar maneiras seguras para que os mais novos contribuam com a situação é um caminho de fortalecimento;

- Sempre forneça informações corretas sobre uma situação de crise. Se não souber responder, proponha que vocês descubram juntos.

Disque 100

Desde o início da catástrofe causada pelas chuvas intensas no RS, crianças e adolescentes passaram a ser resgatadas sem os pais ou responsáveis, devido à urgência do salvamento. Com isso, elas acabam encaminhadas para abrigos provisórios, desacompanhadas e, em alguns casos, também sem documentos.

Por esse motivo, a ministra substituta do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC), Rita Oliveira, ressaltou em comunicado da pasta que diante desses casos, acionar a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH), por meio do Disque 100 (Disque Direitos Humanos), é um dos caminhos viáveis.

Para atender o Rio Grande do Sul, a pasta destacou dois tipos de atendimentos oferecidos pelo Disque 100. O primeiro é destinado a atender demandas e denúncias de violações de direitos humanos em geral. O outro, em articulação com o Tribunal de Justiça do RS e Conselhos Tutelares, acolhe demandas de crianças e adolescentes desaparecidas ou separadas dos pais.

É importante ressaltar que qualquer pessoa, de qualquer local do Brasil, pode utilizar os canais disponibilizados para reportar denúncias, solicitar ajuda ou orientações.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: