X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Sobe para 14 o número de mortes suspeitas de ligação com drogas K em cadeias de Minas


Chegou a 14 o número de mortes suspeitas em dois presídios de Ribeirão das Neves, região metropolitana de Belo Horizonte. Os óbitos foram registrados desde dezembro do ano passado e a principal suspeita é que tenham relação com o uso de drogas K nas penitenciárias. A morte mais recente aconteceu na sexta-feira, 19.

Elias Martins, de 40 anos, passou quatro dias internado no Hospital Municipal São Judas Tadeu e faleceu na sexta- feira, 19. As vítimas eram oriundas das penitenciárias Antônio Dutra Ladeira e Inspetor José Matinho Drumond.

As mortes, sem causas definidas até o momento, são investigadas pelo Departamento Penitenciário de Minas Gerais (Depen-MG) e pela Polícia Civil. A corporação alegou estar aguardando a finalização de laudos toxicológicos nas vítimas e do material apreendido para definição da dinâmica dos óbitos.

De acordo com a corporação, cada caso é investigado individualmente e "a depender da complexidade, outras diligências deverão ser cumpridas para o esclarecimento dos fatos".

Essas drogas, difundidas inicialmente nos presídios, foram criadas em laboratório e, ainda que sejam atreladas à maconha, não vem da planta cannabis sativa e tem efeito até cem vezes mais potente do que o entorpecente comum.

Diante da possibilidade das mortes estarem atreladas ao uso de drogas, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança afirma que revistas são feitas de forma rotineira em visitantes e nas celas, com o objetivo de coibir a entrada e permanência de materiais ilícitos nas unidades prisionais.

"Especificamente, o Depen-MG realiza uma grande campanha interna sobre os malefícios do consumo de álcool e drogas, em parceria com a Subsecretaria de Políticas sobre Drogas, da Sejusp", diz a nota divulgada pela pasta.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: