X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Apenas 11% das crianças completaram o esquema vacinal contra covid-19, alerta Fiocruz


Apenas 11,4% das crianças de até 14 anos estão com o esquema vacinal completo contra a covid-19 no Brasil. É o que indica o boletim do Observatório de Saúde na Infância (Observa Infância), iniciativa da Fiocruz em conjunto com a Faculdade de Medicina de Petrópolis, divulgado nesta segunda-feira, 11. O documento relaciona ainda a baixa cobertura vacinal à persistência das mortes devido à doença nesta faixa etária.

O boletim evidenciou também que, dentro da faixa etária de até 14 anos, as crianças mais novas são as menos vacinadas. Entre aquelas de 3 a 4 anos, 23% tomaram duas doses da vacina, enquanto apenas 7% completou o esquema vacinal com três doses. Por outro lado, na faixa etária de 5 a 11 anos, a taxa de cobertura vacinal subiu para 55,9% com duas doses e 12,8% com três. Os dados são de fevereiro de 2024.

Vale destacar que a cobertura vacinal também está baixa na população adulta. Para esse público, o esquema vacinal completo é composto por quatro doses e apenas 14,9% estão com a imunização em dia.

Número de mortes e vacinação

Para traçar uma análise geral da relação entre a vacinação e o número de óbitos por covid-19 em crianças até 14 anos, o Observa Infância comparou o número de mortes dessa faixa etária devido à doença nas primeiras oito semanas dos anos de 2021 a 2024 no Brasil. Vale lembrar que a pandemia de covid-19 foi decretada no País há quatro anos, em 11 de março de 2021.

No primeiro ano de combate à covid-19, foram registradas 118 mortes de crianças com até 14 anos no Brasil, número correspondente a 38,6% das mortes por síndrome respiratória aguda grave (SRAG). No mesmo período de 2022, o número de óbitos escalou para 356, quase metade (47,1%) dos casos das mortes por SRAG. Contudo, em 2023, ano em que o imunizante contra a covid-19 ficou disponível para crianças a partir de 6 meses, o número de óbitos caiu para 50, menos de um quarto (24,5%) do número de mortes por SRAG. De acordo com o boletim, essa queda demonstra a eficiência e segurança da vacina.

Em 2024, entretanto, houve uma estagnação no número de mortes. No período, foram registrados 48 óbitos de crianças de até 14 anos devido à covid-19, o que corresponde a 32% das mortes por SRAG.

Segundo o boletim, essa persistência no número de mortes é preocupante e pode estar relacionada à baixa cobertura vacinal nessa faixa etária.

Cristiano Boccolini, pesquisador da Fiocruz e coordenador do Observa Infância, destaca a importância do cobertura vacinal completa em momentos de escalada de outras doenças, como observado agora. "A análise mostra que temos uma vacina segura, eficiente e disponível em todos os municípios. Precisamos usar o recurso que temos para garantir a saúde das crianças, especialmente num cenário desfavorável, com a circulação de outras doenças perigosas, como a dengue", pontua, em comunicado da Fiocruz.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: