search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

As perigosas mutações virais
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas ocasionalmente demonstra talento para a violência.

Visando proteger seu espírito, o ser humano criou a religião. Objetivando proteger seu corpo, o ser humano criou a ciência, essa ferramenta revolucionária capaz de revelar cadeias de casualidade que desorganiza toda a ordem anterior. Mutações são exemplos desses acasos. Cânceres, por exemplo, resultam de mutações genéticas.

Durante longos anos a medicina vem se esforçando para compreender essas mortais alterações celulares. Os vírus, além de provocar mutações, também se originam delas.

Acredita-se que essas partículas de ácidos nucleicos começaram como células complexas e involuíram para organismos mais simples, tais como as rickettsia. Esses patógenos costumavam ser considerados como vírus.

Atualmente, ocupam a posição de intermediários entre vírus e bactérias.

Os vírus têm apenas uma função: se replicarem. Todavia, eles não conseguem fazer isso sozinho. Ao invadir células carregadas de energia, eles assumem o controle e as obrigam a produzir novos vírus.

O trabalho viral lembra a estrutura de um software. Da mesma maneira que uma sequência de bits em um código binário diz ao computador o que fazer, os genes virais, compostos pelos códigos quaternários: adenina, guanina, citosina, timina (ou uracila), ditam suas normas para as células.

Quando um vírus penetra na parede celular, ele obriga o mecanismo interno celular a produzir aquilo que seus genes exigem, no lugar daquilo que ela precisa para suas organelas. Nesse momento, quase sempre a hospedeira morre, enquanto novas partículas virais saem para invadir outras células.

Durante essa batalha, o sistema imunológico viaja pelo corpo inteiro, tentando distinguir o que pertence e o que não faz parte dele. Qualquer coisa que carregue um sinal familiar é deixada em paz. Em alguns casos, como nas denominadas doenças autoimunes, o defensor vira atacante de si mesmo.

O ser humano faz parte da natureza, sendo um convidado a mais a participar da imensa comunidade existencial. Tomando parte da evolução, ele possui uma inteligência singular. Mas isso não lhe dá o direito de se julgar dono da realidade.

Acreditando ser o protagonista principal da evolução, o ser humano pensa que todas as coisas estão a sua disposição para dominá-las e poder usá-las como bem lhe aprouver.

Mutações ocorrem de forma aleatória. Elas não surgem para suprir necessidades do organismo ou para prejudicá-lo de alguma forma. Por ocorrerem ao acaso, as mutações geram diferentes respostas, afetando de forma positiva, negativa ou não causando nenhuma mudança.

Seja através da vacina, do isolamento ou da assepsia, vírus respeitam a prevenção.
Após um “vírus” penetrar no “DNA” de um computador, o “antivírus” mostra-se ineficaz.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Tranquilizante causa dependência

Algumas pessoas que têm dificuldade para enfrentar as vicissitudes da vida procuram um médico, solicitam receita de um calmante e depois não conseguem mais viver sem ele. Quando a caixa termina, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Reações a medicamentos

É muito frequente o uso do vocábulo remédio como sinônimo de medicamento. No entanto, eles não significam a mesma coisa. Remédio é qualquer tipo de cuidado utilizado para tratar doenças, aliviando …


Exclusivo
Doutor João Responde

O desconfortável soluço

O incômodo soluço surge em situações e momentos mais impróprios. Trata-se de uma contração vigorosa e involuntária do diafragma, músculo responsável pela inspiração e que separa o tórax do abdômen. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Limitações da telemedicina

A medicina se alimenta de informação. Ausência de dados compromete o diagnóstico e o tratamento. O médico pode utilizar um ambiente virtual para centralizar as informações do paciente, facilitando o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vulnerabilidade a medicamentos

Enquanto o corpo envelhece, o espírito amadurece, pois ninguém é demasiadamente idoso para que não possa nutrir esperança. Vulnerabilidade a medicamentos fragiliza a saúde do paciente geriátrico. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pneumonia silenciosa

Pneumonia é um tipo de inflamação que afeta os pulmões, geralmente relacionada a uma infecção. De modo geral, o quadro começa com alguma gripe que não é bem tratada, fazendo com que a imunidade do …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade. A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Predadora célula cancerosa

Para manter-se vivo, o corpo precisa lutar contra tudo aquilo que desequilibra suas funções, inclusive contra si mesmo. Munido de uma poderosa arma antigênica, o organismo protege a vida que mantém …


Exclusivo
Doutor João Responde

Uso de corticoide em Covid-19

Descobriu-se, recentemente, que o esteroide dexametasona diminui a nefasta reação do sistema imunológico contra o coronavírus, aumentando a chance de sobrevivência do paciente grave. Denominada …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados