search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Alívio da dor oncológica
Doutor João Responde

Alívio da dor oncológica

De todos os sintomas que o paciente com câncer apresenta, a dor é sempre o mais temido. O sofrimento dessas pessoas é resultado da interação da percepção dolorosa associada à incapacidade física, ao isolamento social e familiar, às preocupações financeiras e ao medo da mutilação e da morte.

Essa desgastante manifestação está relacionada com o significativo aumento dos níveis de depressão, ansiedade, hostilidade e somatização. Pacientes com dor gerada pelo câncer apresentam mais distúrbios emocionais do que aqueles sem dor, embora estes respondam menos ao tratamento e morram mais cedo.

O câncer ainda é uma doença preconceituosa, e o medo está relacionado à presença da dor, aos mitos e receios sobre as drogas utilizadas para tratá-lo.

A terapêutica desse tipo de enfermidade traz repercussões físicas, sociais e emocionais, muitas vezes mutilante, resultando em incapacidade, sofrimento e medo da morte.

O sofrimento psíquico pode determinar um importante papel na qualidade de vida do paciente. Ignorar esse tipo de dor emocional é tão perigoso quanto ignorar a dor somática.

Metade dos indivíduos com neoplasia maligna apresenta dor em alguma fase de sua doença. Essa experiência sensorial e emocional desagradável é descrita em termos de lesões teciduais, reais ou potenciais.

A dor é sempre subjetiva, e cada pessoa aprende a utilizar este termo a partir de suas experiências traumáticas.

A terapia do câncer consiste inicialmente em intervenções cirúrgicas, radioterapia, quimioterapia e terapia hormonal, isoladas ou combinadas.

Os objetivos principais para debelar a dor no câncer são os suportes medicamentosos, físicos, psicológicos, sociais e espirituais, visando melhorar a qualidade de vida do paciente.

Quando não aliviadas, as dores provocadas pela quimioterapia, pela radioterapia ou pela retirada do tumor geram ansiedade e estresse para o paciente e também aos seus cuidadores.

A dor oncológica prejudica as funções cognitivas, o sono e a vida social do paciente.

Manter o bom humor é muito importante para o canceroso seguir seu tratamento, mais confiante.
Mesmo quando está se dedicando integralmente à terapêutica, o paciente com câncer deve investir em sua saúde emocional.

Realizar atividades leves, assistir a comédias, receber visitas de amigos e fazer alguns passeios auxiliam na sensação de bem-estar. O enfermo não deve passar muito tempo sozinho, pensando na doença.

O controle da dor  contribui para uma grande melhora da qualidade de vida e, consequentemente, para a sobrevida das pessoas com câncer.

Muitos pacientes permanecem sofrendo porque têm medo de tomar morfina e se tornarem viciados. Com isso, eles acreditam que esse analgésico deve ser usado somente nos casos em que não há mais solução. Isso é completamente errado. Utiliza-se uma droga forte quando a dor é forte.

Combater o sofrimento é uma forma de se fortalecer. Enquanto o medicamento administra a dor, o corpo luta contra a doença.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Não existe vida sem proteína

O principal alimento do corpo é a proteína. Além dos animais, isso acontece também com as plantas. Adubação com nitrogênio, potássio e fósforo vem garantindo que “Araketu”, o pé de araçaúna que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A memória eterniza o tempo

O passado é o presente que sobreviveu na memória humana. O cérebro executa atividades para adquirir, armazenar, reter e recuperar informações. A memória é parte integrante da cognição humana, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vacina contra o vício da cocaína

Estamos vivendo de uma perversa “pandemia” de drogas, em que milhares de pessoas abandonam esperanças e se agarram em ilusões. Um dos mais perigosos “patógenos”, destruidor de mentes e de corpos, é a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tipos de imunização

Nosso organismo é sistematicamente bombardeado por substâncias estranhas. Alguns desses antígenos são capazes de desencadear resposta imune, ou seja, a produção de anticorpos que defenderão o corpo …


Exclusivo
Doutor João Responde

Regulação da glicose no sangue

A regulação da glicose no sangue depende basicamente de dois hormônios: glucagon e insulina. A ação do glucagon é estimular a produção de glicose pelo fígado, e a da insulina é bloquear essa …


Exclusivo
Doutor João Responde

Atitudes contra a sobrevivência

Mesmo neste momento dramático da pandemia, com recorde de casos e de mortes diárias e num estágio em que quase todo mundo conhece alguém que morreu por causa da doença, proliferam comportamentos que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A tortura da coluna travada

Estima-se que uma expressiva quantidade de pessoas tenha ao menos um episódio de dor na coluna, ao longo da vida. Em alguns casos, ela surge de forma tão intensa que deixa o indivíduo impossibilitado …


Exclusivo
Doutor João Responde

Perda de olfato

Anosmia é uma condição que corresponde à perda total ou parcial do olfato. Essa alteração pode estar relacionada com situações temporárias, como acontece durante uma gripe ou resfriado. Pode …


Exclusivo
Doutor João Responde

Efeito rebote de medicamento

Do mesmo jeito que uma bola volta a saltar quando a jogamos, os sintomas de uma doença podem reaparecer quando cessa o efeito daquilo que inicialmente a aliviou. Essa reversão da resposta, após a …


Exclusivo
Doutor João Responde

A sede lembra o valor da água

O ser humano não vive sem oxigênio, água ou alimento. Quando um destes falta ou escasseia, sua sobrevivência fica seriamente ameaçada. Nosso organismo não consegue ultrapassar quatro minutos sem …