search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A viagem do remédio pelo corpo
Doutor João Responde

A viagem do remédio pelo corpo

O ser humano, em algum período da vida, adoecerá. Não há no mundo alguém que não desenvolva algum tipo de enfermidade, por mais banal que seja. Afinal, quem nunca teve dor de cabeça, gripe, amigdalite, febre, vômito, diarreia ou alguma outra manifestação que o deixou passivo. O termo “paciente” significa “ser passivo”.

Comprimidos, injeções, soluções, supositórios, cápsulas, pomadas, colírios, entre outros veículos onde habitam substâncias diversas, recebem denominações de droga, fármaco, remédio ou medicamento.

Pacientes costumam confundir o significado de cada um desses termos.

Medicamento é um produto farmacêutico, tecnicamente obtido e elaborado com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico.

Fármaco designa toda substância química dotada de propriedade farmacológica.
Remédio é qualquer recurso utilizado para obter cura ou alívio.

Droga designava, primitivamente, toda substância orgânica ou inorgânica empregada como ingrediente de tinturaria, química ou farmácia.

Quando usadas em medicina, eram chamadas drogas medicinais.
Munido de esperança, o paciente engole o remédio, aguardando, no ninho do tempo, a gestação do efeito esperado.

Introduzida no organismo, a substância poderá atuar de maneira preventiva, paliativa, curativa ou substitutiva. Vacinas, analgésicos, antibióticos, insulina, entre outros, agem dessa forma.

Quanto ao sítio de ação, os medicamentos podem atuar no local de aplicação ou se dirigir, via sanguínea, para o organismo, sendo absorvidos, distribuídos, transformados e, posteriormente, excretados.

Absorção consiste na velocidade com que a substância viaja e atinge o local de ação. O sangue envia a droga para os tecidos para ser metabolizada.

Esta transformação ocorre no fígado, principalmente, através de reações químicas catalisadas por enzimas que transformam o fármaco em ativo e inativo.

Os efeitos bioquímicos e fisiológicos da substância acontecem no momento em que ela se liga ao receptor para atuar de fato.

Quando dois ou mais fármacos seguem o mesmo caminho, pode surgir antagonismo. Duas drogas com mecanismos diferentes costumam apresentar efeitos opostos.

Muitas vezes, acontece competição sobre o mesmo local, produzindo toxidade. Outras vezes, as drogas se anulam, reagindo entre si.

Incompatibilidades, reações indesejadas e interações farmacológicas, causadas por medicamentos administrados erroneamente, geram danos ao paciente.

Interação medicamentosa consiste numa resposta farmacológica à administração de uma combinação de medicamentos, diferente dos efeitos de dois agentes administrados individualmente.

Existem interações medicamentosas do tipo medicamento-medicamento, medicamento-alimento, medicamento-bebida alcoólica e medicamento-exames laboratoriais.

Um exemplo clássico de interação entre dois medicamentos diferentes ocorre entre antiácidos e anti-inflamatórios.

Os fármacos antiácidos diminuem a absorção dos anti-inflamatórios, reduzindo seu efeito terapêutico.

Interações também acontecem entre medicamentos e alimentos. O leite pode reduzir a absorção de alguns antibióticos, enfraquecendo o efeito terapêutico.

Medicamentos também podem interagir com bebidas alcoólicas, aumentando sua toxidade. O álcool, por exemplo, diminui a capacidade de excreção do paracetamol, causando agressão hepática.

Medicamentos também podem interferir em resultados laboratoriais, Durante o tratamento com amoxilina, por exemplo, o exame de urina pode encontrar-se alterado, indicando um falso aumento de glicose.

Em prol da vida, os medicamentos navegam pelo corpo, ora flutuando nos mistérios da saúde, ora encalhando nos escolhos da doença.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Verdades e mitos em medicina

Não existe veracidade única, intangível e absoluta na arte médica. Na verdade, medicina é a arte das verdades temporárias. Muitas das exatidões e condutas adotadas no passado revelaram-se, com o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Quem nunca pisou em um espinho?

Quem caminha descalço colhe espinhos. Eu tinha 12 anos de idade e, como toda criança, corria pelas alamedas da vida em busca de aventura e diversão. Um dia, caminhando pelo quintal, espetei um …


Exclusivo
Doutor João Responde

Água é um difusor de vida

Quando estamos com sede parece que somos capazes de beber todo um oceano de água. Entretanto, depois de um ou dois copos, nosso corpo absorve e dilui esse torturante desejo. A água é o segundo …


Exclusivo
Doutor João Responde

Os tipos da perda de memória e as suas causas

Esquecemo-nos sempre de lembrar as alegrias, mas nunca nos lembramos de esquecer os sofrimentos. O ressentimento tem melhor memória que o sentimento. Não se lembrar de onde guardou um documento, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Enfermidade que acelera a vida

O tempo parece lento para quem está doente, e rápido para aquele que se encontra saudável. Nem sempre esta afirmação corresponde à realidade. Existe uma raríssima enfermidade que acelera a vida e …


Exclusivo
Doutor João Responde

Carambola: nutriente ou veneno?

Entre as saudosas lembranças da infância, surge, em meus pensamentos, o enorme quintal da casa dos meus tios. Naquele terreno arenoso, vicejavam mangueiras, cajueiros, abacateiros, gabiroba, abiu, …


Exclusivo
Doutor João Responde

As células também respiram

A vida começa com um sopro e termina com um suspiro; esses extremos da respiração. Quando se fala em respiração, é comum pensar nos movimentos de inspiração e expiração do ar que vem da atmosfera. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Coçar nem sempre cessa coceira

O nome “Jussara” vem da palavra tupi que significa “coceira”, sendo usada para designar os espinhos de uma palmeira que os índios utilizavam como agulhas para tecer. O pó que saía …


Exclusivo
Doutor João Responde

Flatulência e arroto

O pudor é uma vigilante virtude. Apesar disso, liberar flatos e arrotos é um hábito saudável. Os distúrbios relacionados com o conteúdo de gás no tubo digestivo são frequentes em consultórios de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nó na garganta nem sempre tem uma causa emocional

Lágrimas escorrendo sobre os olhos, olhar disperso e um coração silencioso, amarrando as palavras com as cordas vocais, apertando o nó na garganta. Angústia e angina derivam de “angere”, que …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados