search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A viagem do remédio pelo corpo
Doutor João Responde

A viagem do remédio pelo corpo

O ser humano, em algum período da vida, adoecerá. Não há no mundo alguém que não desenvolva algum tipo de enfermidade, por mais banal que seja. Afinal, quem nunca teve dor de cabeça, gripe, amigdalite, febre, vômito, diarreia ou alguma outra manifestação que o deixou passivo. O termo “paciente” significa “ser passivo”.

Comprimidos, injeções, soluções, supositórios, cápsulas, pomadas, colírios, entre outros veículos onde habitam substâncias diversas, recebem denominações de droga, fármaco, remédio ou medicamento.

Pacientes costumam confundir o significado de cada um desses termos.

Medicamento é um produto farmacêutico, tecnicamente obtido e elaborado com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico.

Fármaco designa toda substância química dotada de propriedade farmacológica.
Remédio é qualquer recurso utilizado para obter cura ou alívio.

Droga designava, primitivamente, toda substância orgânica ou inorgânica empregada como ingrediente de tinturaria, química ou farmácia.

Quando usadas em medicina, eram chamadas drogas medicinais.
Munido de esperança, o paciente engole o remédio, aguardando, no ninho do tempo, a gestação do efeito esperado.

Introduzida no organismo, a substância poderá atuar de maneira preventiva, paliativa, curativa ou substitutiva. Vacinas, analgésicos, antibióticos, insulina, entre outros, agem dessa forma.

Quanto ao sítio de ação, os medicamentos podem atuar no local de aplicação ou se dirigir, via sanguínea, para o organismo, sendo absorvidos, distribuídos, transformados e, posteriormente, excretados.

Absorção consiste na velocidade com que a substância viaja e atinge o local de ação. O sangue envia a droga para os tecidos para ser metabolizada.

Esta transformação ocorre no fígado, principalmente, através de reações químicas catalisadas por enzimas que transformam o fármaco em ativo e inativo.

Os efeitos bioquímicos e fisiológicos da substância acontecem no momento em que ela se liga ao receptor para atuar de fato.

Quando dois ou mais fármacos seguem o mesmo caminho, pode surgir antagonismo. Duas drogas com mecanismos diferentes costumam apresentar efeitos opostos.

Muitas vezes, acontece competição sobre o mesmo local, produzindo toxidade. Outras vezes, as drogas se anulam, reagindo entre si.

Incompatibilidades, reações indesejadas e interações farmacológicas, causadas por medicamentos administrados erroneamente, geram danos ao paciente.

Interação medicamentosa consiste numa resposta farmacológica à administração de uma combinação de medicamentos, diferente dos efeitos de dois agentes administrados individualmente.

Existem interações medicamentosas do tipo medicamento-medicamento, medicamento-alimento, medicamento-bebida alcoólica e medicamento-exames laboratoriais.

Um exemplo clássico de interação entre dois medicamentos diferentes ocorre entre antiácidos e anti-inflamatórios.

Os fármacos antiácidos diminuem a absorção dos anti-inflamatórios, reduzindo seu efeito terapêutico.

Interações também acontecem entre medicamentos e alimentos. O leite pode reduzir a absorção de alguns antibióticos, enfraquecendo o efeito terapêutico.

Medicamentos também podem interagir com bebidas alcoólicas, aumentando sua toxidade. O álcool, por exemplo, diminui a capacidade de excreção do paracetamol, causando agressão hepática.

Medicamentos também podem interferir em resultados laboratoriais, Durante o tratamento com amoxilina, por exemplo, o exame de urina pode encontrar-se alterado, indicando um falso aumento de glicose.

Em prol da vida, os medicamentos navegam pelo corpo, ora flutuando nos mistérios da saúde, ora encalhando nos escolhos da doença.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

O asfixiante coronavírus

Flutuando no ar, esse invisível inimigo se espalha por meio de gotículas transmitidas ao ar pela respiração, principalmente quando ocorrem espirros e tosse. Estando presentes ao redor, indivíduos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Higienização com álcool em gel

Qual a diferença entre desinfetante, antisséptico e esterilizante? Desinfetar é destruir aquilo que causa infecção. Antissepsia é limpar algo contaminado. Esterilizar se refere a um processo de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Em busca da vacina milagrosa

Vivendo entre o sonho e a realidade, ninguém é imune à sentença do tempo. A ansiedade é inimiga mortal da nossa paz. A paz é amiga vital da nossa saúde. Estamos atravessando um período dramático…


Exclusivo
Doutor João Responde

Complicações contra a Covid-19

Indagados por não estarem usando máscaras, muitas pessoas afirmam que são resistentes à Covid-19. Esta declaração categórica é bastante perigosa, uma vez que, diante da pandemia, ninguém pode dispor …


Exclusivo
Doutor João Responde

Baço, um órgão pouco lembrado

A designação desse órgão abdominal originou-se pelo fato dele ser embaçado, não se deixando ser atravessado pela luz. O baço sempre constituiu um desafio à curiosidade dos investigadores que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados