Terrorismo nutricional

A prática de uma alimentação saudável se tornou algo estressante para você? Ah! Não sabe dizer? Então, vamos lá... Você já foi a um almoço de família e levou a própria comida? Já deixou de sair com amigos por medo de não poder comer o que estivesse no cardápio?

Quem me acompanha semanalmente sabe que eu superdefendo a prática de uma alimentação saudável, mas será que essa preocupação em excesso também não pode nos fazer mal? Quais são os impactos sociais e psicológicos desta relação com a comida?

Atualmente, tendemos a classificar alimentos de forma muito extremista: ou é ruim ou é bom, ou ajuda ou prejudica, ou engorda ou emagrece. É um verdadeiro terrorismo nutricional.

A verdade, querido leitor, é que não existe nada disso quando se estuda a ciência da nutrição. Nenhum alimento, por si só, é o vilão ou o mocinho.

Está cada vez mais raro encontrar pessoas que pregam o equilíbrio e ainda mais desafiador encontrar as que o praticam.

Infelizmente, as pessoas tendem a agir de forma radical: ou se alimentam de forma exageradamente saudável ou comem de forma descontrolada, enquanto o mais adequado seria nem um, nem outro.

A ideia de terrorismo nutricional surgiu com a demonização dos alimentos.

Esse movimento varia seu foco e teve início com a gordura; depois, com o carboidrato, o açúcar e agora o glúten, a lactose e a frutose.

Todo esse excesso de variedade de informações faz com que se torne cada vez mais confuso entender o que faz bem e o que faz mal... Mas o que é glúten? O que é lactose? O que é frutose?

Será que precisamos parar de comer frutas? Claro que não! Isso é excesso de “informação” mal interpretada e transformada em terrorismo.

E todo esse terrorismo faz com que o ato de comer se torne um comportamento potencialmente nocivo e gerador de sentimentos como culpa e punição.

Esse movimento faz com que você não responda mais à fome ou à saciedade, mas, sim, às regras impostas pela cultura da informação, às emoções e ao seu lado crítico. É quando comer se torna algo estressante.

A novidade é que a culpa ao comer está sendo cada vez mais estudada e foi observado que ela, além de aumentar o risco de você engordar, também aumenta a predisposição a doenças crônicas não transmissíveis: fazendo com que você coma mais rápido, com menos qualidade e em maiores quantidades sem perceber.

Ela também altera sua digestão e aumenta o seu estresse, fortalecendo, assim, o ciclo da compulsão, gerando ainda maior estresse, ou seja, essa culpa ao comer atrapalha nossa saúde física, mental e social.

Por isso, é o que eu sempre digo, equilíbrio e moderação sempre!

Quando você come de forma consciente, com prazer e sem culpa, não se priva do que gosta, come menos ao longo do tempo e aprende a saborear aquilo que está degustando.

O segredo: você precisa fazer escolhas que estão alinhadas ao seu estilo de vida e ao seu objetivo, mas é saudável que exceções sejam abertas para justificar as regras.

Que vontades sejam saciadas. E que se busque um certo prazer na alimentação. É muito importante para a nossa saúde conectar mente e corpo, identificar adequadamente fome e saciedade e comer sem culpa.

Bom final de semana! Sem terrorismo e sem culpa!


últimas dessa coluna


Em forma no vestido

Aqui no nosso espaço sempre conversamos sobre crianças, idosos, gestantes, homens mas... elas não podem ficar de fora... Isso mesmo! Final de ano chegando e muitas noivinhas correndo atrás dos …


Frutas secas

Manter uma alimentação saudável e com poucas calorias nem sempre é fácil. É preciso planejar as refeições, principalmente os lanches para manter o foco sempre. Mas se você é daqueles que não têm …


Inimigos da boa saúde

Eliminar a gordura da alimentação, comer alimentos crus, consumir produtos diet… isso é realmente o certo a fazer quando se busca uma melhor qualidade de vida? Nossa saúde é o nosso bem mais …


Novembro Azul

Às vezes pode parecer que bato na mesma tecla quando falo da importância dos alimentos em diversas situações. Mas a verdade é que com a escolha certa aumentamos as defesas do nosso organismo, que nos …


A íntima relação entre comida e humor

Quando estamos cansados, queremos comer. Quando estamos tristes, queremos comer. Quando estamos felizes, queremos comer. Só não desejamos comer quando estamos doentes, fazendo ginástica ou dormindo, …


É batata, é doce, mas emagrece

E no mês de outubro iniciamos a safra da batata-doce. Vocês já devem ter ouvido falar que ela é a queridinha das dietas dos atletas, principalmente dos fisiculturistas, certo? Mas, muitos não sabem é …


Prevenção à osteoporose

O Dia Mundial de Prevenção à Osteoporose, que atinge principalmente mulheres após a menopausa e idosos de ambos os sexos, é celebrado amanhã. A osteoporose é uma doença crônica, multifatorial e …


Cuidado com o excesso de sal!

O sal de mesa é também conhecido como cloreto de sódio, e o problema está no sódio e não no cloreto e devemos observar que ele está presente também em vários produtos industrializados que consumimos …


Beber durante a refeição faz mal?

É muito comum beber algo durante as refeições. Muitos tomam refrigerantes, enquanto outros preferem opções mais naturais, como chás, sucos e água. Mas será que tomar líquidos durante as refeições faz …


O álcool está engordando você?

Você não dispensa aquele chope gelado no fim de semana ou um drinque com os amigos no happy hour? Há muitos fatores que afetam a perda de peso, tornando o processo mais complicado do que pode …