Direitos humanos e cidadania

De um modo simples, pode-se dizer que a cidadania é o “direito a ter direitos”. Todos somos cidadãos, teoricamente, iguais, salvo ressalvas constitucionalmente justificáveis. Direitos humanos, por outro lado, são direitos inerentes à pessoa, à sua dignidade. Não se podem tratar pessoas como se fossem coisas.

Entre os direitos humanos, há aqueles que protegem o cidadão contra atos arbitrários do Estado (liberdade de expressão, propriedade), há os que dão ensejo a prestações do Estado (saúde, educação) e os que dizem respeito a todos, de modo indivisível, como os inerentes a um ambiente sem poluição.

Assim, pode-se concluir, facilmente, que apenas em estados democráticos é que os direitos humanos encontram ambiente para multiplicar-se. Ou: sem democracia somente alguns terão direitos humanos, ou apenas poucos terão o seu “ser” respeitado.

A natureza não é pura. Não há uma molécula de água ou mesmo a sua substância em estado autêntica. Existe água com algum mineral. Nós não somos integralmente um. Nós somos um pouco de cada um. Temos algo da mãe e do pai. O masculino e o feminino. Somos índios, negros, brancos. Por isso, somos capazes de estabelecer algum diálogo democrático e nos complementamos.

No entanto, há um discurso corrente que coloca, de um lado, “o cidadão do bem”, e de outro, o “cidadão do mal”. Algo, por si só, conceitualmente, contraditório, pois ou se é cidadão ou se é algo diverso.

Assim, tem-se criado um “ser humano” que só existe de modo ideal, um ser humano abstrato. É como se eu dissesse que, em teoria, o ser humano só fosse constituído por valores imutáveis, no tempo e no espaço, ou que apenas admitiriam uma valoração binária.

Esse “ser humano abstrato” é indicado, nos discursos, como sendo “um terceiro”. Aponta-se o dedo para uma pessoa que não participa do diálogo. Não usamos o pronome “nós”. Então, “como não é comigo”, por exemplo, teria validade o uso de algemas em qualquer hipótese, a atuação policial sem prévio mandado judicial devidamente especificado, etc.

Outra consequência de se considerar o “ser humano” abstratamente, é que o "ser” humano torna-se algo irrealizável. Vale dizer, não existe na vida concreta tal como imaginado. Por isso, algo sem importância. Nesse contexto, para que servem os direitos humanos entre os quais o direto à vida e integridade física e psíquica? Para que proteger o meio ambiente?

Sem democracia, só o paradigma idealizado pelos detentores do poder possuem direitos humanos protegidos. Não cabe indagar se faz sentido proteger, exatamente, o lado mais forte, ou perguntar se vida das pessoas deveriam ser igualmente valorizada.

A grande arma dos que dizem isso é criar uma confusão. Em verdade, toda ideologia, conceitualmente, cria uma aparência falsa. O que se pretende dizer mesmo está nas entrelinhas.
Por isso, os que pregam que se deve “atirar antes de perguntar” induzem os seguidores a pensar que jamais serão alvos de uma atuação policial. São a ordem e o progresso manipulados. Mocinhos contra bandidos (um terceiro). Homens contra mulheres. Derrubar árvores e diminuir as terras dos índios para a agricultura e mineração. Menos direitos aos trabalhadores. A “cura” pelo “beijo hetero”, etc.

É preciso lembrar: a pacificação requer uma cidadania multicultural adequada.

Helio Estellita Herkenhoff Filho é servidor do TRT-ES e escritor de livros jurídicos


últimas dessa coluna


Jogos eletrônicos não são mais sinônimo de sedentarismo

A mãe pergunta à filha como foi o dia de aula, e a menina responde que passou a maior parte do dia disputando jogos eletrônicos. Surpresa, a mãe já se prepara para ligar para a escola e perguntar que …


A influência das mídias sociais sobre as decisões políticas

Estamos observando, no Brasil e em outras partes do mundo, o povo se reunindo através das redes digitais com o objetivo de influenciar as decisões políticas. Será que as principais decisões serão …


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …