search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Motociclistas são 80% das vítimas de acidentes

Notícias

Publicidade | Anuncie

Trânsito

Motociclistas são 80% das vítimas de acidentes


 (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Mesmo num semestre marcado pela pandemia e pela redução do número de veículos nas ruas, especialmente entre os meses de março e maio, os dados assustam: 79% dos benefícios pagos pelo seguro DPVAT por morte, invalidez ou custos hospitalares gerados por acidentes de trânsito se referem a motociclistas.

Ao todo, foram 125 mil benefícios pagos no País, entre os quais 2.471 no Espírito Santo. Os motociclistas são também o maior número de vítimas fatais, representando 8.128 mortes em todo o País.

Os dados, divulgados pela Seguradora Líder, que responde pelo DPVAT, indicam ainda que muitos dos que sobrevivem ficam com algum tipo de invalidez permanente – um total de 90.581 indenizações – ou precisam arcar com despesas médicas e suplementares após o acidente (26.686 pagamentos representam valores referentes a reembolsos desse custo).

 (Foto: Jornal A Tribuna)
(Foto: Jornal A Tribuna)
Os números servem de alerta. Em geral, a maior parte de todos os acidentes de trânsito, seja com motos ou automóveis, é causada por fatores relacionados à imprudência. Quem vive a realidade do trânsito no dia a dia confirma e reconhece a maior vulnerabilidade do motociclista nesse contexto.

“O motociclista fica mais exposto e, portanto, mais sujeito às consequências de um acidente. É fundamental a conscientização de que o trânsito é responsabilidade de todos os que dele participam. Por isso, realizamos ações educativas e pit stops, envolvendo sempre motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres”, afirma André Beltrane, gestor de Atendimento da RodoSol.

As estatísticas também comprovam a percepção. Apesar de representarem 27% da frota nacional, as motos respondem por quase 80% dos sinistros. Além disso, em 2019, as ocorrências com motociclistas representaram 50% do número total de mortes e 75% dos casos de invalidez permanente e do pagamento de despesas médicas.


Previna-se na cidade ou na estrada


Ação educativa realizada pela RodoSol, em parceria com o Batalhão de Trânsito, na última quinta. (Foto: Gilson Luiz Garcia)
Ação educativa realizada pela RodoSol, em parceria com o Batalhão de Trânsito, na última quinta. (Foto: Gilson Luiz Garcia)

  1. Ao usar a motocicleta para locomoção ou como instrumento de trabalho, reflita e adote hábitos de pilotagem defensiva, usando equipamentos de segurança, não usando “corredores” e nem fazendo ultrapassagens pela direita ou indevidas.
  2. O uso do capacete não é apenas uma dica de segurança, mas uma obrigatoriedade do ponto de vista legal. Motociclistas e garupas sem capacete podem receber multas, além de deixarem vulneráveis a região craniana, o rosto e o maxilar em caso de queda
  3. O uso do capacete diminui em 29% o risco de lesões fatais na região da cabeça e em 67% a chance de traumatismos cranianos.
  4. Os capacetes devem estar dentro da validade e ter o selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), pois essa certificação garante a sua eficácia nos choques mais bruscos.
  5. Capacetes do tipo coquinhos não protegem a nuca.
  6. É importante usar calças e jaquetas resistentes, calçados reforçados e luvas, preferencialmente de couro.
  7. Mantenha-se visível. Por estar em situação mais vulnerável, o motociclista deve redobrar o cuidado para evitar os “pontos cegos” dos carros. Outras dicas são manter faróis ligados durante o dia e à noite e usar roupas claras ou chamativas.
  8. Respeite os limites de velocidade. Não faça de sua moto uma arma contra você mesmo e o outro.
  9. Ao frear, utilize tantos manetes quanto o pedal. Na frenagem, o peso da moto cai sobre a roda da frente e o motociclista corre o risco de perder o controle sobre o veículo. Ao acionar somente o freio da frente, a moto perde a aderência traseira. O cuidado deve ser ainda maior em dias de chuva.
  10. Conheça a moto que utiliza e suas particularidades.
  11. Mantenha em dia a manutenção. Calibragem dos pneus, sistema elétrico, freios e combustível devem ser verificados, bem como retrovisores e óleos.
Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados