Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Tribuna Livre

Tribuna Livre

Colunista

Leitores do Jornal A Tribuna

Fatia de 6,4% do PIB estadual vem das cooperativas capixabas

Coluna foi publicada nesta terça-feira (31)

Carlos André Santos de Oliveira | 31/10/2023, 10:28 10:28 h | Atualizado em 31/10/2023, 10:29

Imagem ilustrativa da imagem Fatia de 6,4% do PIB estadual vem das cooperativas capixabas
Carlos André Santos de Oliveira é diretor-executivo do Sistema OCB/ES |  Foto: Divulgação

O Anuário do Cooperativismo Capixaba 2023 revelou que as cooperativas do Espírito Santo movimentaram R$ 11,5 bilhões no último ano. Isso equivale à fatia de 6,4% do Produto Interno Bruto (PIB) nominal do Estado, evidenciando a relevância do modelo de negócio cooperativista para a população capixaba. A pesquisa foi revelada na última semana pelo Sistema OCB/ES, organização responsável pelo levantamento e pela compilação dos dados divulgados.

Pelo quarto ano consecutivo, a publicação trouxe à tona um conjunto de indicadores positivos. O faturamento das coops é um deles, que cresceu cerca de 37% de 2021 para 2022.

Outro número que aumentou expressivamente foi o de cooperados, ou seja, de membros das cooperativas. Atualmente já são 747 mil pessoas vinculadas a pelo menos uma coop do Estado, quase 136 mil a mais que há dois anos. O salto foi de 22,3%, uma expansão significativa ao considerarmos o indicador, que é referente à atuação de 115 cooperativas.

Além de gerar renda, oferecer soluções variadas e abrir espaço no mercado para milhares de cooperados, as coops são responsáveis por criar postos de trabalho em ramos e segmentos variados da economia capixaba. O modelo de negócio já criou 11,5 empregos diretos, e a expectativa é de que esse número cresça ainda mais nos próximos anos.

As contribuições do cooperativismo para a população capixaba também podem ser mensuradas em termos de recolhimento de tributos. Somente no último ano, as coops do Estado recolheram R$ 589 milhões em impostos e taxas para os cofres públicos, recurso que irá ajudar o Poder Público a fortalecer suas atividades voltadas à sociedade.

As novidades não param por aí. O anuário recém-publicado também mostra evolução acentuada no número de pessoas envolvidas com o cooperativismo capixaba. Estima-se que 1,8 milhão de indivíduos já estão ligados diretamente ou indiretamente ao modelo econômico, o que representa 46,8% da população capixaba. Dessa forma, podemos considerar que quase cinco em cada dez capixabas possuem um vínculo com o coop.

Todos esses números demonstram a surpreendente viabilidade econômica e capacidade de crescimento do movimento cooperativista no Espírito Santo, realidade que acompanha a tendência nacional e mundial de expansão do movimento.

Vale lembrar que o desenvolvimento ocorre de forma pulverizada no Estado, tanto no campo quanto na cidade, já que o modelo societário cooperativista se adapta e funciona perfeitamente em diferentes setores de atividade.

O mais interessante é perceber que, enquanto avançam, as cooperativas preservam a sua essência secular, que é trabalhar e obter resultados em conjunto, sempre com foco nas pessoas. Acompanhada de uma boa estratégia, investimentos e gestão moderna, essa forma de atuação é o que mantém o cooperativismo tão valioso e indispensável para o progresso do nosso Estado.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

SUGERIMOS PARA VOCÊ: