X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Nova varíola já causa sobrecarga em laboratórios

Especialistas alertam que a baixa capacidade de testagem prejudica a identificação dos casos e o controle da disseminação do vírus

Jornal A Tribuna | 31/07/2022 17:42 h

Teste para detectar a doença: País já tem 1.066 casos confirmados da varíola, segundo Ministério da Saúde
Teste para detectar a doença: País já tem 1.066 casos confirmados da varíola, segundo Ministério da Saúde |  Foto: Agência Brasil - 27/07/2022
 

O aumento de casos confirmados e suspeitos da nova varíola no País começa a sobrecarregar laboratórios referenciados para o diagnóstico da doença. Para evitar um descontrole sobre a disseminação do vírus, eles pedem para que o Ministério da Saúde credencie mais locais para a testagem.

Especialistas alertam que a baixa capacidade de testagem prejudica a identificação dos casos e, consequentemente, o controle da disseminação do vírus.

Hoje, o Brasil tem apenas quatro locais para análise de amostras suspeitas desse tipo de varíola, conhecida também como varíola dos macacos. Todos ficam  no Sudeste: Instituto Adolfo Lutz (em São Paulo), o Instituto Oswaldo Cruz e a UFRJ (ambos no Rio de Janeiro) e a Fundação Ezequiel Dias (em Belo Horizonte).

O Instituto Adolfo Lutz é o que concentra a maior parte das análises. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a unidade tem processado, em média, 200 amostras por dia, sendo que 90% delas são liberadas em 24h.

A reportagem apurou que o tempo para a liberação dos resultados no instituto tem aumentado conforme cresce a demanda por testes. Há algumas semanas, todas as amostras eram processadas em menos de um dia. Em nota, a secretaria disse que a unidade tem “plena capacidade de processamento das amostras”.

Além do aumento de casos da nova  varíola, o instituto também faz análise de exames de covid-19, por isso, o risco de sobrecarga nas análises.

O Brasil registrou na última sexta-feira a primeira morte devido a essa doença. Segundo o Ministério da Saúde, o País já tem 1.066 casos confirmados da nova varíola. Em 9 de julho, eram 218.

A doença foi classificada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como emergência pública de preocupação global. A entidade também já declarou que considera a situação do Brasil para a enfermidade como alarmante.

Após o anúncio do primeiro óbito, o Ministério da Saúde  encomendou 50 mil doses de vacina contra a doença. A expectativa é de que cerca de 20 mil doses cheguem em setembro e o restante em outubro. 

A pasta afirma que o objetivo é vacinar os profissionais de saúde que lidam diretamente com amostras biológicas e pessoas que tiveram contato com os infectados.

saiba mais

- No Brasil, são 1.066 pessoas contaminadas pela doença, sendo 823 apenas no estado de São Paulo. 

- Há ainda 124 diagnósticos no Rio de Janeiro; 44 em Minas Gerais; 21 no Paraná; 15 no Distrito Federal; 13 em Goiás; 5 na Bahia; 4 em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Ceará; 3 em Pernambuco; 2 no Espírito Santo e no Rio Grande do Norte; e 1 no Acre e em Tocantins. Foram registradas também 513 suspeitas, que estão em monitoramento.

- Os principais sintomas são cansaço, febre, dor de cabeça e lesões cutâneas. A testagem é  pelo método reação em cadeia da polimerase (PCR).

- Diante do cenário epidemiológico atual, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) recomenda cuidados para evitar a propagação da doença.

- As recomendações são evitar o contato direto com pessoas sintomáticas infectadas e realizar higienização de superfícies e mãos de forma constante, além do uso de máscara, caso haja convivência com pessoa suspeita ou confirmada.

Fonte: Ministério da Saúde e Sesa.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS